Fritigerno

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Fritigerno
Governante tervíngio
Reinado fl. década de 360-380/382
 
Nascimento século IV
Gótia
Morte século IV


Fritigerno ou Fridigerno (em latim: Fritigernus)[a] foi um líder gótico tervíngio do século IV, ativo na fronteira romana do Danúbio e nas províncias dos Bálcãs durante o reinado dos imperadores Valente (r. 364–378) e Teodósio (r. 378–395). Rival do juiz tervíngio Atanarico, opôs-se à perseguição aos cristãos realizadas por ele e confrontou-o numa guerra civil. A cronologia dessa guerra civil é desconhecida, mas se sabe que Fritigerno foi auxiliado pelo imperador Valente e o exército coligado foi capaz de derrotar Atanarico.

Em 376, com a pressão militar imposta pela chagada dos hunos à porção sul do mar Negro, bem como a migração dos grutungos, Fritigerno iniciou negociações para assentar os tervíngios em solo imperial. Valente concedeu permissão para que os tervíngios sob seu comando e sob comando de Alavivo fossem assentados na Mésia Secunda, porém devido aos maus-tratos dos oficiais Lupicino e Máximo, uma guerra eclodiu entre romanos e godos, culminando na morte de Valente na Batalha de Adrianópolis em 378.

Vida[editar | editar código-fonte]

Origens e migração[editar | editar código-fonte]

Retrato de Atanarico segundo o livro de 1782 Retratos dos Reis de Espanha desde Atanarico até nosso monarca católico Dom Carlos III

As origens e infância de Fritigerno são desconhecidas. Aparece pela primeira vez no final da década de 360, no contexto das lutas entre o juiz tervíngio Atanarico e a porção oriental do Império Romano sob o imperador Valente (r. 364–378). Nessa época Fritigerno emergiu como seu rival e advogado da política pró-romana e pró-cristã, uma vez que, segundo o historiador Sozômeno, era católico e, portanto, opôs-se à perseguição deflagada contra os cristãos sob Atanarico.[1] O historiador Luis A. Garcia Moreno sugeriu, mediante a onomástica de seu nome, que provavelmente Fritigerno pertencia a um ramo cadete da dinastia dos Baltos, podendo igualmente explicar seu conflito com Atanarico.[b][2]

Fritigerno possuía estatuto de rei (em gótico: reiks) ou duque (em latim: dux) e como tal era um comandante militar com estatuto para realizar conversações diplomáticas com outros nobres góticos e com o imperador.[3] Sua base de poder era centrada nessa época no kuni[c] situado a oeste do rio Prut.[4] É impossível precisar a data dos eventos da guerra civil resultante com as fontes sobreviventes, embora Ian Hughs estime que Fritigerno foi derrotado em batalha em 372, o que o levou a solicitar ajuda militar de Valente.[5] O imperador atendeu ao pedido e em retribuição o godo converteu-se com seus seguidores, pagãos e cristãos, ao arianismo. Os aliados conseguiram a vitória[6][7] e aparentemente a guerra foi concluída antes dos hunos chegarem em 375/376.[1]

Em meados da década de 370, as invasões hunas criaram novos distúrbios entre os tervíngios, com os invasores pressionando-os militarmente e obrigando os grutungos, outro ramo dos godos, a dirigiram-se à fronteira tervíngia. Apesar de sua derrota na guerra civil, Atanarico ainda era comandante da maior parte dos tervíngios e reuniu um exército para confrontar os invasores. Utilizando-se disso, Fritigerno se recusou a enviar reforços para a expedição.[8] Isso levaria a derrota das forças de Atanarico, que foram forçadas a se retirar à Caucalândia, ao passo que também gerou uma crise decorrente da devastação huna. Essa desolação seria igualmente agravada pela devastação consequente dos conflitos anteriores.[9]

Panorama político do Danúbio Inferior no século IV. As incursões hunas resultaram na migração dos tervíngios em direção à fronteira romana no Danúbio e sua posterior inserção em solo romano

No verão de 376, Fritigerno persuadiu muitos dos seguidores de Atanarico a abandoná-lo e então propôs aos tervíngios que solicitassem ajuda aos romanos. Alavivo, outro nobre tervíngio, é mencionado nas fontes como líder da negociação, possivelmente por possuir um estatuto aristocrático maior.[9] Ele conseguiu a permissão de Valente para assentarem-se no império,[10][11] segundo Amiano Marcelino, como deditícios ("suplicantes" ou "rendidos"),[d] porém não antes de assegurar que seu povo seria inteiramente convertido ao arianismo antes de cruzar o Danúbio.[12]

