SZ Crateris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
SZ Crateris
Dados observacionais (J2000)
Constelação Crater
Asc. reta 11h 21m 26,7s[1]
Declinação -20° 27′ 13,6″[1]
Magnitude aparente 8,61/11,0[2]
Características
Tipo espectral K5V/M1V[2]
Cor (U-B) +1,20[3]/—
Cor (B-V) +1,36[3]/—
Variabilidade variável BY Draconis
Astrometria
Velocidade radial 3,7 km/s[4]
Mov. próprio (AR) 178,48 mas/a[1]
Mov. próprio (DEC) −115,16 mas/a[1]
Paralaxe 76 ± 1,7[1]
Distância 42,9 ± 1 anos-luz
13,2 ± 0,3 pc
Magnitude absoluta 8,01/10,4[5]
Detalhes
Raio 0,66/0,42[6] R
Gravidade superficial 4,5 g[7]/—
Temperatura 5 450[7]/— K
Metalicidade 0,04 [Fe/H][7]
Rotação 4,5 km/s[7]/—
Idade (1,94 ± 0,20) × 108[8] anos
Outras denominações
SZ Crt, BD-19 3242, GJ 425, HD 98712, LTT 4204, SAO 179801, HIP 55454.[9]
B: LTT 4205.[10]

SZ Crateris é uma estrela binária da constelação de Crater. Ambas as estrelas pertencem à sequência principal: a estrela primária tem classe espectral K5V enquanto a secundária é uma anã vermelha de classe espectral M0V. O raio da estrela primária é de cerca de 66% o raio do Sol, enquanto o segundo membro tem apenas 42% do raio solar.[6] As duas estrelas estão separadas por 5,1 segundos de arco, o que equivale a 112,41 UA.[11]

SZ Crateris é classificada com uma variável BY Draconis, e tem um ciclo de variabilidade óptica de 11,58 dias[12] Em comparação com o Sol, SZ Crateris tem uma quantidade um pouco maior de elementos além do hidrogênio e do hélio.[7] A estimada de SZ Crateris é de menos de 200 milhões de anos.[8]

SZ Crateris é um membro do grupo Ursa Major de estrelas, um grupo de estrelas que compartilham um movimento comum através do espaço.[7] Os componentes da velocidade espacial da estrela são U = +13,86 ± 0,37, V = –3,51 ± 1,97 and W = +1 ,65 ± 1,53 km/s. Isso corresponde à velocidade na direção do centro da galáxia, à velocidade em relação à direção da rotação da galáxia, e à velocidade em direção ao pólo norte da galáxia, respectivamente.[13] Sua órbita na Via Láctea tem uma excentricidade orbital de 0,092. Sua inclinação leva a estrela a até 352 anos-luz de distância do plano galáctico.[14]

Referências

  1. a b c d e Perryman, M. A. C.; et al (1997). «The HIPPARCOS Catalogue». Astronomy & Astrophysics. 323: L49–L52. Bibcode:1997A&A...323L..49P 
  2. a b Reid, I. Neill; et al. (2004). «Meeting the Cool Neighbors. VIII. A Preliminary 20 Parsec Census from the NLTT Catalogue». The Astronomical Journal. 128 (1): 463–483. Bibcode:2004AJ....128..463R. doi:10.1086/421374 
  3. a b Corben, P. M.; et al. (1972). «U, B, V photometry of 500 southern stars». Monthly Notes of the Astronomical Society of South Africa. 31: 7–22. Consultado em 12 de junho de 2008 
  4. Evans, D. S. (20–24 de junho de 1966). «The Revision of the General Catalogue of Radial Velocities». Proceedings from IAU Symposium no. 30. London, England: Academic Press. p. 57. Consultado em 9 de novembro de 2007 
  5. A magnitude absolura Mv é determinada como mostrado:
    Mv = m - 5((log10 DL) - 1) = 8,61 - 5((log10 13,2) - 1) = 8,01
    onde m é a magnitude aparente e DL é a distância do Sol em parsecs.
  6. a b Pasinetti Fracassini, L. E.; Pastori, L.; Covino, S.; Pozzi, A. (2001). «Catalogue of Apparent Diameters and Absolute Radii of Stars (CADARS) - Third edition - Comments and statistics». Astronomy and Astrophysics. 367: 521–524. doi:10.1051/0004-6361:20000451 
  7. a b c d e f Paulson, Diane B.; Yelda, Sylvana (2006). «Differential Radial Velocities and Stellar Parameters of Nearby Young Stars». The Publications of the Astronomical Society of the Pacific. 118 (843): 706–715. Bibcode:2006PASP..118..706P. doi:10.1086/504115 
  8. a b Barnes, Sydney A. (2007). «Ages for Illustrative Field Stars Using Gyrochronology: Viability, Limitations, and Errors». The Astrophysical Journal. 669 (2): 1167–1189. Bibcode:2007ApJ...669.1167B. doi:10.1086/519295 
  9. «V* SZ Crt -- Variable of BY Dra type». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 18 de fevereiro de 2010 
  10. «LTT 4205 -- High proper-motion Star». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 18 de fevereiro de 2010 
  11. Poveda, A.; Herrera, M. A.; Allen, C.; Cordero, G.; Lavalley, C. (1994). «Statistical studies of visual double and multiple stars. II. A catalogue of nearby wide binary and multiple systems.». Revista Mexicana de Astronomia y Astrofisica. 28 (1): 43–89. Bibcode:1994RMxAA..28...43P 
  12. Cutispoto, G. (1996). «Long-term monitoring of active stars. V. UBV(RI)_ c_ photometry collected in Feb.-Mar. 1990.». Astronomy and Astrophysics Supplement. 119: 281–292. Bibcode:1996A&AS..119..281C 
  13. Karataş, Y.; Bilir, S.; Eker, Z.; Demircan, O. (2004). «Kinematics of chromospherically active binaries and evidence of an orbital period decrease in binary evolution». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 349 (3): 1069–1092. Bibcode:2004MNRAS.349.1069K. doi:10.1111/j.1365-2966.2004.07588.x 
  14. Allen, C.; Herrera, M. A. (1998). «The Galactic Orbits of Nearby UV Ceti Stars». Revista Mexicana de Astronomia y Astrofisica. 34: 37–46. Bibcode:1998RMxAA..34...37A 
Ícone de esboço Este artigo sobre Estrelas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.