Adrasteia (mitologia)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Adrestia)
Ir para: navegação, pesquisa

Na mitologia grega, Adrasteia (em grego: Ἀδράστεια) era uma ninfa que foi responsabilizada com a nutrição, por Reia, do bebê Zeus, em segredo na Caverna Dicteia, para protegê-lo de seu pai, Cronos.[1] A tragédia Reso, não mais atribuída a Eurípedes, faz Adrasteia filha de Zeus, ao invés de sua babá.[2]

Em Crisa, o porto que serviu Delfos, Pausânias observou que "um templo de Apolo, Ártemis e Leto, com imagens muito grandes em obra ática. Adrasteia foi criada pelos crisenses no mesmo lugar, mas ela não é tão grande quanto às outras imagens."[3] Uma mola chamada Adrasteia estava no sítio do templo de Zeus em Nemeia,[4] um templo clássico do final de 330 a.C., mas foi construído em uma plataforma arcaica em um santuário muito antigo perto da caverna do Leão da Nemeia.

Zeus[editar | editar código-fonte]

Adrasteia e sua irmã Ida, a ninfa do monte Ida, que também cuidou do infante Zeus, foram talvez às filhas de Melisso. As irmãs alimentaram-no com o leite da cabra Amalteia. Os Coribantes, também conhecidos como Curetes,[5] a quem o estudioso Calímaco chama de irmãos, também vigiavam a criança; impediram que Cronos ouvisse o choro do bebê, pois batiam suas espadas e escudos, abafando o som.

Apolônio de Rodes relata[6] que ela deu para o infante Zeus um belo globo (esfaira) para ele brincar, e em algumas moedas cretenses Zeus é representado sentado sobre um globo.

Epíteto de outras deusas[editar | editar código-fonte]

Adrasteia também foi epíteto de Nêmesis, uma deusa primordial do período arcaico.[7] O epíteto é derivado por alguns escritores de Adrasto, de quem se diz ter construído o primeiro santuário de Nêmesis no rio Asopo,[8] e por outros a partir do verbo grego διδράσκειν (didraskein), segundo o qual significa a deusa que ninguém pode escapar.[9] [10]

Adrasteia foi também um epíteto aplicado a Reia por ela mesma, para Cibele, e para Ananke. Tal como aconteceu com Adrasteia, estas três foram especialmente associadas com a dispensação de recompensas e punições.

Luciano de Samósata refere-se a Adrasteia/Nêmesis em seu Diálogo dos deuses marinhos, 9, quando Posidão observa para uma nereida que Adrasteia é mais forte do que Nefele, que foi incapaz de evitar a queda de sua filha Hele do carneiro do velocino de ouro.[11]

Referências

  1. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.1.6.
  2. Reso, 342.
  3. Pausânias, Descrição da Grécia, 10.37.8.
  4. Pausânias, Descrição da Grécia, ii
  5. Calímaco, Hymn to Jove, 47.
  6. Apolônio de Rodes, Argonautica, III.132-41.
  7. Como a-da-ra-te-ja seu nome aparece na Pilos micênica (Margareta Lindgren, The People of Pylos: Prosopographical and Methodological Studies in the Pylos Archives: part II [Uppsala] 1973.
  8. Estrabão, xiii. p. 588.
  9. Valeken, ad Herod, iii. 40.
  10. Schmitz, Leonhard. Dictionary of Greek and Roman Biography and Mythology. [S.l.: s.n.], 1867. p. 21.
  11. Pseudo-Apolodoro, Biblioteca, 1.9.1