Senado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde março de 2016). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Um senado é uma assembleia deliberativa, em muitos casos a câmara alta de uma legislatura ou parlamento bicamarais. Os membros ou legisladores de um senado são denominados "senadores". Os senados modernos têm geralmente a função de avaliar e ponderar a legislação promulgada por uma câmara baixa, cujos membros são geralmente eleitos. O seu significado deriva de uma forma antiga de organização social em que os poderes legislativos ou consultivos estavam restritos aos homens mais velhos. O termo "senado" geralmente refere-se a qualquer autoridade plenária geralmente constituída pelos membros mais velhos de determinada comunidade, como o corpo deliberativo de uma universidade ou instituição de ensino superior. Nos estados democráticos modernos com sistemas parlamentares bicamarais, existe por vezes um senado, geralmente referido como a câmara alta de forma a distingui-lo de uma câmara baixa, e em que a lei pode exigir uma idade mínima para eleitores e candidatos. O acesso ao senado pode ser determinado por eleições, como por exemplo no Senado Australiano ou por nomeações, como por exemplo no Senado Canadiano.

O senado original foi o Senado romano, em funcionamento até ao ano 580. No Império Bizantino, o Senado bizantino manteve-se em atividade até à Quarta Cruzada, por volta de 1202-04. O termo contemporâneo "senado" tem origem na palavra latina senātus, que por sua vez tem origem em senex, “sénior”,[1] O termo era usado para o Senado romano, assim denominado por ser a assembleia dos séniores (Latim: senex) e, alegadamente, os mais sábios e experientes membros da sociedade ou entre a classe dominante.

No entanto, os termos "senado" e "senador" nem sempre se referem à câmara alta do poder legislativo. Por exemplo, em muitas universidades existe um senado académico.[2] Até 1919, o Senado da Finlândia era simultaneamente o órgão executivo e o supremo tribunal. Nos Estados da Alemanha que formam uma cidade-estado, os senados são o órgão executivo e os senadores aqueles os detentores de pastas ministeriais.[3] Em várias cidades da antiga Liga Hanseática, "senado" designava também o governo da cidade.[4] Durante a Guerra de independência da Grécia, foram estabelecidos dois senados com poderes legislativos e executivos. Em alguns países unicamerais, sobretudo federações, alguns dos legisladores são eleitos de forma diferente dos restantes e são denominados senadores, uma vez que representam os territórios, enquanto os outros membros representam a população em geral, como é o caso de São Cristóvão e Nevis, Comores e Micronésia.

Referências

  1. «Senate». Dictionary.com. Consultado em 11 de março de 2015. 
  2. Birnbaum, R.. (1989). "The latent organizational functions of the academic senate: why senates do not work but will not go away". The Journal of Higher Education 60 (4): 423–443. Ohio State University Press. DOI:10.2307/1982064.
  3. Eric Solsten, : (1995). Germany: A Country Study Library of Congress [S.l.] pp. 368–9. ISBN 0844408530. 
  4. Senatskanzlei (2007). «Der Hamburger Senat». Senatskanzlei. Consultado em 15 de março de 2016. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre política ou um cientista político é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.