The Station Agent

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book-4.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde novembro de 2011). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
The Station Agent
O Agente da Estação (BRA)
Pôster promocional
 Estados Unidos
2003 •  cor •  88 min 
Direção Thomas McCarthy
Produção Robert May
Mary Jane Skalski
Kathryn Tucker
Roteiro Thomas McCarthy
Elenco Peter Dinklage
Patricia Clarkson
Bobby Cannavale
Michelle Williams
Raven Goodwin
Gênero comédia
drama
Música Stephen Trask
Cinematografia Oliver Bokelberg
Edição Tom McArdle
Distribuição Miramax Films
Lançamento 3 de outubro de 2003
Idioma inglês
Orçamento US$ 500.000
Receita US$ 8.679.814[1]
Site oficial
Página no IMDb (em inglês)

The Station Agent (no Brasil, O Agente da Estação) é um filme estadunidense de 2003 escrito e dirigido por Thomas McCarthy. O filme conta a história de um homem que busca solidão em uma estação de trem abandonada em Newfoundland, Nova Jérsei.

O filme venceu o BAFTA de melhor roteiro original e o Independent Spirit Award de melhor primeiro roteiro, ambos para Thomas McCarthy.

Enredo[editar | editar código-fonte]

Finbar McBride é um homem quieto, recluso e solteiro que possui nanismo. Ele nutre uma grande paixão por tudo relacionado a ferrovias. Ele trabalha na loja de modelos de seu único amigo, Henry Styles. Por se sentir ostracizado pelas pessoas que tendem a fazer piadas sobre seu tamanho, ele pouco aparece em público.

Quando Henry morre de repente, Fin recebe a notícia que a loja de modelos deve fechar para sempre. Entretanto, ele também descobre que o testamento de Henry o deixou com um pedaço de terra rural em um depósito de trem abandonado. Ele muda para o antigo prédio esperando uma vida de solidão, porém ele, relutantamente, acaba se envolvendo na vida de seus vizinhos. Joe Oramas, um cubano-americano de 30 anos, está operando o caminhão de lanches de seu pai, enquanto este está se recuperando de uma doença. Olivia Harris, uma artista de 40 anos tentando lidar com a morte de seu filho dois anos antes e as ramificações que esse incidente teve em seu casamento com David, que ela é separada. Cleo é uma jovem garota afro-americana que compartilha do interesse de Fin em trens e o convence a dar uma palestra em sua classe sobre eles. Emily é a bibliotecária local, uma jovem mulher consternada por descobrir que está grávida de seu namorado.

Joe, incansavelmente otimista e muito conversativo, consegue quebrar a reserva de Fin. Os dois começam a fazer caminhadas diárias pelos trilhos, e quando Olivia da a Fin uma câmera para ele filme os trens, Joe os persegue com seu caminhão enquanto Fin os filma. Joe e Fin passam a noite na casa de Olivia depois de assistirem um filme, e na manhã seguinte, um afobado David é recebido pelos dois. Os três tentam criar uma amizade que é ameaçada quando Olivia entre em profunda depressão. Enquanto isso, Emily tenta se consolar com Fin, que lentamente está percebendo que a interação com outros humanos não é tão desagradável quanto ele havia imaginado. Fin tenta proteger Emily de seu namorado em um bar, porém ele empurra Fin para longe. Fin passa o resto da noite bebendo e é quase atropelado por um trem. Se sentindo abençoado por seu dom de vida, ele reúne coragem para falar com as crianças na escola sobre trens. Mais tarde, ele vai a casa de Olivia para descobrir que ela tentou se suicídar. Ele cuída da casa dela enquanto ela se recupera em um hospital. A última cena tem Olivia, Joe e Fin assistindo um de seus filmes de trem na casa dela, fechando o filme com uma pequena conversa e reconciliação.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Produção[editar | editar código-fonte]

A estação de trem usada no filme.

De acordo com o diretor e roteirista Thomas McCarthy, o filme foi feito com um orçamento muito pequeno com um período disponível para as filmagens muito apertado. Locações utilizadas incluem o Lago Hopatcong, Dover, Hibernia, Hoboken e Newfoundland em Nova Jersey e o Condado de Bucks na Pensilvânia.

Crítica[editar | editar código-fonte]

The Station Agent recebeu críticas muito positivas. No site Rotten Tomatoes o filme possui um indíce de aprovação de 95%, baseado em 150 resenhas, com uma média de 8/10. O consenso é "Um doce e sutil filme sobre um anão, um relaxado operador de barracas e uma artista reclusa se conectando um com o outro".[2] No agregador Metacritic o filme tem um indíce de 81/100, baseado em 36 resenhas, indicando "aclamação universal".[3]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]