Wat Tyler

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou secção:
Morte de Wat Tyler

Wat Tyler (4 de janeiro de 134115 de junho de 1381) foi o líder da Revolta Camponesa de 1381. Ele liderou um grupo de dez mil camponeses que foram a Londres exigir uma audiência com o rei.

Revolta[editar | editar código-fonte]

Contexto[editar | editar código-fonte]

As zonas rurais da Inglaterra foram devastadas pela Peste Negra em 1349, doença fatal para um terço da população. A desgraça foi causa para uma grande falta de mão-de-obra e o antigo sistema feudal, em que os camponeses eram posse de um senhor, viria a cair. Para os senhores, era como se a ordem tradicional estivesse a terminar. Para não perderem o controlo, fizeram vigorar em parlamento decisões para beneficiarem o seu domínio.

A situação ficou difícil de conter devido ao facto de o governo exigir o tributo de um xelim para alimentar a guerra com a França. Assim cada pessoa via-se na exigência de pagar o imposto sem que os seus rendimentos fossem levados em conta.

Com as revoltas que emergiam, muitos cobradores de impostos viam-se expulsos dos locais para onde se deslocavam. No século XIV começaram a aparecer em cena “pregadores radicais”, conhecidos por sacerdotes de segunda categoria. Na Inglaterra, andavam de aldeia em aldeia pregando a igualdade para os camponeses, e provocando os mesmos para a rebelião.[1]

Peste negra afetou camponeses[editar | editar código-fonte]

Ilustração da Peste na Bíblia de Togemburgo (1411).

A peste negra (1348 a 1349) vinda da Europa alcançou Londres, devido aos navios que vinham infestados de ratos, transmissores da doença. Este desastre veio a durar cerca de 3 séculos. O que contribuiu para a disseminação da doença foi o descuido de Ingleses que não tinham cuidados de higiene. A água vinha de várias fontes, entre elas a de Cheapside mas a água era quase toda provida do Tâmisa e era limitada e poluída. A rua de nome Houndsditch, era assim que se chamava porque ali jogavam os animais mortos, no canal que fazia fronteira a leste da cidade. Enquanto que nas sarjetas ao redor de Smithfield os açougueiros ali esvaziavam as entranhas dos animais mortos. Foi assim com a propagação das doenças e consequentes mortes que o mercado de trabalho foi enfraquecendo, obrigando os camponeses a trabalhar mais. Consequentemente, muitos camponeses começaram a aderir a iniciativas de rebelião.[2]

Wat Tyler torna-se líder e avança[editar | editar código-fonte]

Foi num salteador que as esperanças de muitos rebeldes começaram a tornarem-se fortes. Foi em Kent (cidade) que Wat Tyler viu seu apoio crescer. Os antecedentes de Wat Tyler são obscuros. Entre os seus feitos, consta que libertou John Ball, um sacerdote distinto, da prisão de Maidstone e subjugou Cantuária, a 10 de Julho de 1381. Depois tomaram rumo a Londres. Declararam que o tio do rei, John de Gaunt (entre outros), era mau conselheiro. Depois de numa busca na casa de Gaunt, o Palácio de Savoy, não encontrarem o conselheiro e chegaram a dar um correctivo num homem que tentou roubar. No entanto, os rebeldes de Essex deram entrada em Mile End, no extremo da cidade. O rei Ricardo II quando teve conhecimento disso, apesar dos seus 14 anos de idade, montou o seu cavalo e foi em direcção aos rebeldes de Essex. No seu encontro com esses rebeldes fez o acordo de libertar os camponeses. Quanto a Tyler, os seus homens ocuparam a Torre de Londres e mataram o Lord Chancellor, Arcebispo Simon Sudbury (que estava particularmente conectado com o imposto), o Lord Treasurer (ministro das finanças), Hales, e mais funcionários reais.[1][3]

Citações de contemporâneos, na rebelião[editar | editar código-fonte]

Naqueles dias, alguns personagens envolvidos nas rebeliões, por causa da revolta dos camponeses, deixaram nos seus testemunhos algumas declarações como estas: "a condição de bestas era mais feliz que a nossa, pois não são obrigadas a trabalhar mais do que sua força lhes permite" (Guillaume Carle) ou ainda: "Por que razões são mais poderosos aqueles a quem chamamos senhores? Por que nos mantêm na servidão? E se viemos todos nós de um pai e de uma mãe, Adão e Eva, como podem eles dizer ou mostrar que são melhores?" (John Ball, 1381).[4]

