Timbaúba dos Batistas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Timbaúba dos Batistas
"Terra do Bordado Seridoense
Timbas"
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Fundação 10 de maio de 1962
Gentílico timbaubense
Prefeito(a) Chilon Batista de Araújo Neto (PMDB)
(2017–2020)
Localização
Localização de Timbaúba dos Batistas
Localização de Timbaúba dos Batistas no Rio Grande do Norte
Timbaúba dos Batistas está localizado em: Brasil
Timbaúba dos Batistas
Localização de Timbaúba dos Batistas no Brasil
06° 27' 54" S 37° 16' 26" O06° 27' 54" S 37° 16' 26" O
Unidade federativa  Rio Grande do Norte
Mesorregião Central Potiguar IBGE/2008 [1]
Microrregião Seridó Ocidental IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Caicó (leste); São Fernando (norte); Jardim de Piranhas (noroeste) e Serra Negra do Norte (sudoeste).
Distância até a capital 282 km[2]
Características geográficas
Área 135,450 km² [3]
População 2 428 hab. IBGE/2016[4]
Densidade 17,93 hab./km²
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,64 (RN: 30°) – médio PNUD/2010 [5]
PIB R$ 11 652,864 mil IBGE/2010[6]
PIB per capita R$ 4 784,76 IBGE/2008[6]
Página oficial

Timbaúba dos Batistas é um município no estado do Rio Grande do Norte (Brasil), localizado na região do Seridó. É um dos municípios menos populosos do estado, com cerca de dois mil habitantes, e está distante 282 km da capital Natal. Conhecida pela excelência na produção dos bordados típicos do Seridó.

História[editar | editar código-fonte]

O nome do município é originário de uma árvore, chamada pelos índios de "Timbó-iba", traduzido para o português como árvore de espuma; chamada assim por seus frutos produz uma espécie de espuma, utilizada como sabão. O nome do município também está associado ao nome de uma das famílias pioneiras a chegar à região. Assim como outros municípios da região do Seridó, seu povoamento está ligado à instalação de fazendas de gado. Mas o município teve seu núcleo consolidado, devido a atividade do plantio da cana-de-açúcar para a produção de rapadura e aguardente.
No dia 10 de maio de 1962, por força da Lei no 2.774, o povoado desmembrou-se de Caicó tornando-se município com o nome de Timbaúba dos Batistas, numa homenagem a família de pioneiros responsáveis pelo engrandecimento do município. Em 1° de janeiro de 1964, foi instalada a sede municipal, tomando posse como prefeito o Sr. Hisbelo Batista de Araújo.

Cronologia da Formação Administrativa[editar | editar código-fonte]

Em 5 de dezembro de 1958 pela lei estadual nº 2320, é criado o distrito denominado de Timbaúba dos Batistas, ex-povoado de Timbaúba, subordinado ao município de Caicó.

Em 1 de julho de 1960, é realizada uma nova divisão territorial, mas ainda o distrito de Timbaúba dos Batistas pertence a Caicó.

Em 10 de maio de 1962 pela lei estadual nº 2774, é elevado à categoria de município com a denominação de "Timbaúba dos Batistas" desmembrado do município de Caicó.

Em 1 de janeiro de 1964 é instalado a sede do distrito de Timbaúba dos Batistas.

Em 31 de dezembro de 1968, o município é configurado e constituído do atual distrito sede.[7]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização[editar | editar código-fonte]

Está localizado na microrregião do Seridó Ocidental ou zona homogênea de Caicó. Sua área territorial total é de 135 km², o que equivale a 0,27% do território estadual.

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

O município está totalmente inserido na bacia hidrográfica Piranhas-Açu. Sendo seus riachos principais: Volta, Tapuio e Caraibeira. Seu principal açude é o Vida Nova, localizado no leito do Riacho do Volta. O município não dispõe de mananciais de qualidade e quantidade suficiente para o abastecimento, sendo essa complementada pelo sistema de adutoras Piranhas-Caicó, onde realiza a captação da água no rio Piranhas-Açu, no município vizinho de Jardim de Piranhas.[8]

Clima[editar | editar código-fonte]

O clima de Timbaúba dos Batistas é caracterizado Tropical com estação seca, tipo Aw segundo a Classificação mundial de Köppen-Geiger (leva-se em conta a precipitação e temperatura) e Tropical Semiárido de acordo com a classificação brasileira de Thornthwaite (leva-se em conta, principalmente, a evapotranspiração e vegetação)[9] com sua estação chuvosa sujeita a atrasar-se para o outono, com regime irregular de chuvas, o que acontece entre os meses de Janeiro a Maio, com média de precipitação pluviométrica anual de 815,1 mm. O município apresenta grande amplitude térmica, com média de 28 °C, mínima de 22 °C e máxima de 34 °C. Em um ano a cidade apresenta 2700 horas de insolação, com umidade média anual de 60%.[10] A incidência de descargas elétricas é de 3.42 raios por km², uma das maiores do setor norte da região nordeste.[11]

