Eleições estaduais em Minas Gerais em 1978

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
1974 Brasil 1982
Eleições estaduais em  Minas Gerais em 1978
1º de setembro de 1978
(Eleição indireta)
15 de novembro de 1978
(Eleição direta)


Francelino Pereira dos Santos, como Deputado.jpg
Candidato Francelino Pereira


Partido ARENA


Natural de Angical do Piauí, PI


Vice João Marques
Votos 1.318
Porcentagem 97,49%


Brasão de Minas Gerais.svg
Governador de Minas Gerais

As eleições estaduais em Minas Gerais em 1978 ocorreram em duas etapas conforme determinava o Pacote de Abril: em 1º de setembro houve a via indireta na qual a ARENA elegeu o governador Francelino Pereira, o vice-governador João Marques e o senador Murilo Badaró. A fase seguinte aconteceu em 15 de novembro a exemplo dos outros estados brasileiros e nela o MDB elegeu o senador Tancredo Neves enquanto a ARENA conseguiu a maioria das cadeiras dentre os 47 deputados federais e 71 estaduais que foram eleitos e nela os mineiros residentes no Distrito Federal escolheram seus representantes por força da Lei nº 6.091 de 15 de agosto de 1974.[1][2][nota 1]

Nascido em Angical do Piauí, o advogado Francelino Pereira residiu em Amarante, Teresina e Fortaleza antes de chegar a Belo Horizonte onde ingressou na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais onde presidiu o Centro Acadêmico Afonso Pena.[3] Eleito vereador em Belo Horizonte pela UDN em 1958, graduou-se um ano depois, prestou consultoria para a prefeitura da capital mineira, assessorou Rondon Pacheco, então secretário de Justiça, e o governador Magalhães Pinto. Eleito deputado federal em 1962, foi porta-voz do político do governo mineiro e com o bipartidarismo imposto pelo Regime Militar de 1964 filiou-se à ARENA e foi reeleito em 1966, 1970 e 1974. Eleito presidente nacional da legenda no dia 21 de setembro de 1975 em substituição a Petrônio Portela,[4] estava no exercício do cargo quando o presidente Ernesto Geisel o escolheu governador de Minas Gerais.[5]

Seu companheiro de chapa foi o advogado João Marques. Antes de ingressar na política o mesmo foi serventuário da Justiça e professor no Centro Universitário da Fundação Educacional Guaxupé.[6][nota 2] Originário do antigo PSD, é dono de um cartório em Contagem[7] e após o bipartidarismo elegeu-se deputado estadual via ARENA em 1970 e 1974 sendo escolhido vice-governador de Minas Gerais em 1978.

Natural de Minas Novas, o advogado Murilo Badaró formou-se na Universidade Federal de Minas Gerais em 1955. Filho de Francisco Badaró Júnior, integrou o PSD elegendo-se deputado estadual em 1958 e 1962. Após a outorga do bipartidarismo rumou para a ARENA e foi secretário de Governo a convite do governador Israel Pinheiro.[8] Eleito deputado federal em 1966, 1970 e 1974, conquistou um mandato de senador por via indireta em 1978 do qual afastou-se nos últimos meses do governo João Figueiredo quando foi ministro da Indústria e Comércio.[6][9][nota 3]

O resultado da eleição direta para senador apontou a vitória de Tancredo Neves. Mineiro de São João del-Rei, graduou-se advogado em 1932 na Universidade Federal de Minas Gerais.[10] Promotor de justiça, elegeu-se vereador em sua cidade natal em 1935, mas teve o mandato extinto por obra do Estado Novo. De volta à política através do PSD, foi eleito deputado estadual em 1947 e deputado federal em 1950.[10] Durante o segundo governo Getúlio Vargas foi ministro da Justiça e nesse cargo presenciou os fatos que levaram ao suicídio do presidente. Encerrado o seu mandato apoiou a candidatura vitoriosa de Juscelino Kubitschek à presidência da República em 1955. Nos anos seguintes dirigiu a Carteira de Redescontos do Banco do Brasil e foi secretário de Fazenda no governo Bias Fortes. Derrotado por Magalhães Pinto na disputa pelo governo de Minas Gerais em 1960, foi, por um curto período, presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social. Mediante um acordo político que assegurou a posse de João Goulart como presidente da República, assumiu o cargo de primeiro-ministro em 8 de setembro de 1961 exercendo-o até 1962 quando foi eleito deputado federal. Consumada a vitória do Regime Militar de 1964 rumou para o MDB reelegendo-se em 1966, 1970 e 1974 e obteve um mandato de senador em 1978.[11][12]

