Sítios de arte rupestre do Vale do Coa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para a freguesia de Pinhel com o mesmo nome, veja Vale do Côa (freguesia).
Pix.gif Sítios de arte rupestre pré-histórica do Vale do Coa *
Welterbe.svg
Património Mundial da UNESCO

Rock Art Foz Coa 01.jpg
Gravura rupestre - Penascosa - Vila Nova de Foz Côa
País Portugal
Critérios C (i) (iii)
Referência 866 en fr es
Coordenadas 41° 2' N 7° 7' O
Histórico de inscrição
Inscrição 1998  (22.ª sessão)
* Nome como inscrito na lista do Património Mundial.
Gravura rupestre - Penascosa - Vila Nova de Foz Côa
Conjunto de gravuras rupestres - Penascosa - Vila Nova de Foz Côa

Os sítios de arte rupestre do Vale do Coa,[nota 1] constituem uma rara concentração de arte rupestre composta por gravuras em pedra datadas do Paleolítico Superior (22 000–10 000 a.C.), situada ao longo das margens do rio Côa, nos municípios de Vila Nova de Foz Côa, Figueira de Castelo Rodrigo, Mêda e Pinhel.[1][2][3]

História[editar | editar código-fonte]

Após alguns anos de trabalhos em campo, uma pequena equipa liderada pelo arqueólogo Transmontano, Nélson Rebanda, o património mundial enriqueceu-se em 1994 com o achado do maior complexo de arte rupestre paleolítico ao ar livre conhecido até hoje. Há 20 000 anos, o homem gravou milhares de desenhos representando cavalos e bovídeos nas rochas xistosas do Vale do Côa, afluente do rio Douro, no nordeste de Portugal. Desde Agosto de 1996, o Parque Arqueológico do Vale do Côa organiza visitas a alguns núcleos de gravuras[4].No Vale do Côa existem centenas, talvez milhares de gravuras do período Paleolítico. O seu estudo está a ser realizado por uma equipa de arqueólogos coordenada por Mário Varela Gomes e António Martinho Baptista e demorará anos, talvez décadas.[1][2][3]

As gravuras têm como suporte superfícies verticais de xisto, com exposição preferencial a nascente. A dimensão das gravuras oscila entre 15 cm e 180 cm, embora predominem as de 40–50 cm de extensão. As técnicas de gravação usadas são a picotagem e o abrasão, que por vezes coexistem, com o abrasão regularizando a picotagem. Os traços são largos, embora sejam por vezes acompanhados de uma grande quantidade de finos traços, que serviram de esboço ou complementavam os anteriores. Noutros casos, estes traços finos desenham formas dificilmente perceptíveis. Existem também gravuras preenchidas com traços múltiplos.[1][2][3]

As gravuras representam essencialmente figuras animalistas, embora se conheça uma representação humana e outra abstracta. Em Março de 1995, ainda não se conheciam representações de signos, característicos da arte rupestre paleolítica. Os animais mais representados são os cavalos e os bovídeos (auroques, extintos). Exclusivos em certos núcleos, eles podem também coexistir com caprídeos e cervídeos. Os animais aparecem isolados ou em associação, constituindo autênticos painéis. As representações de animais podem sobrepor-se mais ou menos densamente, como podem também estar bem individualizadas.[1][2][3]

Em Agosto de 2010, a UNESCO adicionou Siega Verde ao sítio de arte rupestre do Vale do Côa, criando assim um núcleo transfronteiriço entre o Vale do Douro e a província espanhola de Salamanca .[1]

Entre 2010 e finais de 2017, cerca de 19 000 pessoas visitaram o Parque Arqueológico do Vale do Côa.[5]

Desde 2018 a Arte do Côa (que inclui o Museu e Parque Arqueológico do Vale do Côa) passou a integrar o Itinerário Cultural do Conselho da Europa, onde são representados sítios como Lascaux, Chauvet, Niaux (França), Altamira (Espanha) ou Valcamónica (Itália).[6]

Locais classificados[editar | editar código-fonte]

Em março de 1995 já tinham sido identificados 14 locais de arte rupestre paleolítica, distribuindo-se ao longo de uma dezena de quilómetros. Em maio de 2013 foram incluídos o restantes núcleos, num total de 22.[7]

Núcleos[editar | editar código-fonte]

Broeira[editar | editar código-fonte]

Traços lineares cérvico-dorsais. Localizado em Castelo Melhor (Vila Nova de Foz Coa).

