Valadares (Vila Nova de Gaia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Portugal Valadares  
—  freguesia portuguesa extinta  —
Concelho primitivo Vila Nova de Gaia
Extinção 28 de janeiro de 2013
Área
 - Total 4,94 km²
Gentílico: Valadarense
Orago São Salvador

Valadares é uma antiga freguesia portuguesa do concelho de Vila Nova de Gaia, com 4,94 km² de área e 10 678 habitantes (2011). A sua densidade populacional era 2 161,5 hab/km².
Foi unida à freguesia de Gulpilhares, formando a União das Freguesias de Gulpilhares e Valadares.

A antiga junta de freguesia de Valadares dista 6 km da sede do concelho e 12 km da cidade do Porto. A vila de Valadares confina a norte com a freguesia de Madalena, a este com a freguesia de Vilar do Paraíso, a sul com a freguesia de Gulpilhares e a oeste com o mar.

Outrora, a população Valadarense encontrava-se associada à agricultura e igualmente ao sector cerâmico (Cerâmica de Valadares), atualmente a economia é à base do sector industrial e de serviços. Tem como "feriado" o dia 1 de Julho, dia dos Sr. dos Aflitos, acompanhado por uma festa com duração de 3/4 dias, realizando-se diversas romarias, havendo um parque de diversão durante esse período. O bolo "Velhotes" é típico desta freguesia.

População[editar | editar código-fonte]

População da freguesia de Valadares [1]
1864 1878 1890 1900 1911 1920 1930 1940 1950 1960 1970 1981 1991 2001 2011
1 482 1 795 2 008 2 401 2 812 2 854 3 754 4 382 5 030 5 476 6 542 7 624 8 478 9 095 10 678
Distribuição da População por Grupos Etários
Ano 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos 0-14 Anos 15-24 Anos 25-64 Anos > 65 Anos
2001 1 372 1 205 5 263 1 255 15,1% 13,2% 57,9% 13,8%
2011 1 708 1 019 6 150 1 801 16,0% 9,5% 57,6% 16,9%

Média do País no censo de 2001: 0/14 Anos-16,0%; 15/24 Anos-14,3%; 25/64 Anos-53,4%; 65 e mais Anos-16,4%

Média do País no censo de 2011: 0/14 Anos-14,9%; 15/24 Anos-10,9%; 25/64 Anos-55,2%; 65 e mais Anos-19,0%

Geografia[editar | editar código-fonte]

O relevo de Valadares é caracterizado por uma costa baixa que se eleva na direcção oeste – este, formando um pequeno planalto. Podemos destacar, no entanto, a zona do Crasto que fica na direcção noroeste, tendo esta elevação servido de defesa às terras de Vila Chã.

No limite das terras de Vila Chã são referidas algumas elevações denominadas: Pedra Furada, Mamoa de Bezerros, Monte Toural e Outeiro da Guiom da Fonte de Ourigo.

A vegetação natural existe principalmente junto à praia e é composta por pinheiros bravos. Existiu também, onde hoje é o lugar do Penedo, um carvalhal.

Por esta freguesia, corre um rio ou regato que não tem nome certo. Os moradores dão-lhe o nome das terras por onde ele passa (rio do Paço, rio de Valadarinhos, rio de Vila Chã). Nasce na freguesia de Canelas, com pouca quantidade de água, mas no inverno corre com bastante leito e, no verão, algumas vezes está quase seco. É utilizado na rega dos campos para cultivo. Desaguam nele as vertentes dos campos e terras das freguesias de Canelas e Vilar do Paraíso e o seu curso é todo ele quieto. Corre de nascente para poente. Só tem uma espécie de peixes (escalos) em pouca quantidade que são pescados pela população durante o ano todo. As margens são cultivadas e têm muitos vimes. Existem, também ligadas ao rio, treze rodas de moinho e quatro rodas de azenha que só praticamente moem no inverno.

A população usava livremente as suas águas para cultura dos campos, excepto no lugar de Vila Chã onde esta era paga. Tem uma lagoa pequena no lugar da Marinha.

Com o desenvolvimento de Valadares as águas poluídas deixaram de fornecer aos seus habitantes os poucos peixes que tinham. Continuam a ser usadas, no entanto, para rega. Paralelamente os moinhos foram-se extinguindo havendo ainda algumas ruínas e nomes de lugares ligados a eles (exemplo: Moleiro, no lugar de Marinha; Rua da Azenha, no lugar de Vila Chã).

Geologia[editar | editar código-fonte]

O quadro geomorfológico da região de Valadares caracteriza-se pela existência de um relevo marginal cuja altitude máxima não ultrapassa os 250 m, e que se desenvolve perpendicularmente ao vale do rio Douro a cerca de 1 km da actual linha da costa. A ele sucede-se, para oeste, a plataforma litoral sobre a qual assentam depósitos de antigas praias que se estendem escalonados até ao sopé do referido relevo. Constituem, deste modo, testemunhos da oscilação do mar e da crusta terrestre ao longo do Plio-Plistocénico. Sobre eles ou, em contacto directo com um substrato rochoso, existem frequentemente várias formações de cobertura dunares e coluvionares, tendo-se estas últimas mostrado recentemente bastante ricas do ponto de vista arqueológico.