Segundo a resposta de Valente, que por esta época estava estacionado em Antioquia, os godos seriam assentados na Mésia Secunda e Dácia Ripense e receberiam assistência romana durante a migração através do rio e antes de tornarem-se auto-suficientes e serem capazes de prover seu próprio sustento. Por estar em guerra com o Império Sassânida, Valente esperava poder recrutar boa parte dos tervíngios como soldados para fortificar as cidades orientais,[13] bem como esperava que os demais seriam assentados como fazendeiros e então pagariam impostos.[14] O plano, contudo, acabou frustrado.[15]

Os imigrantes atravessaram próximo de Durostoro (atual Silistra, na Bulgária)[15] e seu número excedeu a quantidade prevista,[e] tornando insuficiente os suprimentos recolhidos (DeVries sugere suprimentos para 50 000 pessoas[16]), situação agravada pela demora de quase dois meses para a chegada da resposta imperial do Oriente. Outrossim, tirando proveito da consequente fome sentida pelos recém-chegados, os oficiais romanos Lupicino e Máximo conseguiram muito dinheiro com a venda de miúdas porções de alimentos e carcaças de cachorros pelo preço da escravização de crianças tervíngias,[13] inclusive aquelas de origem nobre.[17]

Revolta[editar | editar código-fonte]

Soldo do imperador Valente (r. 364–378)
Soldo de Graciano (r. 367–383)

Como forma de controlar os contingentes tervíngios inquietos, Lupicino ordenou que as tropas da Trácia fossem direcionadas à escolta dos imigrantes para um acampamento nas cercanias de Marcianópolis.[18] Utilizando-se disso, os taifalos da Valáquia uniram-se aos grutungos de Farnóbio para tentarem forçar passagem pelo Danúbio, embora acabariam derrotados pelo general Frigérido.[19][20][21] Outro grupo grutungo liderado por Alateu e Safrax, os regentes do rei infante Viderico, também aproveitou-se da conjuntura e entrou em contato com Fritigerno,[17] que segundo Marcelino alegadamente atrasou a marcha para permitir o encontro; Ian Hughs desconsiderou essa afirmação, alegando que o atraso deveu-se a enorme quantidade de famílias, o que incluiria crianças e idosos.[18] Em Marcianópolis, provavelmente no outono de 376[22] ou inverno de 376/377,[23] Lupicino convocou os reis (em latim: reges; como Marcelino estiliza-os[24]) Fritigerno e Alavivo para um banquete reconciliatório. Durante a reunião, um grupo de godos famintos atacou as proximidades do assentamento e o oficial romano, interpretando como um golpe, mandou que seus homens matarem os guardas dos líderes tervíngios. Segundo Jordanes, Alavivo foi morto em meio a confusão enquanto Fritigerno escapava;[6] para Marcelino, no entanto, Fritigerno conseguiu convencer Lupicino a deixá-lo ir sob pretexto de poder acalmar seu povo.[25]

Fritigerno formou um exército com o qual começou a saquear vilas e fazendas próximas a cidade e incendiou tudo em seu caminho. No começo de 377, Lupicino reuniu todas as tropas disponíveis para suprimir a revolta, mas foi severamente derrotado pelos rebeldes a 9 milhas do acampamento em Marcianópolis, quase custando sua vida e destruindo o exército provincial trácio inteiro.[26][27][28] Isso abriu caminho para a depredação das províncias balcânicas sem oposição pelos meses consecutivos[14] e motivou os mineiros trácios, os romanos subalternos sobretaxados e os escravos de origem goda a unirem-se à revolta,[29] bem como um destacamento romano de origem tervíngia liderado por Colias e Suérido que realizou um cerco mal-sucedido contra Adrianópolis.[30] Apesar disso, Ian Hughs afirmou que o pequeno número de tervíngios registrados como batalhando ao lado dos rebeldes nas batalhas posteriores é fruto duma cisão, provavelmente decorrente pelo receio de seu líder por parte dos godos, que no passado foi pró-romano e, na mentalidade de alguns líderes tribais, poderia estar envolvido no assassinato de Alavivo em Marcianópolis.[31]