Bordéis queimados pelos rebeldes[editar | editar código-fonte]

Nas investidas de Wat Tyler e seus seguidores houve mais interesses da nobreza e da Igreja que viriam a ser afectados. Naquela altura, o facto de os bordéis serem da posse de vereadores distintos, fez com que Tyler destruísse muitos deles com o fogo. É também de salientar que a Igreja arrendava propriedades para a prática da prostituição e com este negócio tinha a finalidade de lucrar com cerca de 28 mil ducados por ano. Naquele tempo os que eram explorados e odiavam a nobreza tinham o seu sentimento de injustiça reforçado.[5]

Diálogo com o rei dá mau resultado[editar | editar código-fonte]

Rei Ricardo II.

Apesar da falta de ordem no centro de Londres, os organizados rebeldes de Kent e o seu representante Tyler, a 15 Junho, foram ao encontro do rei. O encontro com o rei foi em Smithfield. Apesar do número de rebeldes, somente Tyler e um companheiro foram dialogar com o rei, colocando condições parecidas com as dos rebeldes de Essex. Provavelmente Tyler não estava informado do sucedido. Para além do que fora acordado entre os rebeldes de Essex e o rei, ou seja, liberdade dos camponeses e fim de toda a autoridade, salvo a do rei, Tyler pressionou o rei para que as terras de pertença da igreja fossem entregues aos camponeses.

A tensão era tal que Tyler, após beber um pouco de cerveja, voltando-se para montar o cavalo, tocou na espada. Quando Tyler tocou na espada, Walworth, o prefeito de Londres, com medo que fosse um ataque ao rei, tirou a vida a Tyler. Ao ver isso, os rebeldes prepararam os arcos longos para combater mas o rei corajosamente, gritou: <<Eram capazes de matar o vosso rei?>> Como os rebeldes nunca procederam contra o rei, baixaram as armas e deixaram-se levar. De inicio parecia que tudo correra bem, exceptuando a morte de Wat Tyler, mas rei acabou por castigar os cabecilhas dos rebeldes. As concessões feitas nas negociações acabariam por ficar nulas.[1]

O pós-rebeliões[editar | editar código-fonte]

A Guerra dos Cem Anos (1337-1453) que opôs a Inglaterra com a França prejudicou a população e com as catástrofes do século XIV a população diminuiu bastante. Nos campos, os senhores feudais, exerciam pressão sobre os camponeses para que estes trabalhassem mais. Dai a rebelião liderada por Tyler, na Inglaterra, em 1381, e a “Jacquerie”, francesa, em 1382. Essas rebeliões foram um fracasso, mas foi após elas que o sistema feudal começou a enfraquecer. Os senhores feudais, mais tarde, teriam de vir a reconhecer o trabalho assalariado em detrimento do servil.[6]

Mercado de Smithfield[editar | editar código-fonte]

Smithfield

Também conhecido como mercado negro, Smithfield[desambiguação necessária] foi o local escolhido para o encontro entre o rei Ricardo II e Wat Tyler. Este lugar tem a sua tradição no que toca a eventos que estão na história de Londres (Inglaterra), Espanha e França. Aqui foram executadas muitas pessoas consideradas prostitutas, mulheres casadas e dissidentes. Foram feitas reuniões públicas, torneios etc. Mas foi mesmo aqui, no mercado, que Wat Tyler foi morto por William Walworth, o prefeito de Londres. Era 15 de Junho de 1381.[7]

Referências

  1. a b c Livro "Personagens da História" da editora: "Circulo de Leitores". Edição de 1989. Edição Portuguesa.
  2. Peste negra, afectou camponeses. Pag. visitada a 29/04/2011 [ligação inativa]
  3. Wat Tyler torna-se líder e avança. Pag. visitada a 03/05/2011[fonte confiável?]
  4. «A crise do Sistema Feudal - MiniWeb Educação». miniweb.com.br. Consultado em 22 dezembro 2016 
  5. «Sexo, Desvio e Danação». JORGE ZAHAR. Consultado em 22 dezembro 2016 – via Google Books 
  6. O Pós-Rebeliões. Pag. visitada a 29/04/2011 [ligação inativa]
  7. «Smithfield, Reuniões civis, execuções e sangue no centro de Londres – Europa». enquantoisso.com. 23 janeiro 2011. Consultado em 22 dezembro 2016