SS La Bourgogne

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
SS La Bourgogne
La Bourgogne, ca. 1895.jpg
Carreira  França
Operador Compagnie Générale
Transatlantique
Fabricante Forges et Chantiers de la
Méditerranée, La Seyne-sur-Mer
Homônimo Borgonha
Lançamento 8 de outubro de 1885
Viagem inaugural 19 de junho de 1886
Porto de registo Le Havre, França
Fatalidade Colidiu com o Cromartyshire em
4 de julho de 1898 e afundou
Estado Naufragado
Características gerais
Tipo de navio Transatlântico
Tonelagem 6.754 t
Maquinário 4 mastros
Motor de tripla expansão
com 6 cilindros
Comprimento 150 m
Boca 15,75 m
Propulsão 1 hélice
velas
Velocidade 17 nós (20 km/h)
Tripulação 200
Passageiros 1055

O SS La Bourgogne foi um navio de passageiros francês operado pela Compagnie Générale Transatlantique e construído pela Forges et Chantiers de la Méditerranée em La Seyne-sur-Mer. Foi a segunda embarcação de um grupo de quatro transatlânticos que estrearam em 1886, depois do SS La Champagne e seguido do SS La Bretagne e SS La Gascogne. Foi lançado ao mar em 1885 e realizou sua viagem inauguram em junho do ano seguinte de Le Havre até Nova Iorque.[1]

A primeira década de serviço do navio transcorreu tranquilamente e sem grandes incidentes, servindo a rota para a América do Norte. Ele acabou colidindo e afundando o britânico SS Alisa em 29 de fevereiro de 1896, navio este que estava ancorado do porto de Nova Iorque. No ano seguinte o La Bourgogne passou por uma grande reforma, recebendo um novo motor de quádrupla expansão e tendo dois de seus mastros removidos.

O La Bourgogne acabou colidindo com o veleiro britânico Cromartyshire nas primeiras horas da manhã do dia 4 de julho de 1898. No momento da colisão havia uma pesada neblina, o que fez com que nenhuma das embarcações enxergassem a outra. O veleiro sobreviveu ao impacto sem grandes danos, porém o transatlântico começou a adernar para estibordo. Os passageiros correram para os botes do lado bombordo, porém a inclinação do navio fez com que seus lançamentos ficassem difíceis.[2] O Cromartyshire começou a resgatar os sobreviventes depois da neblina diminuir.[3]

Dos 506 passageiros e 220 tripulantes, 549 morreram.[4] Menos de setenta dos 173 sobreviventes eram passageiros, com apenas uma única mulher sendo resgatada das aproximadamente trezentas que estavam a bordo. Todas as crianças morreram e quase todos os passageiros da primeira classe, com os sobreviventes resumindo-se a passageiros de terceira classe e tripulantes.[5] Houve relatos na imprensa de que os tripulantes lutaram contra os passageiros por lugares nos botes e recusaram-se a ajudar,[3] necessitando de proteção da polícia ao chegarem em Nova Iorque.[6]

Referências

  1. Rémy, Max; Le Boutilly, Laurent (2016). Les "Provinces" Transatlantiques 1882-1927. [S.l.]: Éditions Minimonde76. ISBN 9782954181820 
  2. «Loss of the French Liner La Bourgogne With 550 Lives». Nova Iorque: Marine Publishing Company. Marine Engineering. 2: 24–25. Agosto de 1898 
  3. a b «550 Perish». Kansas City Journal-Post: 1. 7 de julho de 1898 
  4. Ashjian, Arten (1999). 19th Century Pioneer Armenian Churchmen in America: Profiles of the First Ten (1889-1899). [S.l.]: Diocese of the Armenian Church of America. p. 30 
  5. «Six Hundred Lives Were Lost at Sea on July Fourth». Terre Haute Express: 1. 6 de julho de 1898 
  6. Looker, Janet (2000). «Disgrace». Disaster Canada. [S.l.]: Lynx Images. pp. 38–39. ISBN 1-894073-13-4 
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos navais é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.