Salvator Mundi (Leonardo da Vinci)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Salvator Mundi
Autor Leonardo da Vinci
Data circa 1500
Gênero arte sacra
Técnica óleo sobre tela
Dimensões 45,4 cm x 65,6 cm

Salvator Mundi é uma pintura de Jesus Cristo como Salvator Mundi (Salvador do Mundo), que foi atribuída por alguns estudiosos como uma obra de autoria de Leonardo da Vinci desde sua redescoberta em 2005.[1] Esta atribuição foi contestada por outros especialistas.[2] A obra logo se perdeu, foi restaurada e exibida em 2011. A pintura mostra Cristo, no estilo renascentista, a dar uma bênção com a mão direita levantada e os dedos cruzados enquanto segura uma esfera de cristal na mão esquerda.[3] A pintura foi vendida em leilão pela Christie's em Nova York, em 15 de novembro de 2017, por 450,3 milhões de dólares, estabelecendo uma nova marca para a pintura mais cara já vendida.

História[editar | editar código-fonte]

Salvator Mundi antes da restauração, Coleção de Cook (em preto e branco)
Salvator Mundi, após a restauração

Salvator Mundi de Leonardo da Vinci foi possivelmente pintado para Luís XII da França e sua consorte, Ana, Duquesa da Bretanha. O quadro provavelmente foi encomendado pouco depois das conquistas de Milão e Gênova por volta de 1500.[4][5]

Posteriormente, foi detido por Carlos I da Inglaterra e mantido em sua coleção de arte particular em 1649, até ser leiloado pelo filho do Duque de Buckingham e Normandia em 1763. A obra reapareceu em 1900, quando foi comprada por um colecionador britânico, Francis Cook, 1.º Visconde de Monserrate. A pintura foi danificada por tentativas anteriores de restauração e sua autoria não foi esclarecida. Os descendentes de Cook venderam a obra em um leilão em 1958 por apenas 45 libras esterlinas.[3]

Em 2005, a pintura foi adquirida por um consórcio de comerciantes de arte que incluía Robert Simon, especialista em antigos mestres da arte. Estava fortemente pintada, de modo que parecia uma cópia e, antes da restauração, era descrita como "um naufrágio, sombrio e tenebroso".[6] Em 2013, a pintura foi vendida ao colecionador russo Dmitry Rybolovlev por 127,5 milhões de dólares, através do negociante suíço Yves Bouvier.[7][8][9]

Em novembro de 2017, a pintura foi vendida em um leilão na Christie's em Nova York por 450.312.500 de dólares, um novo preço recorde para uma obra de arte (preço de martelo de 400 milhões de dólares mais 50,3 milhões de dólares em taxas).[10][11] O comprador não foi divulgado.[12][13] O novo preço de venda foi 50% maior do que o recorde anterior alcançado por uma pintura.[14][15]

Controvérsia sobre a autoria[editar | editar código-fonte]

Alguns especialistas questionam a atribuição da pintura a Leonardo.[16] Michael Daley, o diretor da ArtWatchUK, levantou dúvidas sobre a autenticidade da pintura.[17] Ele observou que praticamente não há evidências que demonstrem que Leonardo esteve envolvido na pintura de um Salvator Mundi; disputando assim o importante argumento a favor da atribuição da pintura a Leonardo, o de que a pintura contém pentimenti e, por isto, deve ser atribuída ao próprio Leonardo.[18][17]

Jacques Franck, um historiador de arte baseado em Paris e especialista em Leonardo e que revisou a obra várias vezes, afirmou: "A composição não vem de Leonardo, ele preferia o movimento torcido. É um bom trabalho de estúdio com um pouco de Leonardo na melhor das hipóteses."[19]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hartley-Parkinson, Richard (16 de novembro de 2017). «Leonardo Da Vinci portrait of Jesus Christ 'Salvator Mundi' sells for $450,000,000». metro.co.uk 
  2. «Mystery over Christ's orb in $100m Leonardo da Vinci painting». The Guardian. 19 de outubro de 2017 
  3. a b «Video: The Last da Vinci - Christie's». Christies.com. Consultado em 16 de novembro de 2017 
  4. «Salvator Mundi — The rediscovery of a masterpiece: Chronology, conservation, and authentication - Christie's'». Christies.com. Consultado em 16 de novembro de 2017 
  5. correspondent, Mark Brown Arts (10 de outubro de 2017). «Only Leonardo da Vinci in private hands set to fetch £75m at auction». theguardian.com. Consultado em 16 de novembro de 2017 
  6. Esterow, Milton (Junho de 2011). «A Long Lost Leonardo». ARTnews. Consultado em 30 de junho de 2011 
  7. Reyburn, Scott (3 de março de 2014). «Recently Attributed Leonardo Painting Was Sold Privately for Over $75 Million». The New York Times. Consultado em 16 de novembro de 2017 
  8. Grosvenor, Bendor. «Salvator Mundi at heart of art fraud case». arthistory.com. Bendor Grosvenor. Consultado em 12 de março de 2015 
  9. Clémençon, Gilles. Accusé d'escroquerie, le "roi des ports francs" Yves Bouvier riposte. RTS Info. 22 de março de 2015. [1]
  10. «Post-War & Contemporary Art Evening Sale Lot 9B». Auction Catalog (Results). Christie's Auction House. 15 de novembro de 2017. Consultado em 16 de novembro de 2017 
  11. Angel Au-Yeung, At Auction, Billionaire Sells Da Vinci Painting For A New World Record Price, Forbes.com, 15 de novembro de 2017
  12. «Video: Leonardo's Salvator Mundi makes auction history - Christie's'». Christies.com. Consultado em 16 de novembro de 2017 
  13. Frank, Robert. «Who bought the $450 million Da Vinci?». CNBC. Consultado em 16 de novembro de 2017 
  14. «Da Vinci-maleri slår salgsrekord med pris på 2,8 milliarder». Bt.dk (em Danish). 16 de novembro de 2017. Consultado em 16 de novembro de 2017 
  15. «'Leonardo da Vinci artwork' sells for record $450m». BBC News. 16 de novembro de 2017 
  16. Saltz, Jerry. "Christie’s Is Selling This Painting for $100 Million. They Say It's by Leonardo. I Have Doubts. Big Doubts." Vulture. 14 de novembro de 2017
  17. a b Shamsian, Jacob (16 de novembro de 2017). «A lost Leonardo da Vinci painting just sold for a record $450 million — but critics have spotted an unusual flaw». Business Insider. Consultado em 17 de novembro de 2017 
  18. «Decoding da Vinci: How a lost Leonardo was found». CNN. 7 de novembro de 2011 
  19. Pogrebin, Robin; Reyburn, Scott (15 de novembro de 2017). «Leonardo da Vinci Painting Sells for $450.3 Million, Shattering Auction Highs». The New York Times. Consultado em 16 de novembro de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]