Leopoldo II da Bélgica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde agosto de 2017). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Leopoldo II
Rei dos Belgas
Rei da Bélgica
Reinado 17 de dezembro de 1865
a 17 de dezembro de 1909
Antecessor(a) Leopoldo I
Sucessor(a) Alberto I
Soberano do Estado Livre do Congo
Reinado 1 de julho de 1885
a 15 de setembro de 1908
 
Esposa Maria Henriqueta da Áustria
Descendência Luísa Maria da Bélgica
Leopoldo, Duque de Brabante
Estefânia da Bélgica
Clementina da Bélgica
Casa Saxe-Coburgo-Gota
Nome completo
Leopoldo Luís Filipe Maria Nítor
Nascimento 9 de abril de 1835
  Bruxelas, Bélgica
Morte 17 de dezembro de 1909 (74 anos)
  Laeken, Bélgica
Enterro Igreja de Nossa Senhora de Laeken
Religião Católica
Pai Leopoldo I da Bélgica
Mãe Luísa Maria d'Orleães

Leopoldo II (Bruxelas, 9 de abril de 1835Laeken, 17 de dezembro de 1909) foi o segundo Rei dos Belgas [1] (1865 -1909). Foi também príncipe da Bélgica, duque de Saxe, duque de Saxe-Coburgo e Gotha, duque de Brabante e soberano do Estado Livre do Congo (1884-1908)[2].

Era o segundo filho do rei Leopoldo I, a quem sucedeu em 1865, tendo reinado até sua morte, em 1909. Era irmão da imperatriz Carlota do México. Por parte de sua mãe, Luisa d'Orléans neto de Luís Filipe I da França e primo-irmão da rainha Vitória do Reino Unido.

O regime da colônia africana de Leopoldo II, o Estado Livre do Congo, tornou-se um dos escândalos internacionais mais infames da virada do século XIX para o século XX. O relatório de 1904, escrito pelo cônsul britânico Roger Casement, levou à prisão e à punição de oficiais brancos que tinham sido responsáveis por matanças a sangue frio durante uma expedição de coleta de borracha em 1903 (incluindo um indivíduo belga que matou a tiros pelo menos 122 congoleses).

O Estado Livre do Congo incluiu uma área inteira hoje conhecida por República Democrática do Congo. Amigo de Henry Morton Stanley, o rei pediu a ele que o ajudasse a dar entrada à petição do território. Leopoldo administrou-o como sua possessão privada, considerando-se um empresário astuto e tendo passado uma semana em Sevilha para estudar os registros espanhóis de seu comércio com suas colônias da América Latina.

Família[editar | editar código-fonte]

Leopoldo foi o segundo filho do rei Leopoldo I da Bélgica, antigo príncipe de Saxe-Coburgo-Gota, e da princesa Luísa Maria d'Orleães. O seu pai tinha sido já casado com a princesa Carlota de Gales, filha do rei Jorge IV do Reino Unido, mas esta acabou por morrer ao dar à luz o único filho do casal, um bebé que nasceu morto.

O príncipe tinha um irmão mais velho, o príncipe-herdeiro Luís Filipe, mas este morreu com apenas dez meses de idade, em maio de 1834, quase um ano antes de Leopoldo nascer. Tinha também um irmão mais novo, o príncipe Filipe, casado com a princesa Maria Luísa de Hohenzollern-Sigmaringen e pai do futuro rei Alberto I da Bélgica, e uma irmã mais nova, a princesa Carlota, casada com o arquiduque Maximiliano da Áustria, irmão do imperador Francisco José da Áustria. Mais tarde Maximiliano tornar-se-ia imperador do México.

Casamento[editar | editar código-fonte]

No dia 22 de agosto de 1853, em Bruxelas, Leopoldo II desposou a arquiduquesa Maria Henriqueta da Áustria (1836–1902), com quem teve quatro filhos:

  1. Luísa Maria da Bélgica (18 de Fevereiro de 1858 – 1 de Março de 1924), casada com o príncipe Fernando Filipe de Saxe-Coburgo-Gota; com descendência.
  2. Leopoldo, Duque de Brabante (12 de Junho de 1859 – 22 de Janeiro de 1869), morreu aos nove anos de idade de pneumonia.
  3. Estefânia da Bélgica (21 de Maio de 1864 – 23 de Agosto de 1945), casada com o príncipe-herdeiro Rudolfo da Áustria; com descendência. Casada depois com o conde Elemér Lónyay de Nagy-Lónya et Vásáros-Namény.
  4. Clementina da Bélgica (30 de Julho de 1872 - 8 de Março de 1955), casada com o príncipe Vítor Bonaparte; com descendência.
A baronesa de Vaughan e o rei (1909).
« O ABADE — Oh ! Sire, na sua idade!
O REI — Pois tente fazer o mesmo ! »

