W71

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
A ogiva W71 dentro de um Spartan antes de descer no subsolo.

W71 foi uma linha de ogivas termonucleares dos Estados Unidos da América, desenvolvida no Laboratório Nacional Lawrence Livermore , ela era usada nos mísseis LIM-49A Spartan, usados para retalhar mísseis balisticos intercontinentais inimigos, os testes tiveram uma média de 5 megatons, essa potência seria usada para retalhar vários artefatos inimigos simultâneamente, elas foram usadas dos anos de 1970 à 1992, ano em que todas sem exceções foram aposentadas(desmontadas).

A ogiva tinha 1,1 metros(42 polegadas) de diâmetro e 2,6 metros (101 polegadas) de comprimento. A ogiva completa pesava cerca de 1,290 quilogramas (2,850 libras).

Para comprovar a eficácia da bomba foi cavado um poço de 1,870 metros em Amchitka Island na Ilhas Aleutas fora do Alaska, no dia 6 de novembro de 1971, a detonação provocou um rapido tremor equivalente a um terremoto de magnitude 7 na escala Richter. [1]

Cinzas nucleares[editar | editar código-fonte]

Uma vantagem da W71 é que ela se detona na exosfera, lugar com muita pouca gravidade, por isso as cinzas nucleares não contaminariam a atmosfera de imediato, porém mesmo com o diminuto arrasto que existe nesta parte da atmosfera, as cinzas iriam perder velocidade lentamente e ao reentrarem na atmosfera, contaminariam grandes áreas.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referencias[editar | editar código-fonte]

  1. Allbombs.html entry on W71 at nuclearweaponarchive.org,