Resultado da eleição para governador[editar | editar código-fonte]

O Colégio Eleitoral de Minas Gerais possuía ao todo 1.512 membros dos quais 1.354 compareceram. Houve trinta e quatro abstenções e dois votos nulos na eleição para governador.[5]

Candidatos a governador do estado
Candidatos a vice-governador Número Coligação Votação Percentual
Francelino Pereira
ARENA
João Marques
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
1.318
97,34%
  Eleito

Resultado da eleição para senador[editar | editar código-fonte]

Mandato biônico de oito anos[editar | editar código-fonte]

Resultado correspondente à votação obtida no Colégio Eleitoral.[13]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Murilo Badaró
ARENA
Morvan Acaiaba
ARENA
Walter Passos
ARENA
-
ARENA (sem coligação)
1.316
97,34%
  Eleito

Mandato direto de oito anos[editar | editar código-fonte]

Conforme o Tribunal Superior Eleitoral houve 3.405.374 votos nominais (76,35%), 656.165 votos em branco (14,71%) e 398.606 votos nulos (8,94%), resultando no comparecimento de 4.460.145 eleitores.[1][14][15][16][17][nota 4][nota 5]

Candidatos a senador da República
Candidatos a suplente de senador Número Coligação Votação Percentual
Tancredo Neves
MDB
-
MDB
-
MDB (sublegenda um)
1.641.915
48,22%
Fagundes Neto
ARENA
Ney Junqueira
ARENA
-
ARENA (em sublegenda)
893.772
26,25%
Israel Pinheiro Filho
ARENA
Pinheiro Chagas
ARENA
-
ARENA (em sublegenda)
774.525
22,74%
Alfredo Campos[nota 6][18][19]
MDB
Altair Lorenzato
MDB
-
MDB (sublegenda dois)
95.162
2,79%
  Eleito

Deputados federais eleitos[editar | editar código-fonte]

São relacionados os candidatos eleitos com informações complementares da Câmara dos Deputados.[20][21]

