Rio Araranguá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Rio Araranguá
Nascente Cânion Fortaleza
Altitude da nascente 1030 m
Foz Oceano Atlântico
Altitude da foz 0 m
Afluentes
principais
Rio Mãe Luzia, Rio Itoupava, Rio Manoel Alves
País(es)  Brasil

O rio Araranguá é um curso de água do sul do estado de Santa Catarina.

Oficialmente o rio nasce a partir da junção entre o rio Mãe Luzia e rio Itoupava, já no município de Araranguá, mas como todo rio deve ter uma nascente principal, a nascente principal do Rio Araranguá seria o rio Itoupava. O problema é que o rio Itoupava também é formado a partir da junção de dois rios. Os rios da Pedra e Pinheirinho entre os municípios de Turvo, Ermo e Jacinto Machado. A principal nascente do rio Itoupava é o rio da Pedra, que seria então a nascente mãe do rio araranguá. Considerando a nascente do rio da Pedra, o rio Araranguá possui 36 Km de extensão.

Sendo assim, o rio Araranguá nasce com o nome de rio da Pedra no Parque Nacional da Serra Geral no estado do Rio Grande do Sul. Nasce nos campos acima da serra, mas em vez de correr para o interior, como a maioria dos rios que nascem nesse local, ele corre em direção ao mar. Ele percorre cerca de 5Km e despenca na cachoeira do Tigre Preto no cânion Fortaleza, um dos maiores cânions no Brasil. Um pouco antes da cachoeira o rio Araranguá entra no estado de Santa Catarina. Após a cachoeira e de percorrer mais de 8 Km de canion o rio passa de uma altitude de mais de 1000m para 250m.

O rio segue em direção à cidade de Jacinto Machado recebendo outros afluentes que desceram os canions da serra geral, como o rio Pai José e rio Engenho Velho. Nessa região, o rio alcança a planície e as plantações de arroz são muito comuns, o que faz com que o rio perca o seu volume de água, as margens ficam comprometidas e a água poluída.

Com 45km de curso, o rio recebe as águas do rio Pinheirinho, e passa a se chamar rio Itoupava, fazendo a divisa dos municipios de Turvo e Ermo. Um pouco mais adiante, recebe as águas de um importante afluente, o rio Amola-Faca, que possiu grande volume de água e ajuda a recuperar o volume perdido para as plantações de arroz.

Fazendo o limite de municipio entre Araranguá e Meleiro o Rio Araranguá finalmente passa a ser chamado de Araranguá ao receber as águas do rio Mãe Luzia e entra no município de Araranguá. O rio fica muito polúido na região pois o rio Mãe Luzia apresenta um nível de poluição alarmante. Para se ter uma ideia do perigo, após a foz do rio Mãe Luiza está localizada uma área de 30 mil hectares de plantio de arroz, uma das atividades essenciais da região, com a produção média de 60 sacos por hectare. Ali está ocorrendo uma queda de produtividade da ordem de 45% em decorrência da utilização de águas ácidas no processo de irrigação. Em épocas de precipitação intensa, os ecossistemas aquáticos do Vale do Araranguá são influenciados pela atividade mineradora. Morrem grandes quantidades de peixes, afetando 5.000 famílias que têm sua subsistência alicerçada na pesca. [carece de fontes?]

Um pouco adiante o rio entra na área urbana de Araranguá e recebe mais poluição.

A bacia hidrográfica do rio Araranguá abrange os municípios de Morro Grande, Meleiro, Turvo, Timbé do Sul e parte dos municípios de Jacinto Machado e Araranguá. Os principais rios desta bacia, além do rio Araranguá, são: O rio Manoel Alvez, rio Amola Faca, rio Mãe Luzia, rio Turvo, rio Pinheirinho, entre outros.

O rio Araranguá atravessa o município de mesmo nome, sendo sua foz próxima ao morro dos Conventos. Após a área urbana o rio se torna caudaloso e percorre ainda quase 20 Km até a foz. Apesar da poluição, ainda é realizada pesca com tarrafas e ajuda dos botos, que cercam os cardumes.

O rio Araranguá também é um dos únicos rios do Brasil a mudar sua coloração, de forma similar ao rio Nilo. [carece de fontes?]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Dentre os lugares pelos quais passa o rio Araranguá, destacam-se o Morro dos Conventos e a comunidade de Ilhas, ambos conhecidos principalmente pelas riquezas visuais que encantam os olhos. Na comunidade de Ilhas, já na chegada, pode-se deparar com a água cristalina que fascina turistas e pescadores. Logo depois, o rio desagua nas margens do mar. As pequenas dunas do local tornam a paisagem ainda mais admirável a turistas e moradores da região. Além desses motivos e da diversão de caminhar sobre as dunas da praia, é possível banhar-se nas águas do rio e do mar. [carece de fontes?]

O Cânion Fortaleza, assim como todo o Parque Nacional da Serra Geral, são muito visitados.

Ícone de esboço Este artigo sobre hidrografia do Brasil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.