Perpendicularmente a estes terrenos de origem sedimentar, surgem pequenos vales onde correm ribeiros. Em alguns deles é possível verificar a existência de depósitos aluvionares actuais, geralmente aproveitados para trabalhos agrícolas, bem como de formação de génese similar, mas mais antigos, posicionados a cotas relativamente superiores.

No que respeita à sua constituição geológica nota-se a existência de um afloramento de precâmbrico polimetamórfico predominando um granito porfiróide, rocha constituinte do maciço antigo. Para além deste, podemos encontrar junto à praia um outro granito de grão médio, tendo no seu interior uma formação que se convencionou chamar de arena-pelítica de cobertura que poderá ser de origem continental ou de origem eólica. Ainda se visualizam alguns depósitos de praias antigas com diferentes altitudes.

Os depósitos de 5–8 m que se podem observar entre as praias de Gulpilhares e Valadares, apresentam uma cor castanha que corresponde a uma ferruginização bastante intensa, que os transforma por vezes, em verdadeiros conglomerados e que, em certos locais, chegam a atingir o nível das marés baixas. Pensa-se que na era Cenozóica o oceano cobria toda esta área. No Quaternário houve oscilações, ficando o mar com o nível da actualidade e por outro uma deposição de materiais.

Fazendo uma análise geral do esboço geológico de Valadares, podemos concluir que encontramos dois tipos de rochas: as magmáticas (granitos) e as sedimentares (areias e conglomerados).

Património[editar | editar código-fonte]

  • Sanatório Marítimo do Norte, atual Centro de Reabilitação do Norte Dr. Ferreira Alves;
  • Igreja de Valadares;
  • Igreja Evangélica
  • Seminário da Boa Nova
  • Edifício Heliântia, atual IESF e IESA;
  • Capela de São Salvador;
  • Anta na praia de Valadares (visível do término do Largo da Praia a entrar para a praia)
  • Edifício que servia antigamente como escola para freiras, situado na Rua Professor Amadeu Santos com a Rua Bela de Eirós;
  • Arco em pedra em Sameiros (chamado de "Arco das Bruxas")
  • Cinema-Teatro Eduardo Brazão
  • Vila Estrela do Mar

Praias[editar | editar código-fonte]

Valadares possui duas praias, ambas galardoadas com a mais alta distinção europeia relativas a zonas balneares, a Bandeira Azul. As praias são de relativo fácil acesso, possuindo bares nessas zonas, uma via de ciclismo, um passadiço de madeira que percorre as praias de Vila Nova de Gaia.

  • Praia Valadares Norte

Fugindo das tradicionais barracas, apostou-se num look mais jovem, com a utilização de toldos e espreguiçadeiras. O antigo edifício do sanatório confere um certo charme à envolvente.

  • Praia Valadares Sul

Tem algumas rochas, responsáveis pela formação de pequenas piscinas, não lhe faltando areia branca e fina. Praia frequentada sobretudo por jovens.[2]

Lugares[editar | editar código-fonte]

  • Aldeia
  • Barroco
  • Campolinho
  • Crasto
  • Chamorra
  • Estação
  • Francelos
  • Pedreiras
  • Penedo
  • Praia de Valadares
  • Sameiros
  • Tartumil
  • Valadarinhos
  • Vila-Chã

Transportes[editar | editar código-fonte]

A freguesia de Valadares encontra-se bem conectada às infraestruturas, permitindo um rápido deslocamento da população, de bens, facilitando a prestação de serviços. Possui no seu território uma estação ferroviária CP (Estação Ferroviária de Valadares) com paragens obrigatória para todos os comboios urbanos, sejam ele expressos ou com paragem em todas as estações/apeadeiros, (destino a Aveiro, Ovar, Granja, Porto Campanhã e Porto São Bento). A nível rodoviário, a freguesia é servida por uma empresa de transportes rodoviários privado (Seluve) e pela STCP (linhas 901 e ZF). Em termos de estradas, possui, para além das estradas normais, a A44, que permite ligar à A1, A29, IC23/A20.

Educação[editar | editar código-fonte]

Valadares é uma freguesia com 4 Escolas Primárias Públicas, 8 Salas de Ensino Pré-Primário sendo três oficiais e cinco particulares, Colégio Casa Verde, Escola Jasmim, Oceanus, O Risquinhas e Génios em Marcha e público, uma Escola 2/3, uma Escola Secundária e ainda uma Instituição de Ensino Superior Privado, IESF- Instituto de Ensinos Superiores e Fiscais.

Colectividades/ Serviços[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Instituto Nacional de Estatística (Recenseamentos Gerais da População) - https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_publicacoes
  2. Guia Visão das Praias (2004), pág. 34.
Ícone de esboço Este artigo sobre freguesias portuguesas é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.