Leopoldo II também teria sido pai de dois filhos ilegítimos, Lucien Philippe Marie Antoine (1906–1984) e Philippe Henri Marie François (1907–1914), cuja mãe era Blanche Zélia Joséphine Delacroix (1883–1948), também conhecida como Caroline Lacroix. Os dois se conheceram em 1899, quando Blanche tinha 16 anos e o rei já era sexagenário. Leopoldo daria a ela o título de baronesa de Vaughan, e os dois se casariam secretamente dez anos depois, em 14 de dezembro de 1909, no Castelo Real de Laeken, poucos dias antes da morte do rei. Em 1910, os dois filhos foram adotados pelo segundo marido de Delacroix, Antoine Durrieux.

Diz-se que Leopoldo II era cliente da casa de sadomasoquismo "Rose Cottage", de Mary Jeffries, em Hampstead, um subúrbio de Londres.[3]

Tentativa de assassinato[editar | editar código-fonte]

No dia 15 de novembro de 1902, ao final da cerimônia em memória da falecida consorte de Leopoldo II, o anarquista italiano Gennaro Rubino tentou assassinar o rei, que estava em uma carruagem. Três tiros foram disparados, mas todos erraram o alvo de Rubino, o qual foi preso imediatamente.

Reinado[editar | editar código-fonte]

Caricatura de Leopoldo II publicada na revista inglesa Vanity Fair. Reconhecido pelas potências europeias como soberano do Estado Livre do Congo em 1885, o rei constituiu, em 15 de abril de 1891, a Companhia do Catanga para explorar a borracha.

Leopoldo II deu ênfase à defesa militar como base da neutralidade da Bélgica, mas não foi capaz de obter a lei de conscrição. Apesar de ter sido impopular, Leopoldo II é lembrado pelo povo belga como "o rei construtor" (em neerlandês: Koning-Bouwer; em francês: le Roi-Bâtisseur), porque mandou construir um grande número de edifícios e projetos públicos, principalmente em Bruxelas, Oostende e Antuérpia.

Entre as construções estão as estufas reais nos terrenos do Castelo de Laeken, a Torre Japonesa, o Pavilhão Chinês, o Museu do Congo em Tervuren (hoje chamado Museu Real da África Central), o Parc du Cinquantenaire, em Bruxelas, e a estação de trem de Antuérpia. Ele também construiu a Villa Les Cèdres, em Saint-Jean-Cap-Ferrat, na Riviera Francesa. A villa é atualmente um jardim botânico.Tais construções foram todas realizadas com o dinheiro proveniente do Congo.

Exploração colonial e atrocidades[editar | editar código-fonte]

Uma vítima das atrocidades dos belgas no Congo, junto a um missionário (ca. 1890-1910)

Leopoldo acumulou uma enorme fortuna pessoal com a exploração de recursos naturais do Congo - a princípio, graças à exportação do marfim, mas esta não rendia tanto quanto se esperava. Quando a demanda global por borracha explodiu, sua atenção se voltou para a coleta trabalho-intensiva da seiva das plantas da borracha. Abandonando as promessas da Conferência de Berlim, realizada em meados dos anos 1890, o governo do Estado Livre do Congo restringiu o acesso de estrangeiros e passou a explorar o trabalho forçado dos nativos, com amplo recurso a espancamentos, matanças e mutilações, quando as cotas de produção não eram alcançadas.[4] O missionário John Hobbis Harris, que trabalhava em Baringa (na atual província de Tshuapa), ficou tão chocado com o que se deparou por lá que escreveu ao principal agente de Leopoldo no Congo, dizendo:

"Acabo de voltar da vila de Insongo Mboyo, no interior. A abjeta miséria e o completo abandono são realmente indescritíveis. Fiquei tão comovido, Excelência, com as histórias das pessoas que tomei a liberdade de prometer a elas que, no futuro, Sua Excelência só as mataria por crimes que elas tivessem cometido." [5]

As estimativas do número de mortos variam de 1 milhão a 15 milhões de pessoas.[6][7] [8] Tal discrepância se deve à falta de registros precisos. Segundo historiadores Louis e Stengers, a população estimada na época do início da administração de Leopoldo é uma "grosseira adivinhação", e as tentativas de E. D. Morel e outros, no sentido de quantificar a diminuição do contingente populacional, são invencionices.[9][10]