O município está inserido na área homogênea AH 3 do Seridó em relação à similaridade das chuvas. A área é composta por sete estações meteorológicas, estando localizada mais a oeste na topografia mais baixa da Microrregião Geográfica do Seridó e contempla parte do Seridó Ocidental. A precipitação pluviométrica média é de 2,3 mm/dia. O ano com menor média de chuvas foi 1938 com 0,06 mm/dia e o ano em que a média foi maior foi 1977 com 7,44 mm/dia.[12] As mudanças climáticas têm se apresentado favoráveis ao aumento da pluviosidade e da temperatura na região, havendo acréscimo de 23% na precipitação média, assim como em todo Rio Grande do Norte e Paraíba.[12]

Dados climatológicos para Timbaúba dos Batistas
Mês Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Ano
Temperatura máxima média (°C) 35 34 34 34 33 32 31 32 33 34 35 36 34
Temperatura mínima média (°C) 24 23 23 23 22 21 20 20 21 22 23 23 22
Precipitação (mm) 87,7 113,7 193,1 219,8 90,4 43,6 19,4 3,3 1,0 17,0 1,5 25,0 815,5
Fonte: METSER[13] 04 de outubro de 2013

Vegetação[editar | editar código-fonte]

Caatinga Hiperxerófila: vegetação seca composta por cactáceas e plantas de porte baixo e espalhado, como jurema-preta, mufumbo, faveleiro, xique-xique e facheiro. O município é considerado área susceptível à desertificação na categoria "muito grave".

Relevo[editar | editar código-fonte]

Sua altitude varia de 100 a 200 metros, chamada de planalto rebaixado formado predominantemente por argila, com ocorrência mineral de bário, tungstênio, rochas ornamentais (migmatitos) e brita.

Filho Ilustre[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

A Corrida de Jegues[editar | editar código-fonte]

A tradicional corrida de jegues acontece nos dias 6 e 7 de Setembro, dia da Independência, e reúne corredores de todo o Nordeste do Brasil. A festa já está inserida no calendário turístico do Rio Grande do Norte e é promovida pela Prefeitura Municipal. Estima-se que nos dois dias cerca de 30 mil pessoas visitem Timbaúba dos Batistas. o Jegue é a principal atração do evento, tendo uma estátua no centro do local da praça de eventos denominado JEGÓDROMO MUNICIPAL DIOGO VICTOR. É um lugar muito amplo com capacidade para mais de 25 mil pessoas em uma só noite.

As Bordadeiras[editar | editar código-fonte]

As bordadeiras de Timbaúba dos Batistas, possuem o reconhecimento nacional pela alta qualidade de seus trabalhos. Elas foram as responsáveis pelas toalhas que ornaram a mesa de Sua Santidade, o Papa Bento XVI, em sua visita de 2007 ao Brasil. Suas peças ganharam o mundo, nas mãos de turistas que vêm ao Brasil. Mercados como Recife e Fortaleza, além de Natal, são os grandes consumidores dos seus produtos. A bordadeira mais antiga da cidade de Timbaúba dos Batistas em atividade é Maria Creuza de Araújo, hoje com 86 anos, nascida em 7 de Abril de 1929. Considerada também a melhor bordadeira da cidade.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008 
  2. FEMURN. «Distâncias dos Municípios do Rio Grande do Norte a Natal-RN». Consultado em 13 de agosto de 2011 
  3. IBGE (10 de outubro de 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010 
  4. «Censo Populacional 2010». Censo Populacional 2010. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 29 de novembro de 2010. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  5. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 31 de agosto de 2013 
  6. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010 
  7. IBGE Cidades@. «Timbaúba dos Batistas Rio Grande do Norte - RN». Consultado em novembro 2011  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  8. http://www.idema.rn.gov.br/.../idema/.../Timbaúba%20dos%20Batistas.doc
  9. Idema (2012). «Aspectos físicos do RN» (PDF). 2012. Consultado em 18 de novembro de 2012 
  10. CPTEC - Centro de Previsão de Tempo e Estudos Climáticos (Agosto 2013). «Monitoramento Climático do Brasil». Consultado em 2013  Verifique data em: |acessodata= (ajuda)
  11. INPE - Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Agosto/2012). «Ranking de descargas elétricas». Consultado em 2013  Verifique data em: |acessodata=, |data= (ajuda)
  12. a b Anppas. «As Chuvas na Microrregião Geográfica do Seridó» (PDF). Anppas. Consultado em 7 de agosto de 2013 
  13. «METSER - Timbaúba dos Batistas». METSER. Consultado em 4 de outubro de 2013 
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Rio Grande do Norte é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.