Raoul Follereau

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Este artigo ou secção não cita fontes confiáveis e independentes (desde janeiro de 2019). Ajude a inserir referências.
O conteúdo não verificável pode ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Raoul Follereau (17 de Agosto 19036 de Dezembro 1977) fundou juntamente com a irmã Eugénia a Associação Raoul Follereau que ajuda e defende os leprosos desde 1967, em particular nos países de África.

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Raoul Follereau nasceu a 29 de Agosto de 1976 em Nevers, França, numa família de industriais, era um jovem jornalista e poeta, anti-nazi e defensor de uma França livre. Viu-se perseguido como outros pela polícia militar nazi. A sua vida mudou em 1936, quando se cruzou com leprosos pela 1ª vez, durante um safari em África. Pouco depois surgiu a 2ª guerra mundial, e para ajudar os leprosos escondeu-se num convento de religiosas em Lyon, onde a sua profissão era jardineiro, embora não soubesse nada de jardinagem. Decidiu correr mundo a fazer conferências acerca da lepra, e em 1953, foi fundada uma cidade, chamada Adzopé, onde os leprosos eram tratados e curados. Quando ele se aproximava dos leprosos, eles de início ficavam desconfiados, mas depois viam que ele queria mesmo ajudá-los e lhe chamavam de Pai Raoul. Uma frase que ele tinha era: "Ser feliz é fazer os outros felizes". Faleceu a 6 de Dezembro de 1977.