Rosalvo Salgueiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Rosalvo Salgueiro Silva, natural de Regente Feijó,Estado de São Paulo - Brasil, nasceu aos 25 de setembro de 1955 é um filósofo brasileiro ativista político, militante na defesa dos Direitos Humanos e dos movimentos populares por moradia e reforma urbana na cidade de São Paulo, além de filósofo também é teólogo ligado à Teologia da Libertação, graduou-se ainda em Direito pela UNIESP/São Roque e é Mestre em Direito Penal Internacional pela Universidade de Granada na Espanha. É tido como discípulo de Carlos Duarte Costa, o bispo de Maura, fundador da Igreja Católica Apostólica Brasileira.

Anos 80[editar | editar código-fonte]

Nas décadas de setenta e oitenta do século passado teve destacada atuação nas comunidades eclesiais de base, no movimento sindical, principalmente o bancário de São Paulo, e também na resistência à Ditadura Militar que se instalou no Brasil com o golpe militar de 31 de março de 1964. Nos anos noventa teve também papel destacado nos movimentos populares articulando-os politicamente, coordenou uma comissão de diálogo inter-religioso entre os militantes e formuladores da Teologia da Libertação e da Teologia Islâmica Xiita, integrada por teólogos iranianos e latinoamericanos, da qual participaram os teólogos Leonardo Boff, Clodovis Boff, Paulo de Andrade, Pedro A. Ribeiro de Oliveira e outros do lado cristão, e do lado muçulmano participaram: o Huyatulyslam Mohsen Rabanni, Sheick Adul Karin Paz, o Ayatullah Yafhar Subhanni e Ayatullah Mesbah Yazdi e também o historiador islâmico Shamsudin Horacio Elia, além do embaixador do Irã no Vaticano, Mahseyami Y, e da teóloga Lili Kashanni. Dessa Comissão também participou ativamente o argentino ativista dos Direitos Humanos e Prêmio Nobel da Paz, Adolfo Pérez Esquivel.

Participou ativamente da luta contra a ditadura militar no Brasil. É, ao lado de Adolfo Pérez Esquivel, membro fundador do Servicio Paz y Justicia en América Latina (SERPAJ-AL),[1], tendo sido seu Secretário Executivo Latinoamericano de 1987 a 1990.

Atualidade[editar | editar código-fonte]

Desde 2003 é Coordenador Nacional do Serviço Paze Justiça - SERPAJ-Brasil.[2], que mantém na internet um blog:http://serpaj-brasil.blogspot.com/ Foi Conselheiro Municipal de Habitação, Prefeitura Municipal de São Paulo,de 2006 a 2009, em representação dos movimentos populares, eleito por votação direta em que os eleitores de São Paulo, em votação não obrigatória, lhe deram 11.384 votos.[3] É também dirigente do PSDB de São Paulo[4]. No tucanato da Capital, é reconhecido como um dos homens mais próximos ao governador Geraldo Alckmin, é também um dos militantes sociais-democratas que se situam mais à esquerda, tendo significativa presença nos movimentos populares.

Segundo ele próprio, para melhor servir aos movimentos populares fundou a ATEMOP - Assessoria Técnica aos Movimentos Populares, voltou aos bancos escolares e graduou-se em Direito pela UNIESP - Campus de - São Roque - SP, onde apresentou para a conclusão do curso um trabalhos sobre Direitos Humanos intitulado "Uma Nova Fronteira Para os Direitos Humanos", propondo a criação de uma Corte Internacional Penal Ambiental para julgar os grandes crimes contra a natureza cometido por pessoas, empresas,organizações e governos. Em fevereiro de 2013 recebeu o Titulo de Mestre em Direito Penal Internacional, pela Universidade de Granada - Espanha, onde, depois de concluir o curso de mestrado, apresentou dissertação sobre o Crime de Genocídio e foi aprovado com a categoria de "Notável".

Está envolvido na coordenação da Campanha Mundial pela Criação de uma Corte Internacional Penal Ambiental que é liderada por Adolfo Esquivel.

Está também engajado na luta contra as usinas hidrelétricas principalmente aquelas projetados para a bacia do Rio Amazonas, em especial a Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Tem clamado por uma nova concepção de desenvolvimento que dê prioridade à convivência humana e preserve a natureza e na busca de fontes alternativas de energia para a implantação do desenvolvimento sustentável e sustentado.

Tem corrido o mundo dando palestras em universidades, igrejas e ONGs, inclusive em reuniões oficiais da ONU, sobre Direitos Humanos, Ecologia, Não-Violência Ativa, e leitura e práxis cristã engajadas na realidade pra a transformação e promoção da justiça e igualdade entre todos os seres. Sua atuação em favor das camadas mais empobrecidas da população foi reconhecida pela ONU, como uma das melhores práticas do mundo no ano de 2014, que através da UN-HABITAT, da Prefeitura Municipal de Dubai e do governo dos Emirados Árabes Unidos concederam-lhe o "International Best Practices Award 2014" (Prêmio  Internacional de Melhores Práticas de 2014).

Atualmente, além de trabalhar com os movimentos populares e assessorar várias organizações da sociedade civil em programas de formação política e cidadania, também presta assessoria pastoral e reflexão teológica às comunidades eclesiais de base de várias igrejas cristãs.

Bibliografia do autor[editar | editar código-fonte]

Livros: É autor dos livros

  • "A liberdade não é Negociável"; Ed.Hemus, São Paulo 1978.
  • "500 Anos de Resistência e Luta" este, em coautoria com Leonardo Boff, Dom Pedro Casaldáliga e outros, Ed. SERPAJ-Brasil, São Paulo 1992.
  • "Uma Nova Fronteira Para os Direitos Humanos" Ed. Centelha, São Paulo 2010.
  • "Fome de Justiça: Perspectivas para Erradicação da Pobreza" vários autores tais como Adolfo Pérez Esquivel, José Comblin, Luís Flávio Cappio Thomaz Gröbly, Ed. Thomaz Gröbly, Zurich, 2011

Artigos[editar | editar código-fonte]

Entre outros:

  • A Ousadia de invadir a própria casa. Revista do CEM da Igreja Luterana IECLB São Leopoldo;
  • Direitos Humanos: O mal só triunfa quando o bem não reage. CMI Brasil;
  • Belo Monte: Resistir é Preciso. Viver no Centro;
  • Belo Monte: Desobediência Civil, Violência e Religião. Revue Relations distribuído pela LMPI / Canadá (em francês)
  • Em Mutirão, Superando a Pobreza. (en alemão)

e vários artigos para revistas especializadas publicados em vários idiomas, entre eles: português, espanhol, francês e alemão.

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • A Liberdade Não é Negociável, Ed. Aquarius - São Paulo -1978
  • 500 Anos de Resistência e Luta, Ed, SERPAJ-Brasil - São Paulo - 1992
  • Uma Nova Fronteira Para os Direitos Humanos, Ed. Centelha - São Paulo - 2010
  • Fome de Justiça: Perspectivas para Erradicação da Pobreza, Ed. Thomas Gröbli - Zürich - 2011
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

[]