Crianças e adultos mutilados do Estado Livre do Congo

Adam Hochschild dedica um capítulo do seu livro, King Leopold's Ghost, ao problema da estimativa do número de mortos. O autor cita várias linhas de investigação recentes, adotadas pelo antropólogo Jan Vansina e outros, que examinam fontes locais (registros policiais e religiosos, tradição oral, genealogias, diários pessoais e outras), as quais são, em geral, coerentes com a avaliação feita em 1919 pela comissão do governo belga: aproximadamente metade da população pereceu durante o período do Estado Livre. Considerando-se que, no primeiro censo oficial, feito em 1924, pelas autoridades belgas, a população era de aproximadamente 10 milhões de pessoas, os mortos teriam sido 10 milhões, numa estimativa grosseira.[8]:225–33

Epidemias de varíola e doença do sono também devastaram a população.[11] Em 1896, a tripanossomíase africana matou mais de 5.000 pessoas, na aldeia de Lukolela, às margens do rio Congo. As estatísticas de mortalidade foram obtidas pelos esforços do cônsul britânico Roger Casement, que encontrou, em Lukolela, por exemplo, apenas 600 sobreviventes da doença, no ano de 1903.[12]

Críticas à administração do Estado Livre do Congo[editar | editar código-fonte]

A partir de 1884, no entanto, uma intensa guerra de propaganda foi travada, na mídia internacional, entre Leopoldo II e os críticos do Estado Livre do Congo. Leopoldo foi muito astuto no uso dos meios de comunicação para defender seu controle privado do Congo; do outro lado, o jornalista britânico Edmund Dene Morel movia uma forte campanha contra ele, chamando a atenção do público para a violência dos belgas contra a população congolesa. Morel usou os meios de comunicação de massa disponíveis na época, desde jornais e panfletos até livros, para divulgar evidências - incluindo relatos de testemunhas oculares e fotos obtidas por missionários, entre outros elementos - sobre as crueldades a que eram submetidos os nativos. Quando Morel ganhou apoiadores famosos, a publicidade negativa acabou por forçar Leopold a deixar o controle do Congo para o Estado belga, ao qual Leopoldo doaria a maior parte de suas propriedades, em 1900. O jornalista norte-americano Adam Hochschild, em seu livro King Leopold's Ghost, aponta o "grande esquecimento", depois que o rei transferiu a posse de sua colônia à Bélgica. Hochschild lembra que, em sua visita ao Museu Real da África Central, na década de 1990, não se mencionava nada a respeito das atrocidades cometidas no Estado Livre do Congo. Outro exemplo dado pelo autor sobre o "grande esquecimento" é o monumento, localizado em Blankenberge, que mostra um colono "trazendo a civilização" a uma criança negra, aos seus pés. Adam Hochschild dedica um capítulo do seu livro ao problema da estimativa do total de mortes, chegando a um número aproximado de 10 milhões.[8]:Chapter 15, "A Reckoning"

Cartoon de 1906, publicado na Punch, retrata Leopoldo II como uma serpente de borracha enredando um seringueiro congolês.

Inspirada por obras tais como O Coração das Trevas (1902), de Joseph Conrad - originalmente publicado, em três partes, pela Blackwood's Magazine (1899) e baseado na experiência de Conrad, 12 anos antes, quando percorreu o rio Congo como capitão de um navio a vapor -, a crítica internacional ao regime de Leopoldo cresceu e mobilizou a opinião pública. Relatos de uma exploração ultrajante e de violações generalizadas dos direitos humanos levaram a Coroa Britânica a determinar que fosse realizada uma investigação, pelo seu cônsul no país, Roger Casement. Os resultados das extensas viagens do diplomata e das entrevistas que realizou na região foram apresentados no chamado Casement Report, que contém detalhes sobre violações e abusos cometidos pelo regime de Leopoldo. [4] :250–260 Seguiu-se uma guerra de propaganda entre Leopoldo II e os críticos do Estado Livre do Congo. Na Grã-Bretanha, o ex-despachante portuário E. D. Morel, com apoio de Casement, fundou a Congo Reform Association ("Associação Reforma do Congo"), que foi o primeiro movimento de massa em defesa dos direitos humanos.[5] Seus apoiadores incluíam o escritor americano Mark Twain, cuja sátira mordaz, intitulada King Leopold's Soliloquy ("Solilóquio do Rei Leopoldo"), mostra Leopoldo explicando que a introdução do Cristianismo no país seria muito mais relevante do que um pouco de inanição. Twain usa as palavras do próprio Leopoldo contra ele próprio.[13]

