União Internacional para a Conservação da Natureza

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
IUCN
Logo da IUCN
Fundação 5 de outubro de 1948 (68 anos)
Tipo Organização civil
Sede Gland, Suíça
Filiação Flag of UNESCO.svg UNESCO
Diretor-geral Julia Marton-Lefèvre
Empregados Cerca de 1.000
Sítio oficial www.iucn.org

A União Internacional para Conservação da Natureza[1] (em suas línguas oficiais, inglês e francês, respectivamente International Union for Conservation of Nature e Union internationale pour la conservation de la nature), também conhecida pelas siglas UICN e IUCN, é uma organização civil[2] dedicada à conservação da natureza.

Fundada em 1948, a UICN reúne mais de 1250 organizações, incluindo 84 governos nacionais, 112 agências de governo e um grande número de organizações não-governamentais (ONG) nacionais e internacionais, e cerca de 10.000 membros individuais, que são cientistas e especialistas divididos em seis comissões.[3] A esses números somam-se os mais de mil funcionários do secretariado da UICN, alocados em mais de 60 países. Sua sede está localizada em Gland, na Suíça.

A missão da UICN é influenciar, encorajar e assistir sociedades de todo o mundo para a conservação da natureza, e assegurar que todo e qualquer uso dos recursos naturais seja equitativo e ecologicamente sustentável. A colaboração com governos nacionais e locais, comunidades e outros organismos, para que sistemas de áreas protegidas sejam criados e geridos corretamente, é uma das especialidades da UICN e constitui um de seus focos principais e das organizações que a compõem.[4]

Ela apoia pesquisas cientificas, administra projetos de campo em todo o mundo, e congrega governos, ONG, agências das Nações Unidas, companhias e comunidades locais para que sejam desenvolvidas e implementadas leis e políticas públicas que estejam de acordo com sua missão.

Origens[editar | editar código-fonte]

As origens da UICN remontam ao período imediatamente subsequente à Segunda Guerra Mundial, tendo sido criada por proposição de alguns governos, e sob a égide da UNESCO e de seu primeiro presidente, Julian Huxley, neto do conhecido naturalista Thomas Huxley e irmão de Aldous Huxley.

À época as Nações Unidas estavam no processo de serem criadas, e os governos dos Estados Unidos, França e Reino Unido discutiam a necessidade de criar uma instituição de amplitude internacional dedicada a promover a proteção da natureza. No entanto, havia desacordo entre esses governos quanto à natureza da nova instituição, que poderia ou não pertencer ao quadro das Nações Unidas.

Desejando dar à organização uma base científica, e para que esse e outros temas fossem discutidos, Huxley organizou um congresso que ocorreria em Fontainebleau, na França, em 5 de outubro de 1948. Participaram 18 governos, 7 organizações internacionais e 107 organizações nacionais de conservação da natureza, que concordaram em formar a instituição e mantê-la de natureza privada, assinando portanto uma "ata constitutiva" criando uma "União Internacional para a Proteção da Natureza" (UIPN) (em inglês International Union for the Protection of Nature, IUPN). O trabalho da UICN concentra-se em uma série de iniciativas, mas dentre elas se destacam as áreas protegidas e a conservação de espécies de fauna e flora.

Evolução da UICN[editar | editar código-fonte]

  • 1956 - Muda o nome de "União Internacional para a Conservação da Natureza" para "União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais".
  • 1959 - A UNESCO decide criar uma lista internacional de parques nacionais e reservas equivalentes, e o Secretário Geral de Nações Unidas pede à UICN para preparar essa lista.
  • 1961 - Após mais de uma década de dificuldades de financiamento, eminentes personalidades da ciência e do setor privado (incluindodo Sir Julian Huxley) decidem criar uma instituição complementar capaz de arrecadar fundos que financiassem a UICN. Nasce assim o Fundo Mundial para a Natureza, mais conhecido pela sigla WWF. Com o tempo essa instituição passaria a trilhar um caminho distinto e a eleger novos objetivos, o que levaria à sua separação da UICN.
  • 1969 - A UICN obtém uma bolsa da Fundação Ford que lhe permite incrementar substancialmente sua secretaria internacional.
  • 1972 - A UNESCO adota a Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural e a UICN é convidada a fornecer avaliações técnicas e rastreamento.
  • 1974 - A UICN patrocina e participa na obtenção do apoio de seus membros para assinar a Convenção sobre o Comércio Internacional das Espécies da Fauna e da Flora Silvestres Ameaçadas de Extinção.
  • 1975 - A Convenção sobre as Zonas Húmidas de Importância Internacional entra em vigor, e sua secretaria é administrada a partir da sede da UICN.
  • 1980 - A UICN, junto com o Programa das Nações Unidas para o Meio ambiente e o Fundo Mundial para a Natureza, colabora com a UNESCO na publicação da Estratégia Mundial para a Conservação (em inglês World Conservation Strategy).
  • 1982 - Seguindo a preparação e esforços da UICN, a Assembleia Geral das Nações Unidas adopta a Carta Mundial para a Natureza (em inglês World Charter for Nature).
  • 1990 - A UICN adota o nome de União Internacional para a Conservação da Natureza, ao mesmo tempo que se segue utilizando UICN como abreviatura.
  • 1992 - A UICN redige o texto-base da Convenção sobre Diversidade Biológica, que é depois discutido e adaptado pelos países participantes da Conferência do Rio de 1992.
  • 1993 - A UICN, junto com o Programa para o Meio ambiente das as Nações Unidas (United Nations Environment Programme) e o Fundo Mundial para a Natureza (World Wide Fund for Nature) publicam Caring for the Earth.