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[8]

Canada do Inferno/Rego da Vide[editar | editar código-fonte]

Rocha 1, com figuras densamente sobrepostas, mostrando a associação de dois bovídeos e a gravura de um cavalo, ou cervídeo. Gravuras incisas preenchidas com traços múltiplos. O caprídeo também está, embora escassamente, representado. Existem mais 10 painéis, submersos pelas águas do regolfo da barragem do Pocinho. Incluem um possível veado em sobreposição e um cavalo com cerca de 180 cm. Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Coa

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[9]

Faia[editar | editar código-fonte]

Figuras gravadas no granito (único caso conhecido na altura), representando dois bovídeos afrontados e a sequência de quatro cabeças de bovídeo apontadas em direcção ao chão. As gravuras estão associadas a pinturas esquemáticas da Pré-história recente. Certos traços pintados acrescentam pormenores não gravados, admitindo-se a hipótese de alguns dos elementos pictóricos serem paleolíticos. Localizado em Cidadelhe (Pinhel).

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[10]

Faia/Vale Afonsinho[editar | editar código-fonte]

Localizado em Vale de Afonsinho (Figueira de Castelo Rodrigo).

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998)[11]

Vale dos Namorados[editar | editar código-fonte]

Localizado em Castelo Melhor.

É monumento nacional.[12]

Vale de Moinhos[editar | editar código-fonte]

Duas rochas com zoomorfos incisos preenchidos com de traços múltiplos. Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Côa.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[13]

Vale da Figueira/Teixugo[editar | editar código-fonte]

Representação exclusiva de bovídeos. Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Côa.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[14]

Ribeira de Piscos/Quinta dos Poios[editar | editar código-fonte]

Representação exclusiva de bovídeos, sendo de destacar um pequeno touro com 15 cm de comprimento. Rocha II com representação de um cervídeo, sem haste (possível fêmea) executado em traço fino por abrasão, grandes bovídeos com cerca de 180 cm, uma cena de acasalamento de dois equídeos, em sobreposição parcial, e a representação de um homem. Localizado em Muxagata (Vila Nova de Foz Côa).

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[15]

Meijapão[editar | editar código-fonte]

Localizado em Castelo Melhor.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[16]

Fonte Frieira[editar | editar código-fonte]

Localizado em Castelo Melhor.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[17]

Gravura rupestre - Penascosa - Vila Nova de Foz Côa

Penascosa[editar | editar código-fonte]

Localização precisa no OSM Dois caprídeos, medindo 15 cm de comprimento. A rocha 3 apresenta um grupo de bovídeos, densamente sobrepostos, executados por abrasão, sobrepondo-se a uma cabeça de cavalo executada por percussão. Localizado em Castelo Melhor.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[18]

Ribeirinha[editar | editar código-fonte]

Localizado em Almendra (Vila Nova de Foz Côa).

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[19]

Quinta do Fariseu[editar | editar código-fonte]

Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Côa.


É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).

Quinta da Barca[editar | editar código-fonte]

Representações exclusivas de caprídeos. Localizado em Chãs (Vila Nova de Foz Côa).

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[20]

Canada da Moreira[editar | editar código-fonte]

Localizado em Castelo Melhor.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[21]

Canada do Amendoal[editar | editar código-fonte]

Pequeno painel sob abrigo, com figuras incisas preenchidas com traços múltiplos. Localizado em Castelo Melhor.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[22]

Vale de Cabrões[editar | editar código-fonte]

Traços lineares cérvico-dorsais. Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Coa.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[23]

Vermelhosa[editar | editar código-fonte]

Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Côa.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[24]

Foz do Côa[editar | editar código-fonte]

Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Côa.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[25]

Vale de José Esteves[editar | editar código-fonte]

Um veado inciso preenchido com traços múltiplos. Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Côa.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[26]

Alto da Bulha[editar | editar código-fonte]

Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Côa.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[27]

Vale do Forno[editar | editar código-fonte]

Localizado na freguesia de Vila Nova de Foz Côa.

