Saturnino (cônsul em 383)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Saturnino
Nacionalidade
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Império Romano
Cônjuge Castrícia
Ocupação Oficial militar

Flávio Saturnino (em latim: Flavius Saturninus) foi um oficial romano dos séculos IV e V que esteve ativo durante o reinado dos imperadores Constâncio II (r. 337–361), Valente (r. 364–378), Teodósio I (r. 378–395) e Arcádio (r. 395–408).

Vida[editar | editar código-fonte]

Soldo do imperador Valente (r. 364–378)
Soldo de Arcádio (r. 395–408)

Saturnino aparece pela primeira vez em 350, quando, como um comandante militar, recepcionou Temístio em sua primeira visita à Constantinopla. Em algum data antes de 361, quando foi exilado pelo Tribunal da Calcedônia, foi nomeado curopalata. De acordo com uma carta datada de 373 de um bispo chamado Abram, ele também havia sido conde dos assuntos militares.[1]

Em 377-378, foi nomeado temporariamente como mestre da cavalaria e enviado à Trácia para auxiliar Trajano e Profuturo a conter os rebeldes godos enquanto o imperador Valente mobilizava o exército principal no Oriente.[2] Saturnino e Trajano bloquearam os godos perto do Monte Hemo, construindo uma linha de fortificações que repeliram os ataques góticos. O objetivo dos dois generais era fazer os godos sofrerem com o frio do inverno e a escassez de alimentos, a fim de forçá-los a submissão; alternativamente, os dois generais planejavam chamar de volta os sentinelas, atraindo os godos do rei Fritigerno em uma batalha em campo aberto nas planícies entre o Hemo e o Danúbio.[3]

Fritigerno, contudo, não aceitou a desafio e alistou reforços hunos e alanos com promessas de butim. Saturnino percebendo que não poderia lutar contra o inimigo com suas tropas, levantou o bloqueio sobre as passagens das montanhas e retirou-se.[4] Mais adiante, Saturnino foi encarregado com a missão de prender o monge Isaque e participou na desastrosa Batalha de Adrianópolis de 9 de agosto de 378 na qual o imperador e inúmeros oficiais e generais pereceram. Em 380, esteve em Constantinopla com Vitor. Entre 382–383, manteve o posto de mestre dos soldados da Trácia e em outubro de 382 assinou um tratado de paz com o qual os eles viveriam no baixo Danúbio como federados.[1]

Este sucesso nas negociações garantiu a Saturnino sua nomeação como cônsul posterior em 383 ao lado de Merobaldo. Por esta época foi destinatário de um panegírico de Temístio. Em 388, esteve na corte de Constantinopla e manteve considerável influência sobre o imperador Teodósio I. Em 396, já na velhice, foi nomeado com Procópio para julgar Timásio, que ele condenou à revelia de seu parceiro. Em 400, o oficial Gainas conseguiu que o imperador Arcádio exilasse Saturnino, Aureliano e João,[5] porém este exílio durou pouco tempo devido a queda de Gainas mais tarde no mesmo ano.[1]

Avaliação[editar | editar código-fonte]

Cristão, Saturnino foi casado com Castrícia, uma ardente oponente de João Crisóstomo. Ele teve propriedades em Constantinopla. Sua carreira é descrita como longa e bem sucedida, porém, segundo Zósimo, foi inescrupuloso ao usar de bajulação para manter-se no poder.[6]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Cônsul do Império Romano
Vexilloid of the Roman Empire.svg
Precedido por:
Cláudio Antônio
com Afrânio Siágrio






Saturnino
383

com Merobaldo II






Sucedido por:
Ricomero
com Clearco







Referências

  1. a b c Martindale 1971, p. 807.
  2. Amiano Marcelino 397, p. XXXI.8.3..
  3. Amiano Marcelino 397, p. XXXI.8.1.5; 9.1.
  4. Amiano Marcelino 397, p. XXXI.8.4-6.
  5. Cameron 1993, p. 168.
  6. Martindale 1971, p. 807-808.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Martindale, J. R.; A. H. M. Jones (1971). «Flavius Saturninus 10». The Prosopography of the Later Roman Empire, Vol. I AD 260-395. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press