Diocese da Trácia ca. 400, o palco do conflito com os tervíngios de Fritigerno

Os rebeldes novamente enfrentariam os romanos na Batalha nos Salgueiros, quando derrotaram um exército conjunto do Oriente e Ocidente.[32] Apesar desta nova vitória, Fritigerno viu-se numa situação delicada, pois os romanos com sucesso cortaram as rotas de suprimentos dos tervíngios pelos passos montanhosos no triângulo entre o Danúbio, os Bálcãs e o mar Negro. Neste cenário crítico, conseguiu convencer os grutungos de Alateu e Safrax a unirem-se à causa tervíngia[31][33] e firmou uma aliança com contingentes hunos e alanos sob promessa de butim.[34][35] Ademais, no inverno de 377/378, fortificou a Porta de Trajano, próximo de Sérdica (atual Sófia) e Filipópolis (atual Plovdiv), para deter as investidas imperiais.[36]

Nos meses subsequentes, ambos os lados continuaram realizando ações militares na Trácia e províncias vizinhas. Em junho de 378, um destacamento gótico foi obrigado a retroceder perante a pressão romana, um fato acelerado pela reconvocação das tropas por Fritigerno, que estava estabelecendo nova base em Cábila.[37] Ao longo de 378, Valente e o imperador ocidental Graciano (r. 367–383) reuniram um exército de infantaria e cavalaria de 30 000 a 40 000 soldados para lidar com a ameaça. Valente, contudo, não quis esperar Graciano para que ambos liderassem suas forças e se recusou a atender os esforços de paz de Fritigerno.[14]

Batalha de Adrianópolis e rescaldo[editar | editar código-fonte]

Soldo de Teodósio, o Grande (r. 378–395)

Em 9 de agosto, Valente encontrou-se com os godos em Adrianópolis.[6] Fritigerno enviou-lhe um presbítero como emissário na tentativa de firmar a paz.[f] Segundo Amiano Marcelino, neste infrutífero encontro foram entregues ao imperador duas cartas, a primeira repetindo os termos do acordo de 376 entre o governo imperial e os imigrantes góticos, e a segunda sugerindo uma estratégia contra os grupos anti-romanos ao propor seu reconhecimento por Valente como "rei sócio e amigo" (em latim: rex socius et amicus).[38] Peter Heather sugeriu que Fritigerno pretendia conseguir um compromisso imperial no qual tornar-se-ia líder único de todos os imigrantes godos (grutungos e tervíngios), marginalizando Alateu e Safrax e seus rivais tervíngios no processo.[39]

Com o fim das negociações deu-se início uma batalha desastrosa para os romanos, custando a vida do imperador e vários oficiais e generais, bem como a destruição de do exército reunido.[14] Apesar de sua esmagadora vitória, Fritigerno foi incapaz de aproveitar-se da situação e gradualmente perdeu relevância no cenário geral. No rescaldo da batalha, o líder gótico enfrentou divisões dentre os soldados em suas fileiras e não pode deter os raides realizados pelos godos para obtenção de pilhagem.[40][41]

Os romanos, agora sob comando conjunto de Graciano e Teodósio, o Grande (r. 378–395), tomaram medidas para evitar a destruição gótica em curso como, por exemplo, a execução o efetivo gótico presente nas fileiras romanas da Ásia Menor[42] e a admissão dos partidários de Atanarico.[40] Em resposta a isso, os godos se voltaram para Fritigerno, que teve seus poderes aumentados e então coordenou novos ataques contra o Império Romano. Em 380, ele moveu-se para sul pelo segmento Morava-Vardar em direção a Salonica, onde travou nova batalha contra o exército imperial, e as províncias de Macedônia I e Tessália, onde conseguiu moderado tributo das cidades locais.[43] Conseguiu derrotar um exército recrutado por Teodósio, obrigando-o a se dirigir para Sirmio,[44] enquanto também teria feiro incursões tão longe quanto o Epiro Novo e Acaia.[6] Além disso, Fritigerno foi capaz de arquitetar uma conspiração que provocaria o exílio de Atanarico.[40][3]