Deputados federais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
Magalhães Pinto ARENA 139.137 Santo Antônio do Monte  Minas Gerais
Newton Cardoso MDB 134.943 Brumado Bahia Bahia
Maurício Campos ARENA 92.777 Rio Pomba  Minas Gerais
Júnia Marise MDB 92.668 Belo Horizonte  Minas Gerais
Hélio Garcia ARENA 84.085 Santo Antônio do Amparo  Minas Gerais
Ronan Tito MDB 71.444 Pratinha  Minas Gerais
Bias Fortes ARENA 70.629 Barbacena  Minas Gerais
Homero Santos ARENA 70.059 Uberlândia  Minas Gerais
Carlos Eloy MDB 69.821 Pompéu  Minas Gerais
Gerardo Renault ARENA 67.154 Belo Horizonte  Minas Gerais
Antônio Dias ARENA 66.783 Montes Claros  Minas Gerais
Jairo Magalhães ARENA 65.403 Serro  Minas Gerais
Tarcísio Delgado MDB 64.389 Juiz de Fora  Minas Gerais
Sílvio Abreu Júnior MDB 64.189 Juiz de Fora  Minas Gerais
José Machado ARENA 62.048 Guanhães  Minas Gerais
Renato Azeredo MDB 61.082 Sete Lagoas  Minas Gerais
Bonifácio de Andrada ARENA 59.645 Barbacena  Minas Gerais
Christovam Chiaradia ARENA 57.420 Córrego do Bom Jesus  Minas Gerais
Carlos Cotta MDB 57.088 Dom Silvério  Minas Gerais
Delson Scarano ARENA 56.604 São Tomás de Aquino  Minas Gerais
Paulino Cícero ARENA 55.593 São Domingos do Prata  Minas Gerais
Vicente Guabiroba ARENA 55.480 Itamarandiba  Minas Gerais
Jorge Vargas ARENA 54.675 Paracatu  Minas Gerais
Ibrahim Abi-Ackel[nota 7] ARENA 54.653 Manhumirim  Minas Gerais
Sérgio Ferrara MDB 52.957 Belo Horizonte  Minas Gerais
Jorge Ferraz MDB 51.959 Belo Horizonte  Minas Gerais
Humberto Souto ARENA 50.798 Montes Claros  Minas Gerais
Melo Freire ARENA 50.611 Passos  Minas Gerais
Edgar Amorim MDB 47.458 Cláudio  Minas Gerais
Aécio Cunha ARENA 47.130 Teófilo Otoni  Minas Gerais
Navarro Vieira Filho ARENA 45.733 Botelhos  Minas Gerais
Telêmaco Pompei ARENA 44.705 Muriaé  Minas Gerais
Genival Tourinho MDB 44.197 Montes Claros  Minas Gerais
João Herculino MDB 43.197 Sete Lagoas  Minas Gerais
Raul Bernardo ARENA 42.839 Belo Horizonte  Minas Gerais
Bento Gonçalves ARENA 40.884 Matozinhos  Minas Gerais
Juarez Batista MDB 40.692 Uberaba  Minas Gerais
Batista Miranda ARENA 40.192 Lajinha  Minas Gerais
Nogueira de Rezende[nota 8] ARENA 39.283 Conselheiro Lafaiete  Minas Gerais
Fued Dib MDB 39.012 Ituiutaba  Minas Gerais
Luiz Baccarini MDB 38.964 São João del Rei  Minas Gerais
Castejon Branco ARENA 36.023 Monte Santo de Minas  Minas Gerais
Dario Tavares ARENA 35.768 Córrego Danta  Minas Gerais
Rosemburgo Romano MDB 35.255 Guidoval  Minas Gerais
Luiz Leal MDB 34.626 Teófilo Otoni  Minas Gerais
Leopoldo Bessone MDB 32.901 Belo Horizonte  Minas Gerais
Pimenta da Veiga MDB 31.326 Belo Horizonte  Minas Gerais

Deputados estaduais eleitos[editar | editar código-fonte]

Foram escolhidos 71 deputados estaduais para a Assembleia Legislativa de Minas Gerais.[1][21]