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[28]

Estação arqueológica[editar | editar código-fonte]

Quinta de Santa Maria da Ervamoira[editar | editar código-fonte]

Localizado em Chãs (Vila Nova de Foz Côa).

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[29]

Núcleo Arqueológico[editar | editar código-fonte]

Habitat Paleolítico do Salto do Boi/Cardina[editar | editar código-fonte]

Localizado em Santa Comba (Vila Nova de Foz Côa).

É monumento nacional e Património Mundial da UNESCO (1998).[30]

Locais em via de classificação[editar | editar código-fonte]

Vale Videiro (V. N. de Foz Côa)[editar | editar código-fonte]

[carece de fontes?]

Notas

  1. Grafava-se Côa de acordo com o Acordo Ortográfico de 1945. Sobre a grafia atual (Acordo Ortográfico de 1990), ver Rocha, Carlos (16 de março de 2011). «Os acentos em Tróia e Vila Nova de Foz Côa (Portugal)». Ciberdúvidas da Língua Portuguesa. Ciberduvidas.com. Consultado em 23 de julho de 2020 .

Referências

  1. a b c d e Sítios Pré-históricos de Arte Rupestre do Vale do Rio Côa e de Siega Verde.
  2. a b c d LUÍS, Luís. Arte rupestre e ocupação humana no Vale do Côa: Balanço da investigação no Parque Arqueológico do Vale do Côa.
  3. a b c d SILVA, António José Marques da. As gravuras paleolíticas do Vale do Coa.
  4. http://www.arte-coa.pt/index.php?Language=pt&Page=Museu&SubPage=Informacao&Menu2=Bilheteira
  5. Diário de Notícias
  6. O Mirante, em 18 de junho de 2010.
  7. Cf. Decreto n.º 32/97, de 2 de julho, e Decreto n.º 6/2013, de 6 de maio.
  8. Núcleo de Arte Rupestre da Broeira na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  9. Núcleo de Arte Rupestre da Canada do Inferno/Rego da Vide na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  10. Núcleo de Arte Rupestre da Faia na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  11. Núcleo de arte rupestre da Faia/Vale Afonsinho na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  12. Núcleo de arte rupestre do Vale dos Namorados na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  13. Núcleo de arte rupestre de Vale de Moinhos na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  14. Núcleo de arte rupestre do Vale da Figueira/Teixugo na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  15. Núcleo de arte rupestre da Ribeira de Piscos/Quinta dos Poios na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  16. Núcleo de arte rupestre de Meijapão na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  17. Núcleo de arte rupestre da Fonte Frieira na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  18. Núcleo de arte rupestre da Penascosa na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  19. Núcleo de arte rupestre da Ribeirinha na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  20. Núcleo de arte rupestre da Quinta da Barca na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  21. Núcleo de arte rupestre da Canada da Moreira na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  22. Núcleo de arte rupestre da Canada do Amendoal na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  23. Núcleo de arte rupestre de Vale de Cabrões na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  24. Núcleo de arte rupestre da Vermelhosa na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  25. Núcleo de arte rupestre da Foz do Côa na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  26. Núcleo de arte rupestre do Vale de José Esteves na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  27. Núcleo de arte rupestre do Alto da Bulha na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  28. Núcleo de arte rupestre de Vale do Forno na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  29. Estação arqueológica da Quinta de Santa Maria da Ervamoira na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
  30. Núcleo Arqueológico de Habitat Paleolítico do Salto do Boi/Cardina na base de dados Ulysses da Direção-Geral do Património Cultural
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Sítios de arte rupestre do Vale do Coa

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]