Reino Lunda

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Reino de Lunda)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde março de 2016). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
   |- style="font-size: 85%;"
       |Erro::  valor não especificado para "nome_comum"
   


Reino da Lunda
c. 1665 – 1887 Blank.png
Localização de
Em rosa, a localização do reino (em inglês, Lunda state) na África
Continente África
Capital Asokwele
Língua oficial língua lunda
Governo monarquia
Mwanta Yaav
 • - Ilunga Tshibinda
 • 1665 Mwata Mutomb
Período histórico Idade Moderna
 • c. 1665 Fundação
 • 1887 Dissolução

O Reino da Lunda (c. 16651887), também conhecido como Império da Lunda, foi uma confederação africana pré-colonial de estados, onde são hoje a República Democrática do Congo, o nordeste de Angola e o noroeste da Zâmbia. O seu estado central ficava nas atuais províncias congolesas de Tanganica, Alto Lomami, Lualaba e Alto Catanga.

Os excedentes de produção e os presos de guerra permitiam, à aristocracia Lunda, manter relações comerciais de longa distância com o litoral, Cassanje, Matamba, Loango, os pombeiros das colônias de Angola e os povos do Planalto Central de Angola.

História[editar | editar código-fonte]

O coração original do que viria ser o reino da Lunda foi uma simples vila (em língua lunda, gaad). Ela era governada por um rei intitulado Mwaanta Gaand. Um desses reis foi Ilunga Tsibinda, irmão de Calala Ilunga (rei do vizinho reino da Luba). Ilunga Tsibinda abandonou o reino de Luba e se casou com Lueji, rainha do reino da Lunda. Mwata Mutomb, o filho dos dois, criou, em 1665, o título de Mwanta Yaav, que passou a ser adotado daí em diante pelos reis lundas. Por volta de 1680, o reino Lunda tinha 150 000 quilômetros quadrados de área. No seu auge, no século XIX, o império chegou a ter 300 000 quilômetros quadrados.[1]

O império se expandiu para os atuais territórios de Angola e Zâmbia e se tornou uma confederação de estados, que mantinham um certo grau de autonomia, desde que pagassem tributos. O reino da Lunda caiu no século XIX, quando ocorreu a invasão pelos quiocos, que possuíam armas de fogo. Estes estabeleceram, então, o seu próprio reino com a sua língua e costumes. Os chefes lundas e o povo continuaram a viver na região lunda porém diminuídos de poder.

No início da era colonial (1884), o coração da terra lunda foi dividido entre a Angola portuguesa, o Estado Livre do Congo do rei Leopoldo II da Bélgica e o noroeste da britânica Rodésia, que viriam a tornar-se em Angola, República Democrática do Congo e Zâmbia, respectivamente.

Referências

  1. Thornton, John (1998). Africa and Africans in the Making of the Atlantic World, 1400-1800 (Second Edition). Cambridge: Cambridge University Press. p. 104.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • João Vicente Martins, Os Tutchokwe do Nordeste de Angola, dissertação de doutoramento em antropologia, Lisboa: Universidade Nova de Lisboa, 1997