A despeito dessa atitude retalhadora, Fritigerno novamente desaparece das fontes pelos anos subsequentes, sendo presumível supor que esta omissão tenha sido reflexo da ação romana. Apesar de serem militarmente incapazes de derrotá-lo completamente, os romanos souberam utilizar seu poderio para mantê-lo na defensiva e sua habilidade diplomática para reafirmar Atanarico como soberano dos godos e amigo imperial ao reconvocá-lo em 381, quando foi recebido pessoalmente por Teodósio diante de Constantinopla em 11 de janeiro e então sepultado ricamente após sua morte em 25 de janeiro. Em 3 de outubro de 382, quando romanos e godos assinam um tratado que formaliza a permanência dos últimos nas terras imperiais e o fim da guerra, Fritigerno não é mencionado.[40] Peter Heather considerou que essa ausência deveu-se a seu falecimento em algum combate após os eventos de Adrianópolis e antes da assinatura do tratado ou então pode ter sido uma exigência imperial, que pretendia com isso obrigar os godos a escolher um novo líder.[45] Thomas S. Burns considerou que Fritigerno já estivesse morto desde 380.[46]

Legado[editar | editar código-fonte]

Interior do Templo de Valhala. A placa de Fritigerno é a segunda no canto superior esquerdo

O oficial e cronista romano Amiano Marcelino mencionou várias vezes Fritigerno no volume 31 de sua obra Res Gestae; ele ficou consideravelmente impressionado com a desenvoltura que o comandante godo mostrou quando escapou da ameaça de cativeiro romano durante o banquete realizado em Marcianópolis,[47] bem como notou que era "habilidoso em adivinhar o futuro e desconfiar de uma luta duvidosa.[48] Na Gética de Jordanes, por sua vez, Fritigerno é retratado lutando bravamente para conseguir fugir da sala do banquete e então juntar-se a seu povo.[49]

Quando o romantismo nacional alemão floresceu no século XIX, Fritigerno foi um dos primeiros germânicos homenageados no pomposo Templo de Valhala erguido pelo rei da Baviera Luís I (r. 1825–1848) próximo de Ratisbona. Sua placa memorial (na qual aparece em alemão como Friediger) é a sétima dum total de 64.[50] O historiador moderno Paul Chrystal avaliou-o como um líder cauteloso e carismático que, do ponto de vista do estilo militar, assemelhou-se ao general romano Fábio Máximo.[48]

Com a morte de Alavivo em Marcianópolis, Fritigerno adquiriu o comando supremo dos godos admitidos no Império Romano. Para Herwig Wolfram, nestas condições, ele "foi um dux [duque] tribal no sentido verdadeiro da palavra, um líder do exército 'que governou no lugar de um rei'. Nunca foi um juiz gótico nem mesmo tornou-se um rei monárquico, mesmo embora sua posição foi claramente um estágio preliminar de realeza militar".[3] Thomas S. Burns, mesmo embora carecendo de uma comprovação nas fontes disponíveis, considerou que, em decorrência de seus sucessos militares e diplomáticos, Fritigerno teria sido elevado por seu povo como juiz, independente do fato de Atanarico ainda estar vivo.[51]

Notas[editar | editar código-fonte]