Deputados estaduais eleitos Partido Votação Percentual Cidade onde nasceu Unidade federativa
José Laviola ARENA 62.828 Muriaé  Minas Gerais
Mário Assad ARENA 50.109 Manhuaçu  Minas Gerais
José Santana de Vasconcelos ARENA 48.567 Alvinópolis  Minas Gerais
José Bonifácio Filho ARENA 48.220 Belo Horizonte  Minas Gerais
Eurípedes Craide MDB 40.410 Conquista  Minas Gerais
João Pinto Ribeiro MDB 40.324 Belo Vale  Minas Gerais
Milton Sales[nota 9] ARENA 39.757 Paraisópolis  Minas Gerais
Dênio Moreira ARENA 39.750
Cleuber Carneiro ARENA 39.199 Paratinga  Minas Gerais
Oscar Corrêa Júnior ARENA 38.837 Belo Horizonte  Minas Gerais
João Ferraz ARENA 38.728
Raimundo Albergaria[nota 10] ARENA 37.453
Euclides Cintra ARENA 36.790
Ziza Valadares MDB 35.807 Belo Horizonte  Minas Gerais
Narciso Michelli ARENA 34.234
João Pedro Gustin ARENA 34.029 Araraquara  São Paulo
Ronaldo Canedo ARENA 33.640 Muriaé  Minas Gerais
Delfim Ribeiro ARENA 32.757 Patrocínio do Muriaé  Minas Gerais
Domingos Lanna ARENA 32.531 Rio Casca  Minas Gerais
Jésus Trindade ARENA 32.433 Barra Longa  Minas Gerais
José Honório ARENA 31.248
Cícero Dumont ARENA 30.640
Luiz Vicente ARENA 30.334 Guaxupé  Minas Gerais
Nilson Gontijo MDB 30.284 Bom Despacho  Rio de Janeiro
Olavo Costa[nota 11] MDB 30.009
Fernando Junqueira ARENA 29.828
Lourival Brasil ARENA 29.818 Estrela do Sul  Minas Gerais
Artur Fagundes ARENA 29.333 Montes Claros  Minas Gerais
João Navarro ARENA 27.807
Milton Lima MDB 27.746 Araguari  Minas Gerais
Luiz Alberto Rodrigues MDB 27.377 Morrinhos  Goiás
Ruy da Costa Val ARENA 27.202 Viçosa  Minas Gerais
Sylo Costa ARENA 27.152
Emílio Gallo ARENA 27.099 Jaguaraçu  Minas Gerais
Sérgio Emílio MDB 27.075 Conselheiro Lafaiete  Minas Gerais
Humberto de Almeida[nota 12] ARENA 26.993 Cássia  Minas Gerais
Mendes Barros MDB 26.932 Nova Era  Minas Gerais
Cyro Maciel ARENA 26.587 Piranga  Minas Gerais
Emílio Haddad MDB 26.381 Oliveira  Minas Gerais
Cássio Gonçalves MDB 25.733 Itaúna  Minas Gerais
Dalton Canabrava MDB 25.679 Curvelo  Minas Gerais
Camilo Machado ARENA 25.459 Abadia dos Dourados  Minas Gerais
Luiz Junqueira MDB 25.429
Fábio Vasconcelos ARENA 25.308 Barra Longa  Minas Gerais
Rafael Caio ARENA 25.307 Guanhães  Minas Gerais
Genésio Bernardino MDB 24.896 Mutum  Minas Gerais
Roberto Junqueira ARENA 24.314 Poços de Caldas  Minas Gerais
Ademir Lucas MDB 24.267 Esmeraldas  Minas Gerais
Narcélio Mendes ARENA 24.098
Ferraz Caldas MDB 24.046 Pedralva  Minas Gerais
Otacílio Miranda ARENA 23.827 Lagoa da Prata  Minas Gerais
Kemil Kumaira MDB 23.199 Teófilo Otoni  Minas Gerais
Pedro Narciso MDB 23.094
Juarez Hosken ARENA 23.070
Nelson Carvalho MDB 22.754
Gomes Moreira MDB 22.470
Neif Jabur MDB 21.969 Passos  Minas Gerais
Fulvio Fontoura ARENA 21.498
Leão Borges ARENA 21.463
Hélio Resende ARENA 21.249
Amilcar Padovani MDB 21.172 Juiz de Fora  Minas Gerais
José Pereira da Silva MDB 20.912
Paulo Ferraz MDB 20.157
José Geraldo ARENA 20.110
Carlos Lemos ARENA 20.009 Pratinha  Minas Gerais
Renato de Freitas ARENA 19.768
Geraldo da Costa Pereira MDB 19.369 Divinópolis  Minas Gerais
Elmo Braz MDB 19.268
Rufino Neto MDB 19.167
Marcelo Caetano MDB 18.953
Wilson Vaz MDB 18.897 Colatina  Espírito Santo

