Adelaide Neilson

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Adelaide Neilson
Nome completo Lilian Adelaide Neilson
Nascimento 3 de março de 1848
Leeds
Morte 15 de agosto de 1880 (32 anos)
Bois de Boulogne
Nacionalidade Flag of the United Kingdom.svg britânica
Ocupação Atriz

Lilian Adelaide Neilson (Leeds, 3 de março de 1848 - Bois de Boulogne, 15 de agosto de 1880), nascida Elizabeth Ann Brown, foi uma atriz inglesa de teatro.

Primeiros anos[editar | editar código-fonte]

Neilson era filha de uma atriz pertencente a um grupo de teatro itinerante, chamada Brown e nasceu fora do casamento, em Leeds, Inglaterra. Na infância, ela carregava o nome de Elizabeth Anne Bland, devido sua mãe posteriormente ter-se casado com um mecânico e decorador de casas chamado Samuel Bland. Sua adolescência foi passada na cidade de Guiseley (perto de Leeds), onde trabalhou em uma fábrica e como empregada doméstica em uma creche.

Quando tornou-se conhecida como atriz, dizia-se que era filha de um espanhol e de uma inglesa; nascida em Saragoça, criada em uma família rica, educada na França e Itália; que falava sete línguas; e, finalmente, ingressado na carreira teatral, devido à perda de sua fortuna, combinado com um gênio incontrolável. Tais histórias eram completamente falsas.

Teatro[editar | editar código-fonte]

Adelaide Neilson

Quando tinha uns quinze anos de idade, Neilson deixou sua casa e foi tentar a vida em Londres. Logo que chegou a Londres, conseguiu um emprego, devido a sua beleza, como integrante do corpo de baile em um dos teatros da cidade, e, dessa forma, começou sua carreira profissional. Vários contos românticos foram impressos sobre seu modo de vida naquele período.

Casou com Philip Henry Lee, filho de um clérigo residente em Stoke Bruerne, Northamptonshire, em dezembro de 1864.

Na primavera de 1865, após ter recebido algumas instruções do veterano ator, John Ryder, apareceu no Teatro Real de Sarah Thorne (Margate), uma antiga instituição de formação para iniciantes, onde deixou uma impressão favorável. Em 1865, no Teatro Real (Margate), apareceu como Julia em The Hunchback, uma personagem com quem seu nome ficaria por muito tempo associado.

Nos anos seguintes, atuou nos teatros de Londres e das províncias inglesas em vários papéis, incluindo a Rosalind, Amy Robsart e Rebecca (em Ivanhoé), Beatrice, Viola e Isabella (em Measure for Measure). Em julho de 1865 foi levada para o New Royalty Theatre, Londres, no papel de Julieta. Sua apresentação não foi considerada extraordinária, mas atraiu alguma atenção favorável, e foi assim capaz de dar continuidade à prática da arte pela qual decidiu dedicar sua vida.

Imagem de Neilson criada por Napoleon Sarony

Neilson fez parte de uma produção de The Hugenot Captain por Watts Phillips, apresentado no Princess Theatre, em 2 de julho de 1866. Fez o papel de Gabrielle de Savigny, a heroína da história. Em novembro de 1866, recebeu críticas favoráveis por sua interpretação de Victorine, outro personagem de The Hugenot Captain. Desta vez a peça foi apresentada no Adelphi Theatre. Fez também Nelly Armroyd, em Lost in London. Phillips estava satisfeito com sua atuação; bem como o crítico Joseph Knight e o dramaturgo, Dr Westland Marston; e todos eles exerceram uma influência positiva na promoção de seu avanço profissional. Dr Marston, em particular, deu-lhe muitos conselhos práticos e orientação.

Em 1868 atuou nos papéis de Rosalind, Pauline de Bulwer, e Julia de Knowles; e durante os três ou quatro anos seguintes, por vezes, atuou em companhias públicas metropolitanas, e às vezes ocupando uma posição de mais destaque. Um dos expedientes que ela cedo adotou foi o de um recital dramático, apresentado no St James's Hall, em Londres. Mais tarde, repetiu aquele recital na América, com grande êxito. Algumas das personagens que interpretou, em vários teatros de Londres, foram: Lillian, em Life for Life de Dr Marston; Madame Vidal, em A Life Chase, de John Oxenford e Horace Wigan; e Mary Belton, em Uncle Dick's Darling. Em 1870 obteve notável sucesso como Amy Robsart, um papel apropriado para ela, em uma peça baseada no romance de Sir Walter Scott, Kenilworth; e em 1871 ganhou a admiração crítica como Rebecca, na peça baseada em Ivanhoé, de Sir Walter Scott.

Palcos americanos[editar | editar código-fonte]

Em 1872 Neilson tinha grande popularidade e, depois de fazer uma turnê de sucesso pelas cidades britânicas e fazendo uma série de apresentações de despedida em Londres, viajou para a América, fazendo sua primeira aparição no país em 18 de novembro de 1872, no Teatro Booth, Nova Iorque, como Julieta. Foi elogiada pelos críticos americanos que ecoaram os elogios que recebeu do público de teatro em Londres.

Fez turnês subsequentes nos Estados Unidos, durante a década de 1870. Interpretou Amy Robsart, a heroína de Sir Walter Scott, em maio de 1873. É lembrada por sua excelente atuação no palco do Brooklyn, Nova Iorque naquele mesmo ano. Sua despedida do Teatro Booth ocorreu em 2 de maio de 1874. Neilson aceitou trabalhar no Lyceum, no outono do mesmo ano. Atuou em Cymbeline, de William Shakespeare no Fifth Avenue Theatre em Nova Iorque em 14 de maio de 1877. Não só ganhou notoriedade no cenário norte-americano, mas também acumulou uma fortuna considerável. As personagens que interpretou na América incluíram: Julieta, Rosalind, Viola, Beatrice, Imogen e Isabella, de Shakespeare e Amy Robsart, Julia, Pauline e Lady Teazle, de outros autores.

A sepultura no Brompton Cemetery, Londres

Em 1877 obteve o divórcio do marido e não se casou novamente. A história contada, algum tempo depois de seu casamento com Edward Compton, um ator inglês, provou ser falsa.

Morte[editar | editar código-fonte]

Neilson atuou no palco por cerca de quinze anos. Morreu subitamente quando andava a cavalo em Bois de Boulogne, Paris, França em 15 de agosto de 1880, aos 32 anos de idade. A causa da morte posteriormente foi indicada como sendo em decorrência da perda de sangue devido a uma ruptura do ligamento próximo à tuba uterina esquerda. Está sepultada no Brompton Cemetery, em Londres, onde uma cruz esculpida em mármore branco com a inscrição "Talentosa e Bela - em Descanso" sinaliza o seu túmulo.

Leituras adicionais[editar | editar código-fonte]

  • Marston, Our Recent Actors (Londres, 1890)
  • Clement Scott, The Drama of Yesterday and To-Day (Londres, 1899)
  • William Winter, in Other Days (Nova Iorque, 1908)
  • William Winter, The Wallet of Time (volume i, Nova Iorque, 1913)
  • Laura C Holloway, Adelaide Neilson A Souvenir (Nova Iorque 1885)

Referências

Wikisource  "Neilson, Adelaide". Encyclopædia Britannica (11th). (1911). Ed. Chisholm, Hugh. Cambridge University Press. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]