[a] ^ A latinização Fritigernus é de etimologia incerta. Possivelmente pode ter relação com o termo gótico Friþugairns[52] (também escrito Friþigairnis[53] e Friþagairnais[54]) que foi proposto como uma corruptela do gótico Friþareiks ou Friþareikeikeis citado num dos fragmentos do calendário gótico contido na Bíblia Gótica do sacerdote Úlfilas;[55] quando escrito na segunda variante, inclusive já se sugeriu que significaria Friþigairnis reiks ("Fritigerno rei").[53] Apesar dessa associação, alguns historiadores modernos questionam se, de fato, esta entrada do calendário se refere a ele.[56]
[b] ^ A argumentação de Garcia Moreno assenta-se no fato de que o primeiro elemento onomástico do nome "Fritigerno" é amplamente atestável no nome de vários membros posteriores da dinastia dos Baltos: Frederico, irmão mais novo do rei Eurico (r. 466–484); e os nobres Freda e Fretimundo.[2]
[c] ^ Os godos tervíngios foram divididos em subdivisões de território e povo chamadas kunja (singular kuni, cognata do inglês kin), que eram controladas por um rei. Em tempos de ameaça comum, um dos reis era selecionado como juiz (kindins) ou chefe do império.[57]
[d] ^ Para Herwig Wolfram e outros historiadores a afirmação de Amiano Marcelino baseia-se num acordo estabelecido pelo imperador Constâncio II (r. 337–361) com os sármatas limigantes em 359. Pelo descrito por Marcelino, Wolfram conclui que a dedição (em latim: deditio , lit. "rendição" e "capitulação") subentendia o desarmamento, recepção com estatuto de colono, assentamento em áreas estabelecidas pelo imperador e recrutamento ilimitado.[58] O historiador Ian Hughs, por outro lado, desconsiderou a possibilidade deles terem sido admitidos como deditícios uma vez que o acordo estabelecido não faz menção a questão do desarmamento.[59] Wolfram deduz que mesmo embora o Império Romano não possuísse uma estrutura na região da Trácia capaz de abarcar todos os indivíduos como colonos, certamente que o desarmamento foi aventado, muito embora as autoridades romanas locais foram incapazes de obrigar os migrantes a fazerem isso.[60]
[e] ^ Não há consenso na literatura acerca do número de indivíduos que teriam atravessado a fronteira romana nesse momento, com as estimativas variando consideravelmente. Michael Frassetto estima 80 000 indivíduos,[61] enquanto Kelly DeVries estima 200 000 com base no relato de Eunápio.[16][62] Peter Heather, entretanto, sugeriu 50 000 pessoas que talvez teriam viajado em ca. 2 000 carroças e estimou que dentre eles 10 000 eram combatentes.[63]
[f] ^ Amiano Marcelino afirmou que o presbítero enviado era um confidente íntimo de Fritigerno. Tendo em vista a relação religiosa do governante gótico e do sacerdote Úlfilas, Hagith Sivan especulou a possibilidade de o presbítero poder ser identificado com este sacerdote.[64]

Referências

  1. a b Frassetto 2013, p. 262
  2. a b Moreno 2007, p. 344
  3. a b c Wolfram 1997, p. 81
  4. Wolfram 2009, p. 105
  5. Hughs 2013, p. 112; 123
  6. a b c d Martindale 1971, p. 374
  7. Wolfram 1990, p. 64
  8. Hughs 2013, p. 149
  9. a b Wolfram 1990, p. 72
  10. Curran 1998, p. 95
  11. Heather 2005, p. 152-153
  12. Hughs 2013, p. 151-152
  13. a b Hughs 2013, p. 153-154
  14. a b c d Frassetto 2013, p. 263
  15. a b Wolfram 1990, p. 119-120
  16. a b DeVries 2007, p. 4
  17. a b Wolfram 1990, p. 119
  18. a b Hughs 2013, p. 154
  19. Nort 2007, p. 202
  20. Wolfram 1990, p. 123
  21. Martindale 1971, p. 324
  22. Burns 1994, p. 26
  23. Heather 2005, p. 164
  24. Christensen 2002, p. 221
  25. Lenski 2002, p. 328
  26. Penrose 2005, p. 268-269
  27. Curran 1998, p. 98
  28. Gibbon 2008, p. 364
  29. Wolfram 1990, p. 120
  30. Wolfram 1990, p. 120-121
  31. a b Hughs 2013, p. 156
  32. Wolfram 1990, p. 121-122
  33. Wolfram 1990, p. 122
  34. Heather 2005, p. 175
  35. Lenski 2002, p. 330
  36. Amiano Marcelino século IV, XXXI.10-11
  37. Wolfram 1990, p. 123-124
  38. Amiano Marcelino século IV, XXXI.12.8-9
  39. Heather 2005, p. 182-183
  40. a b c d Frassetto 2013, p. 263-264
  41. Amiano Marcelino século IV, XXXI.16
  42. Amiano Marcelino século IV, XXXI.16.8
  43. Heather 2005, p. 183-184
  44. Heather 2001, p. 206; 231
  45. Heather 2005, p. 185
  46. Burns 1994, p. 57
  47. Amiano Marcelino século IV, XXXI.5.4
  48. a b Chrystal 2015, p. 205
  49. Jordanes século VI, XXVI
  50. Bouwers 2011, p. 238
  51. Burns 1994, p. 28
  52. González 1876, p. 98
  53. a b Ebbinghaus 1976, p. 141
  54. Heather 1991, p. 121
  55. Streitberg 1919, p. 472-474
  56. Ebbinghaus 1976, p. 144-145
  57. Wolfram 1990, p. 94
  58. Wolfram 1990, p. 118
  59. Hughs 2013, p. 153
  60. Wolfram 1990, p. 118-119
  61. Frassetto 2013, p. 262-263
  62. Rubio 2011, p. 107
  63. Heather 2005, p. 145
  64. Sivan 1996, p. 381

