Anexo embrionário

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Os anexos embrionários são estruturas derivadas dos Folhetos embrionários, mas que não pertencem ao embrião. Como exemplo, podemos citar os seguintes anexos:
- Âmnio: É uma membrana que cobre o embrião, envolvendo-o na bolsa amniótica. Ela é cheia de líquidos, protegendo o embrião contra choques mecânicos e prevenindo a desidratação. Está presente somente nas aves, répteis e mamíferos. Peixes e anfíbios não possuem este anexo porque sua gestação ocorre em ambiente aquático.
- Vesícula vitelina ou Saco vitelínico: Armazena o vitelo, substância que vai nutrir o embrião por toda a gestação. Tem pouca importância nos mamíferos, pois nestes a mãe fornece o alimento.
- Alantoide: Armazena o material excretado pelo embrião e coopera, juntamente o córion, nas trocas gasosas.
-Córion: Envolve todos os anexos supracitados. Em répteis e aves, o córion se associa ao alantóide, formando o alantocório (córioalantóide), rico em vasos sanguíneos, realizando trocas gasosas. Nos mamíferos, o córion, além de originar a placenta, secreta a Gonadotrofina coriônica (HCG), hormônio responsável por inibir a menstruação.
O Cordão umbilical e a Placenta são exemplos de anexos embrionários presentes somente na classe dos mamíferos. Nestes, o cordão umbilical, com duas artérias e uma veia, permite a comunicação do embrião com a placenta; enquanto a placenta é rica em vasos sanguíneos, permitindo trocas gasosas, além de alimentar o embrião. A placenta também é responsável por secretar a Progesterona.

Referências

Ícone de esboço Este artigo sobre Embriologia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.