SZ Crateris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
SZ Crateris
Dados observacionais (J2000)
Constelação Crater
Asc. reta 11h 21m 26,7s[1]
Declinação -20° 27′ 13,6″[1]
Magnitude aparente 8,61/11,0[2]
Características
Tipo espectral K5V/M1V[2]
Cor (U-B) +1,20[3] /—
Cor (B-V) +1,36[3] /—
Variabilidade variável BY Draconis
Astrometria
Velocidade radial 3,7 km/s[4]
Mov. próprio (AR) 178,48 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) −115,16 mas/a[1]
Paralaxe 76 ± 1,7[1]
Distância 42,9 ± 1 anos-luz
13,2 ± 0,3 pc
Magnitude absoluta 8,01/10,4[5]
Detalhes
Raio 0,66/0,42[6] R
Gravidade superficial 4,5 g[7] /—
Temperatura 5 450[7] /— K
Metalicidade 0,04 [Fe/H][7]
Rotação 4,5 km/s[7] /—
Idade (1,94 ± 0,20) × 108[8] anos
Outras denominações
SZ Crt, BD-19 3242, GJ 425, HD 98712, LTT 4204, SAO 179801, HIP 55454.[9]
B: LTT 4205.[10]

SZ Crateris é uma estrela binária da constelação de Crater. Ambas as estrelas pertencem à sequência principal: a estrela primária tem classe espectral K5V enquanto a secundária é uma anã vermelha de classe espectral M0V. O raio da estrela primária é de cerca de 66% o raio do Sol, enquanto o segundo membro tem apenas 42% do raio solar.[6] As duas estrelas estão separadas por 5,1 segundos de arco, o que equivale a 112,41 UA.[11]

SZ Crateris é classificada com uma variável BY Draconis, e tem um ciclo de variabilidade óptica de 11,58 dias[12] Em comparação com o Sol, SZ Crateris tem uma quantidade um pouco maior de elementos além do hidrogênio e do hélio.[7] A estimada de SZ Crateris é de menos de 200 milhões de anos.[8]

SZ Crateris é um membro do grupo Ursa Major de estrelas, um grupo de estrelas que compartilham um movimento comum através do espaço.[7] Os componentes da velocidade espacial da estrela são U = +13,86 ± 0,37, V = –3,51 ± 1,97 and W = +1 ,65 ± 1,53 km/s. Isso corresponde à velocidade na direção do centro da galáxia, à velocidade em relação à direção da rotação da galáxia, e à velocidade em direção ao pólo norte da galáxia, respectivamente.[13] Sua órbita na Via Láctea tem uma excentricidade orbital de 0,092. Sua inclinação leva a estrela a até 352 anos-luz de distância do plano galáctico.[14]

Referências

  1. a b c d e Perryman, M. A. C.; et al (1997). «The HIPPARCOS Catalogue». Astronomy & Astrophysics [S.l.: s.n.] 323: L49–L52. Bibcode:1997A&A...323L..49P. 
  2. a b Reid, I. Neill; et al. (2004). «Meeting the Cool Neighbors. VIII. A Preliminary 20 Parsec Census from the NLTT Catalogue». The Astronomical Journal [S.l.: s.n.] 128 (1): 463–483. Bibcode:2004AJ....128..463R. doi:10.1086/421374. 
  3. a b Corben, P. M.; et al. (1972). «U, B, V photometry of 500 southern stars». Monthly Notes of the Astronomical Society of South Africa [S.l.: s.n.] 31: 7–22. Consultado em 12/06/2008. 
  4. Evans, D. S. (junho 20-24, 1966). «The Revision of the General Catalogue of Radial Velocities». Proceedings from IAU Symposium no. 30. London, England. p. 57. 
  5. A magnitude absolura Mv é determinada como mostrado:
    Mv = m - 5((log10 DL) - 1) = 8,61 - 5((log10 13,2) - 1) = 8,01
    onde m é a magnitude aparente e DL é a distância do Sol em parsecs.
  6. a b Pasinetti Fracassini, L. E.; Pastori, L.; Covino, S.; Pozzi, A. (2001). «Catalogue of Apparent Diameters and Absolute Radii of Stars (CADARS) - Third edition - Comments and statistics». Astronomy and Astrophysics [S.l.: s.n.] 367: 521–524. doi:10.1051/0004-6361:20000451. 
  7. a b c d e f Paulson, Diane B.; Yelda, Sylvana (2006). «Differential Radial Velocities and Stellar Parameters of Nearby Young Stars». The Publications of the Astronomical Society of the Pacific [S.l.: s.n.] 118 (843): 706–715. Bibcode:2006PASP..118..706P. doi:10.1086/504115. 
  8. a b Barnes, Sydney A. (2007). «Ages for Illustrative Field Stars Using Gyrochronology: Viability, Limitations, and Errors». The Astrophysical Journal [S.l.: s.n.] 669 (2): 1167–1189. Bibcode:2007ApJ...669.1167B. doi:10.1086/519295. 
  9. «V* SZ Crt -- Variable of BY Dra type». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 18/02/2010. 
  10. «LTT 4205 -- High proper-motion Star». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 18/02/2010. 
  11. Poveda, A.; Herrera, M. A.; Allen, C.; Cordero, G.; Lavalley, C. (1994). «Statistical studies of visual double and multiple stars. II. A catalogue of nearby wide binary and multiple systems.». Revista Mexicana de Astronomia y Astrofisica [S.l.: s.n.] 28 (1): 43–89. Bibcode:1994RMxAA..28...43P. 
  12. Cutispoto, G. (1996). «Long-term monitoring of active stars. V. UBV(RI)_ c_ photometry collected in Feb.-Mar. 1990.». Astronomy and Astrophysics Supplement [S.l.: s.n.] 119: 281–292. Bibcode:1996A&AS..119..281C. 
  13. Karataş, Y.; Bilir, S.; Eker, Z.; Demircan, O. (2004). «Kinematics of chromospherically active binaries and evidence of an orbital period decrease in binary evolution». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society [S.l.: s.n.] 349 (3): 1069–1092. Bibcode:2004MNRAS.349.1069K. doi:10.1111/j.1365-2966.2004.07588.x. 
  14. Allen, C.; Herrera, M. A. (1998). «The Galactic Orbits of Nearby UV Ceti Stars». Revista Mexicana de Astronomia y Astrofisica [S.l.: s.n.] 34: 37–46. Bibcode:1998RMxAA..34...37A. 
Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.