Áreas Protegidas[editar | editar código-fonte]

Parque Nacional de Anavilhanas, categoria II no sistema da UICN.

A UICN desempenha um papel bastante significativo na produção de recomendações e parâmetros técnicos, no apoio institucional e operacional, na educação da sociedade e no convencimento de autoridades públicas, como forma de promover uma rede mundial de áreas protegidas representativas dos principais ecossistemas mundiais. Dentre suas definições técnicas, duas principais se destacam, seu conceito de área protegida, e seu sistema de categorias de gestão de áreas protegidas.

Definição de área protegida da UICN[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: área protegida

A definição de área protegida mais aceita internacionalmente nos meios científicos e políticos, foi elaborada e vem sendo atualizada pela UICN e por seus membros. Trata-se do conceito de área protegida utilizado como referência pela Base de dados de áreas protegidas das Nações Unidas (WDPA, na sigla em inglês) e reconhecido como de utilidade substancial pelos países signatários da Convenção sobre diversidade biológica (CDB). Segundo a UICN:

Uma área protegida é um espaço geográfico claramente definido, reconhecido, dedicado e gerido, através de meios legais ou outros igualmente eficazes, com o objetivo de garantir a conservação a longo prazo da natureza, juntamente com os serviços ecossistêmicos e os valores culturais associados.[5][6]

Essa definição foi elaborada pela UICN a partir dos anos 1960, com o objetivo de melhorar a comunicação entre os diferentes atores das áreas protegidas, e de uniformizar as ações dos países em busca de uma melhor conservação de seu patrimônio natural.[7] Tem origem no conceito de parques nacionais, na época já presente em alguns tratados internacionais.

Categorias de manejo de áreas protegidas da UICN[editar | editar código-fonte]

Como forma de influenciar os Estados na elaboração de sua legislação ambiental, e também com o objetivo de padronizar as ações e as coletas de dados sobre as áreas protegidas dos países, a UICN elaborou um sistema de categorias de gestão de áreas protegidas, que compreende os tipos abaixo.[8][9] Essas categorias são relevantes apenas para espaços protegidos que se enquadrem na definição de área protegida da UICN.[8][9] O fato de uma área protegida receber um nome que esteja relacionado com uma das categorias da UICN não garante seu enquadramento na categoria, e para que isso ocorra suas características de gestão devem ser condizentes com os parâmetros estabelecidos pela UICN. Por exemplo, nem todo Parque Nacional pode ser classificado na categoria II, e um exemplo disso são os parques nacionais britânicos.

Lista Vermelha da UICN[editar | editar código-fonte]

Categorias da Lista Vermelha da UICN.

A Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, também conhecida como Lista Vermelha da UICN (em inglês, IUCN Red List ou Red Data List) foi criada em 1963 e constitui um dos inventários mais detalhados do mundo sobre o estado de conservação de espécie de plantas, animais, fungos e protistas.

A Lista Vermelha obedece a critérios precisos, para avaliar os riscos de extinção de milhares das espécies e subespécies, pertinentes a todas as espécies e em todas as regiões do mundo, com o objetivo de informar sobre a urgência das medidas de conservação para o público e legisladores, assim como ajuda a comunidade internacional na tentativa de reduzir as extinções.[10]

Referências

  1. «IUCN - About IUCN». www.iucn.org. Consultado em 2016-02-29. 
  2. IUCN. Statutes, including Rules of Procedure of the World Conservation Congress, and Regulations. Disponível em: <https://cmsdata.iucn.org/downloads/statutes_en.pdf>. Acesso em: 2016. p. 2.
  3. Christoffersen, Leif E. (1994) "IUCN: A Bridge-Builder for Nature Conservation. " Green Globe YearBook Acessada 5 Outubro 2013.(em inglês)
  4. IUCN. World Commission on Protected Areas. Guide for Members. Version 2015. [unpublished as of nov. 2015.]
  5. DUDLEY, N. (Org.). Guidelines for Applying Protected Area Management Categories. Gland: IUCN, 2008.
  6. LAUSCHE, B. Guidelines for Protected Areas Legislation. Gland: IUCN, 2011. (IUCN Environmental Policy and Law Paper No. 81). p. 12.
  7. PHILLIPS, A. A short history of the international system of protected area management categories. Paper prepared for the WCPA Task Force on protected area categories, [S.d.].
  8. a b LAUSCHE, B. Guidelines for Protected Areas Legislation. Gland: IUCN, 2011. (IUCN Environmental Policy and Law Paper No. 81). p. 26-27.
  9. a b DUDLEY, N. (Org.). Guidelines for Applying Protected Area Management Categories. Gland: IUCN, 2008. p. 13-23.
  10. «The IUCN Red List of Threatened Species». www.iucnredlist.org. Consultado em 2016-02-11. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]