MIM-14 Nike Hercules

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
MIM14 Nike Hercules
Nike Missle Being Raised On Launcher (1961883).jpg
Tipo Míssil superfície-ar
Local de origem  Estados Unidos
História operacional
Utilizadores  Alemanha
 Bélgica
 Dinamarca
 Estados Unidos
 Grécia
 Itália
 Japão
 República da Coreia
 Países Baixos
 Noruega
Flag of Spain.svg Espanha
Taiwan
 Turquia
Guerras Guerra Fria
Histórico de produção
Período de
produção
Década de 1950Década de 1970
Década de 1980 (atualizações)
Especificações
Peso 13 ton
Comprimento 12m
Diâmetro 800mm
Poder explosivo 2, 10 e 30 quilotons
Velocidade Mach 3,65 (4,470 km/h)

O sistema Nike Hercules, inicialmente designado como SAM-A-25 e mais tarde como MIM-14, é um míssil superfície-ar (SAM) usado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos e por vários países da OTAN. É usado como um sistema de defesa antiaérea de médio e longo alcance. Além de carregar mísseis convencionais, é capaz de ser carregado com uma ogiva nuclear W31. Sua ogiva também permitiu que fosse usado em um papel secundário de defesa terra-ar e o sistema também demonstrou sua capacidade de atingir outros mísseis de curto alcance em voo.

Desenvolvimento e implantação[editar | editar código-fonte]

O Hercules foi desenvolvido durante a guerra-fria com o objetivo de retalhar bombardeios inimigos, eles foram implantados dos Estados Unidos, partes da Europa e Ásia.[1][2]

Ogiva[editar | editar código-fonte]

O Hercules usava uma única ogiva W31 com rendimento variável de 2, 10 e 30 quilotons.

Orientação[editar | editar código-fonte]

O Nike Hercules era um míssil guiado, primeiramente o alvo era identificado e seguido por radares, então os controladores programam um ponto onde o alvo sera abatido, o Nike Hercules é lançado.[3][4]

Aposentadoria[editar | editar código-fonte]

Os Hercules foram aposentados quando se percebeu que a verdadeira ameaça não era os bombardeios por meio de aviões, e sim por mísseis.

Galeria[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referencias[editar | editar código-fonte]

  1. The New York Times April 9, 1959, p.7 and December 23, 1959, p.50.
  2. The Bulletin of the Atomic Scientists October 1988, p.55
  3. Department of the Army, Army Missiles Handbook January 1960 (formerly SECRET) p.52 Missiles files, U.S. Army Center of Military History.
  4. Thomas B. Cochran, William M. Arkin, and Milton Hoenig, Nuclear Weapons Databook Volume I: U.S. Nuclear Forces and Capabilities (Cambridge: Ballinger, 1987) p.45.