O escritor Arthur Conan Doyle também critica o rubber regime ("regime da borracha") em seu livro O Crime do Congo, de 1908, escrito para apoiar o trabalho da Congo Reform Association. No livro, Doyle compara o regime de Leopoldo ao regime britânico na Nigéria, argumentando que a decência requeria que aqueles que governavam povos primitivos se preocupassem primeiramente com a sua promoção intelectual e espiritual, e não com aquilo que poderiam extrair deles. Segundo Hochschild, autor de King Leopold's Ghost, muitas das políticas de Leopoldo, em particular aquelas concernentes aos monopólios coloniais e aos trabalhos forçados, eram influenciadas pelas práticas dos neerlandeses da Companhia das Índias Orientais. [8]:37 Ainda de acordo com Hochschild, métodos similares de trabalho forçado também foram empregados, em alguma medida, por Alemanha, França e Portugal, em cujas colônias era explorada a borracha natural. [8]: 280

Relações com o Império do Brasil[editar | editar código-fonte]

Leopoldo II seguiu os mesmos objetivos de seu pai em relação ao Império do Brasil. Conseguiu seu objetivo ao casar seu sobrinho Luís Augusto de Saxe Coburgo Gota com a Princesa Leopoldina do Brasil, filha do Imperador D. Pedro II. Mesmo assim seus planos foram frustrados com a troca, já que ele esperava que Augusto se cassasse com a Princesa Isabel, herdeira do trono. Mesmo assim, sua dinastia poderia legalmente reclamar o trono, caso Isabel não tivesse herdeiros (ela levou dez anos para gerar o primeiro filho), e isso o animou. O Príncipe Pedro Augusto (filho de Augusto e Leopoldina) foi levado ao Rio de Janeiro como herdeiro aparente do Trono, e as ambições dos Coburgo-Gota foram quase alcançadas, sendo afinal frustadas por completo, diante da queda do Império, com a Proclamação da República.

Morte[editar | editar código-fonte]

Leopoldo II faleceu aos 74 anos de idade e seu corpo foi enterrado na câmara mortuária real da Igreja de Nossa Senhora, no Cemitério de Laeken.

Nobiliarquia & tratamentos[editar | editar código-fonte]

  • 1835 – 1865: Sua Alteza Real, O Príncipe Leopoldo, Duque de Brabante
  • 1865 - 1909: Sua Majestade Sereníssima, O Rei dos Belgas

Condecorações[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Leopoldo II da Bélgica

Referências

  1. Christophe Giltay (20 de Julho de 2013). «Pourquoi dit-on roi des Belges et pas roi de Belgique ?». RTL Info. Consultado em 14 de Dezembro de 2015 
  2. Decreto real de 16 de dezembro de 1840.
  3. In London: The Wicked City, Fergus Linnane (Robson Books 2003) pp. 297–8
  4. a b Ascherson, Neal. The King Incorporated: Leopold the Second and the Congo. Granta Books, 1999
  5. a b Dummett, Mark (24 de fevereiro de 2004). «King Leopold's legacy of DR Congo violence». BBC 
  6. Forbath, Peter (1977). The River Congo: The Discovery, Exploration and Exploitation of the World's Most Dramatic Rivers. [S.l.]: Harper & Row. p. 278. ISBN 978-0-06-122490-4 
  7. Wertham, Fredric (1968). A Sign For Cain: An Exploration of Human Violence. [S.l.: s.n.] ISBN 978-0-7091-0232-8 
  8. a b c d e Hochschild, Adam (2006). King Leopold's Ghost: A Story of Greed, Terror, and Heroism in Colonial Africa. [S.l.: s.n.] ISBN 978-1-74329-160-3 
  9. Louis, William Roger; Stengers, Jean (1968). E. D. Morel's History of the Congo Reform Movement. London: Clarendon. pp. 252–7. OCLC 685226763 
  10. Guy Vanthemsche (2012). Belgium and the Congo, 1885-1980. [S.l.]: Cambridge University Press 
  11. «The 'Leopold II' concession system exported to French Congo with as example the Mpoko Company» (PDF). Arquivado do original (PDF) em 27 de março de 2009 
  12. «Le rapport Casement annoté par A. Schorochoff» (PDF) 
  13. «Time» 🔗. 16 de maio de 1955 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Leopoldo II da Bélgica
Casa de Saxe-Coburgo-Gota
Ramo da Casa de Wettin
9 de abril de 1835 – 17 de dezembro de 1909
Precedido por
Leopoldo I
Coat of Arms of the King of the Belgians (1837-1921).svg
Rei da Bélgica
17 de dezembro de 1865 – 17 de dezembro de 1909
Sucedido por
Alberto I