Sociedade de consumo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:

Sociedade de consumo é um termo utilizado para designar o tipo de sociedade que se encontra numa avançada etapa de desenvolvimento industrial capitalista e que se caracteriza pelo consumo massivo de bens e serviços disponíveis, graças a elevada produção dos mesmos.

O conceito de sociedade de consumo está ligado ao de economia de mercado, aquela que encontra o equilíbrio entre oferta e demanda através da livre circulação de capitais, produtos e pessoas, sem intervenção estatal, e, por fim, ao conceito de capitalismo.

Em virtude dos fatos, do ponto de vista antropológico, entende-se que esse exagero característico de sociedades de consumo são provenientes de fatores sociais e principalmente culturais. Contudo, fatores históricos não podem ser descartados, uma vez que mudanças nos modos de produção a partir de uma revolução industrial, por exemplo, aumentaram os níveis de produção, junto aos fatores sociais.

Definição[editar | editar código-fonte]

A expressão Sociedade de Consumo designa uma sociedade característica do mundo desenvolvido, em que a oferta excede geralmente a procura, os produtos são normalizados e os padrões de consumo estão massificados. O surgimento da sociedade de consumo decorre diretamente do desenvolvimento industrial que a partir de certa altura, e pela primeira vez em milênios de história, levou a que se tornasse mais difícil vender os produtos e serviços do que fabricá-los. Este excesso de oferta, aliado a uma enorme profusão de bens colocados no mercado, levou ao desenvolvimento de estratégias de marketing extremamente agressivas e sedutoras e às facilidades de crédito, quer das empresas industriais e de distribuição, quer do sistema financeiro.

Características da sociedade de consumo[editar | editar código-fonte]

As principais características da sociedade de consumo são:

  • Para a maioria dos bens, a sua oferta excede a procura, levando as empresas a recorrerem a estratégias de marketing agressivas e sedutoras que induzem o consumidor a consumir, permitindo-lhes escoar a produção.
  • A maioria dos produtos e serviços estão normalizados, os seus métodos de fábrica baseiam-se na produção em série e recorre-se a estratégias de obsolescência programada que permita o escoamento permanente dos produtos e serviços.
  • Os padrões de consumo estão massificados e o consumo assume as características de consumo de massas.
  • O consumo de alguns produtos como forma de integração social.[1]
  • Existe uma tendência para o consumismo (um tipo de consumo impulsivo, descontrolado, irresponsável e muitas vezes irracional). Muitas vezes até para suprir faltas e vazios.

Origem[editar | editar código-fonte]

De acordo com pesquisas, poderíamos apontar dois momentos para a transformação da sociedade capitalista industrial em uma sociedade de consumo:

  • Nas últimas décadas do século XIX, combinando a unificação da Itália e sobretudo da Alemanha, o primeiro disparou o crescimento mercantil, industrial e técnico-científico (Segunda Revolução Industrial), o segundo contribuiu para que se estabelecessem legislações que fizeram aumentar os salários, e já com a consciência que o desenvolvimento da demanda interna permitiria o crescimento do beneficio. Talvez seja mais frequente apontar como marco a aplicação da linha de montagem e a fabricação de automóveis, por Henry Ford em 1909, o que permitiu o barateamento do produto final; mas seria melhor considerá-lo um exemplo visível de um processo muito mais amplo.
  • Depois, como reação a Depressão de 1929, se impôs políticas baseadas nas teorias de J. M. Keynes, que promoveram um aumento constante da demanda dos consumidores privados. Essas políticas se generalizaram no mundo capitalista nas décadas de 1950 e 1970.

Críticas sobre a sociedade de consumo[editar | editar código-fonte]

Críticas negativas[editar | editar código-fonte]

Uma das críticas mais comuns sobre a sociedade de consumo é a que afirma se tratar de um tipo de sociedade que se "rendeu" frente as forças do sistema capitalista e que, portanto, seus critérios e bases culturais estão submetidos as criações postas ao alcance do consumidor. Neste sentido, os consumidores finais perderiam as características de indivíduos e passariam a ser considerados uma massa de consumidores que se pode influir através de técnicas de marketing, inclusive chegando a criação de "falsas necessidades" entre eles. Do ponto de vista ambiental, a sociedade de consumo se vê como insustentável, posto que implica um constante aumento da extração de recursos naturais, e do despejo de resíduos, até o ponto de ameaçar a capacidade de regeneração da natureza desses mesmos recursos imprescindíveis para a sobrevivência humana.

Em economia internacional, diz-se que o modelo consumista faz com que as economias dos países pobres se dediquem em satisfazer o enorme consumo das sociedades mais desenvolvidas, o que os fazem deixar de satisfazer suas próprias necessidades fundamentais, como por exemplo, a alimentação e saúde da população, pois o mercado faz com que a maioria dos recursos sejam destinados a satisfazer a quem pagar mais. Os enfoques anteriores se combinam ao mostrar que, se a maioria da população mundial alcançar um nível de consumo similar ao de países industrializados, recursos de primeira ordem se esgotariam em pouco tempo, o que envolve sérios problemas econômicos, éticos e políticos.

Por último, uma das maiores críticas a sociedade de consumo, vem de quem afirma que esta converte as pessoas a simples consumidores que encontram o prazer no mero consumo por si só, e não pela vontade de possuir o produto.

Infelizmente, um impacto desta sociedade de consumo ao meio ambiente e a sociedade em geral é sem duvida a rápida obsolescência dos equipamentos, causando hoje na sociedade o que conhecemos como lixo tecnológico, que também prejudica muito a natureza.

Críticas positivas[editar | editar código-fonte]

Para alguns defensores, a sociedade de consumo é consequência do alto desenvolvimento que chegou a determinadas sociedades e se manifesta no incremento da renda nacional. Por sua vez, possibilita que um número cada vez maior de pessoas adquiram bens cada vez mais diversificados; desta forma, facilitando o acesso a uma maior quantidade e qualidade de produtos por uma parte maior da sociedade, produzindo uma maior igualdade social.

Consumismo[editar | editar código-fonte]

Algo comum que acontece dentro do sistema de consumo é o excesso de consumo, que se manifesta como resposta ao apelo da mídia. Pessoas comprando produtos dos mais variados tipos e funções em formas de pagamentos cada vez mais facilitadas, favorecendo o endividamento. Além de fazer com que pessoas iludidas pelas propagandas acumulem itens não prioritários as suas vidas.

Um estágio mais avançado do excesso de consumo manifesta-se em uma doença, uma anomalia no comportamento de algumas pessoas que passam a consumir compulsivamente, a Oneomania. Esta ocorre com cada vez mais frequência em pessoas que não resistem ao apelo das propagandas e consomem para se satisfazer. Logo, o consumo age como uma droga, e assim como o alcoolismo, a doença deve ser tratada em centros de apoio.

Referências


Ícone de esboço Este artigo sobre sociologia ou um sociólogo é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.