Ronan Tito de Almeida

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Merge-arrows 2.svg
Foi proposta a fusão deste artigo ou se(c)ção com Ronan Tito. Pode-se discutir o procedimento aqui. (desde março de 2019)
Ronan Tito
Deputado federal por Minas Gerais
Período 1979-1987
Senador por Minas Gerais
Período 1987-1995
Dados pessoais
Nascimento 22 de agosto de 1931 (88 anos)
Pratinha, Minas Gerais
Cônjuge Laís Sampaio de Almeida
Partido MDB, PMDB
Profissão empresário

Ronan Tito de Almeida (Pratinha, 22 de agosto de 1931) é um empresário e político brasileiro que foi deputado federal[1] e senador[2] por Minas Gerais. No plano nacional abriu as portas do Senado para prefeitos e governadores, como articulador da lei que regulamentou a Constituição Federal, e garantiu o pagamento dos royalties de mineração e da geração de energia elétrica. Ele também deixou a marca de seu idealismo realizador como autor do projeto de lei que criou o avançado Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) e foi o coordenador e co-autor do Código de Defesa do Contribuinte.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Edmar Tito de Almeida e Rosa Pereira de Almeida. Foi comerciante, caminhoneiro e fazendeiro tornando-se empresário, presidente da Associação Comercial e Industrial de Uberlândia, vice-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (1970-1972) e membro do conselho curador da Universidade Federal de Uberlândia, embora não tenha concluído o curso de Economia. Filiou-se ao MDB no início dos anos 1970 e elegeu-se deputado federal[3] em 1978 e 1982 e nesse ínterim já estava no PMDB compondo o diretório estadual. Secretário do Trabalho e Ação Social do governo Tancredo Neves, manteve o cargo nos primeiros meses do governo Hélio Garcia, afastando-se para votar em Tancredo Neves no Colégio Eleitoral em 1985 na vitória da oposição sobre Paulo Maluf, o candidato governista. Em 1986 foi eleito senador[3] substituindo Fernando Henrique Cardoso como líder do PMDB visto que o senador paulista deixou o partido para fundar o PSDB. Foi presidente da Fundação Ulysses Guimarães entre 1993 e 1995. Vencido no primeiro turno ao buscar o governo mineiro em 1990,[3] perdeu também a eleição para deputado federal em 1998.[3]

Referências