Sébastien Bourdon

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Baco e Ceres entre ninfas e sátiros, óleo sobre tela, segunda metade do século XVII. Magyar Szépmüvészeti Múzeum (Museu de Belas Artes de Budapeste).

Sébastien Bourdon Montpellier, (Montpellier, 2 de fevereiro de 1616 - Paris, 8 de maio de 1671) foi um pintor e gravador francês. Sua obra-prima é a Crucificação de São Pedro feita para a catedral de Notre Dame.[1][2]

Bourdon nasceu em Montpellier, França, filho de um pintor protestante, pintor sobre vidro. Foi aprendiz de pintor em Paris. Apesar de sua pobreza, conseguiu chegar a Roma em 1636. Lá estudou as pinturas de Nicolas Poussin, Claude Lorrain e Caravaggio entre sua seleção eclética de modelos, até que foi forçado a fugir em 1638, para escapar da denúncia pela Inquisição por causa de [carece de fontes?] sua fé Protestante Reformada.[3]

A descoberta de Moisés, por volta de 1650. Galeria Nacional de Arte (Washington).

A facilidade de Bourdon tornava-o adepto de retratos, seja de uma maneira arrojada de Rubens[4] ou de retratos íntimos, compreensivos da altura do busto ou de meio comprimento isolados contra fundos simples que definem uma fórmula para retratos de classe média para o resto do século.[5] paisagens à maneira de Gaspar Dughet ou capricci de ruínas, "pintura de história" mitológica como outros membros do círculo de Poussin[6] ou os temas de gênero dos Bamboccianti holandeses que estavam trabalhando em Roma. Sua variedade eclética de estilos deu aos historiadores da arte o exercício de traçar sua adaptação de seus modelos, enquanto a falta de um "estilo Bourdon" imediatamente reconhecível amorteceu um pouco a apreciação pública.

Em 1652, Cristina, da Suécia, fez dele o primeiro pintor da corte. Bourdon passou a maior parte de sua carreira profissional fora da França, onde, apesar de ser membro fundador da Academia Real de Pintura e Escultura em 1648, foi por muito tempo descartado como pasticheur, uma situação parcialmente reequilibrada por uma ampla exposição em 2000. de seu trabalho no Museu Fabre, onde a coleção inclui uma lamentação bem pintada nos últimos anos de sua vida.[carece de fontes?]

Seu sucesso exigiu o estabelecimento de um extenso ateliê, onde seus alunos incluíam Nicolas-Pierre Loir e Pierre Mosnier. Morreu em Paris em 1671.

Referências

  1. «Sébastien Bourdon | French painter». Encyclopædia Britannica (em inglês). Consultado em 17 de abril de 2019 
  2. «Sébastien Bourdon (1616-1671)». Musée protestant. Consultado em 17 de abril de 2019 
  3. Benedict, Philip (1999). "Calvinism as a Culture?". In Finney, Paul Colby. Seeing Beyond the Word. Grand Rapids, MI: Eerdmans. p. 36. ISBN 9780802838605.
  4. Queen Christina on Horseback 1653, Museo del Prado, Madrid.
  5. Queen Christina, Nationalmuseum, Stockholm; Unknown Man, Musée Fabre, Montpellier; Corfitz Ulfeldt, Frederiksborg, Denmark
  6. The Finding of Moses, c. 1650, National Gallery of Art, Washington; Bacchus and Ceres with Nymphs and Satyrs, Museum of Fine Arts, Budapest, etc