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bouwers, E. (2011). Public Pantheons in Revolutionary Europe: Comparing Cultures of Remembrance, c. 1790-1840 Springer [S.l.] ISBN 023036098X. 
  • Burns, Thomas S. (1994). Barbarians Within the Gates of Rome: A Study of Roman Military Policy and the Barbarians, Ca. 375-425 A.D. Indiana University Press [S.l.] ISBN 0253312884. 
  • Christensen, Arne Søby (2002). Cassiodorus, Jordanes and the History of the Goths: Studies in a Migration Myth Museum Tusculanum Press [S.l.] ISBN 8772897104. 
  • Chrystal, Paul (2015). Roman Military Disasters: Dark Days & Lost Legions Casemate Publishers [S.l.] ISBN 1473873967. 
  • Curran, John (1998). Cameron, Averil, : . The Cambridge Ancient History. Volume XIII. The Late Empire, A.D. 337—425 (Cambridge: Cambridge University Press). ISBN 978-0-521-30200-5. 
  • DeVries, Kelly; Smith, Robert Douglas (2007). Medieval Weapons: An Illustrated History of Their Impact ABC-CLIO [S.l.] ISBN 1851095268. 
  • Ebbinghaus, E. A.. (1976). "The First Entry of the Gothic Calendar". The Journal of Theological Studies 27 (1): 140-145.
  • Frassetto, Michael (2013). Early Medieval World, The: From the Fall of Rome to the Time of Charlemagne ABC-CLIO [S.l.] ISBN 1598849964. 
  • Gibbon, Edward (2008). The History of the Decline and Fall of the Roman Empire 2 Cosimo, Inc. [S.l.] ISBN 1605201227. 
  • González, Agustin Pascual y (1876). Discursos leidos ante la Real academia española en la recepcion pública del Excmo Impr. y fundicion de M. Tello [S.l.] 
  • Heather, Peter; Moncur, David (2001). Politics, Philosophy, and Empire in the Fourth Century. Select Orations of Themistius Liverpool University Press [S.l.] 
  • Hughs, Ian (2013). Imperial Brothers: Valentinian, Valens and the Disaster at Adrianople (Barnsley: Pen and Sword). ISBN 1848844174. 
  • Lenski, Noel Emmanuel (2002). Failure of Empire: Valens and the Roman State in the Fourth Century A.D. (Berkeley e Los Angeles: California University Press). ISBN 978-0-520-23332-4. 
  • Martindale, J. R.; A. H. M. Jones (1971). The Prosopography of the Later Roman Empire, Vol. I AD 260-395 Cambridge University Press [S.l.] 
  • Moreno, Luis A. Garcia (2007). «Prosopography and Onomastics: the Case of the Goths». In: K. S. B., Keats-Rohan. Prosopography Approaches and Applications: A Handbook Occasional Publications UPR [S.l.] ISBN 1900934124. 
  • Nort, Richard M. Van (2007). The Battle of Adrianople and the Military Doctrine of Vegetius ProQuest [S.l.] ISBN 0549257985. 
  • Penrose, Jane (2005). Rome and her Enemies: An Empire Created and Destroyed by War Osprey Publishing [S.l.] ISBN 1841769320. 
  • Rubio, Ana Martos (2011). Breve historia de Atila y los hunos Ediciones Nowtilus S.L. [S.l.] ISBN 9788499670164. 
  • Sivan, Hagith. (1996). "Ulfila's Own Conversion". The Harvard Theological Review 89 (4). Cambridge University Press.
  • Streitberg, Wilhelm (1919). «Anhang II. Der gotische Kalender». Die gotische Bibel: Herausgegeben von Wilhelm Streitberg. (Germanische Bibliothek, 2. Abteilung, 3. Band) 1. Teil: Der gotische Text und seine griechische Vorlage. Mit Einleitung, Lesarten und Quellennachweisen sowie den kleineren Denkmälern als Anhang (Edelberga: Carl Winter). 
  • Wolfram, Herwig (1990). History of the Goths University of California Press [S.l.] ISBN 9780520069831. 
  • Wolfram, Herwig (2009). Die Goten: Von den Anfängen bis zur Mitte des sechsten Jahrhunderts. Entwurf einer historischen Ethnographie C.H.Beck [S.l.] ISBN 3406337333.