Notas

  1. No Distrito Federal havia seções especiais para captar o voto de quem estava fora do seu estado de origem e nos territórios federais do Amapá, Rondônia e Roraima serviu apenas para a escolha de deputados federais.
  2. Denominada à época "Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Guaxupé".
  3. Durante sua passagem pelo Executivo foi substituído por Morvan Acaiaba.
  4. Segundo a Constituição de 1946 (Art. 60 § 4º) cada senador seria eleito com o seu suplente e sob a mesma chapa de acordo com o Código Eleitoral de 1965.
  5. Os candidatos do MDB conseguiram 1.737.077 votos (51,01%) contra 1.668.297 votos (48,99%) obtidos pela chapa da ARENA totalizando 3.405.374 votos nominais.
  6. Tancredo Neves foi eleito governador de Minas Gerais em 1982 e conforme a legislação vigente o advogado e pecuarista Alfredo Campos foi convocado para substituí-lo. Natural de Abaeté e formado em 1967 pela Universidade Federal de Minas Gerais, pertencia à UDN e integrou o governo Magalhães Pinto como oficial de gabinete da presidência do Instituto de Previdência dos Servidores do Estado de Minas Gerais, cargo do qual se afastou ao entrar no MDB. Sua atividade profissional o fez vice-presidente da Confederação dos Servidores Públicos do Brasil no fim dos anos 1960 e na década seguinte trabalhou na Fundação Mineira de Educação e Cultura. Procurador do MDB junto ao Tribunal Superior Eleitoral a partir de 1975, foi candidato a senador numa sublegenda em 1978 e ao final da apuração tornou-se o primeiro suplente do vencedor sendo efetivado com a renúncia do titular.
  7. Nomeado ministro da Justiça pelo presidente João Figueiredo em 1980.
  8. Renunciou em 1981 para assumir uma cadeira no Tribunal de Contas da União.
  9. Filho do político Milton Sales.
  10. Não confundir com o também político Raimundo Albergaria.
  11. Faleceu no exercício do mandato e em seu lugar foi efetivado Geraldo Pereira Sobrinho a partir de 21 de outubro de 1980.
  12. Faleceu no exercício do mandato e em seu lugar foi efetivado Galba Veloso a partir de 25 de novembro de 1982.

Referências

  1. a b c «Banco de dados do Tribunal Superior Eleitoral». Consultado em 28 de novembro de 2017 
  2. «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 6.091 de 15/08/1974». Consultado em 1º de agosto de 2013 
  3. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Francelino Pereira». Consultado em 29 de novembro de 2017 
  4. Francelino: o culto mineiro da paciência (online). Folha de S. Paulo, 22/09/1975. Página visitada em 4 de agosto de 2013
  5. a b Minas gastou 27 horas para votar e proclamar os eleitos (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 03/09/1978. Política e Governo, p. 05. Página visitada em 29 de novembro de 2017.
  6. a b Francelino escolhe vice e senador indireto do ex-PSD e busca a união (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 16/05/1978. Política e Governo, p. 02. Página visitada em 29 de novembro de 2017
  7. Candidatos mineiros declaram bens (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 03/08/1978. Política e Governo, p. 04. Página visitada em 29 de novembro de 2017.
  8. «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Murilo Badaró». Consultado em 29 de novembro de 2017 
  9. «Senado Federal do Brasil: senador Murilo Badaró». Consultado em 29 de novembro de 2017 
  10. a b «Câmara dos Deputados do Brasil: deputado Tancredo Neves». Consultado em 29 de novembro de 2017 
  11. «CPDOC – E ele voltou... o Brasil no segundo governo Vargas: biografia de Tancredo Neves». Consultado em 29 de novembro de 2017 
  12. «Senado Federal do Brasil: senador Tancredo Neves». Consultado em 29 de novembro de 2017 
  13. Menos de dez mil votos elegeram 22 senadores (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 01/09/1978. Primeiro caderno, p. 04. Página visitada em 4 de junho de 2018.
  14. «BRASIL. Presidência da República: Constituição de 1946». Consultado em 25 de novembro de 2017 
  15. «BRASIL. Presidência da República: Lei n.º 4.737 de 15/07/1965». Consultado em 25 de novembro de 2017 
  16. ARENA mineira não espera por Magalhães e completa chapas (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 20/07/1978. Política e Governo, p. 13. Página visitada em 29 de novembro de 2017
  17. Emedebista pede impugnação (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 23/08/1978. Política e Governo, p. 04. Página visitada em 29 de novembro de 2017.
  18. «Senado Federal do Brasil: senador Alfredo Campos». Consultado em 29 de novembro de 2017 
  19. O candidato rebelde (online). Jornal do Brasil, Rio de Janeiro (RJ), 31/07/1978. Política e Governo, p. 07. Página visitada em 29 de novembro de 2017.
  20. «Página oficial da Câmara dos Deputados». Consultado em 28 de novembro de 2017. Arquivado do original em 2 de outubro de 2013 
  21. a b «BRASIL. Presidência da República: Lei nº 9.504 de 30/09/1997». Consultado em 28 de novembro de 2017