Arame farpado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde abril de 2013).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Question book.svg
Este artigo não cita fontes fiáveis e independentes. (desde abril de 2013). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
O arame farpado moderno.
Arame farpado enferrujado, pode causar tétano.

Arame farpado é um material produzido para a construção de cercas para deter animais, principalmente animais domesticados como o gado vacuum mas também para restringir o movimento de pessoas. O arame farpado geralmente consiste de dois fios de arame em sí envoltos formando um cabo reforçado que possui, de intervalo a intervalo, farpas pontiagudas tipo espinhos (geralmente quatro) que apontam para quatro direções distintas. O arame farpado geralmente é vendido em rolos de diferentes tamanhos que pode ser desenrolado à medida que vai sendo afixado a paus fincados no solo. Uma cerca de arame farpado geralmente possui por volta de quatro cabos distintos.

Antes da comercialização do arame farpado, as chamadas cercas-vivas eram muito utilizadas para impedir que animais domésticos de porte médio e grande vagassem por onde quer que fossem nos Estados Unidos (com exceção às suas vastas regiões de latifúndios, como no estado do Texas, onde os caubóis mantinham controladas as grandes manadas de gado desde o lombo de seus cavalos). Vale notar que a construção de muralhas de pedra, como era feito na Velha Europa, geralmente não era algo fisível na América do Norte e mesmo as cercas construídas com toras de madeira eram demasiado custosas financeiramente para os pioneiros do novo país. Assim, as cercas-vivas tornaram-se por muito tempo o método mais eficaz de desenvolvimento pastoral.

A planta que se tornou favorita no desenvolvimento dessas cercas-vivas foi a laranjeira-de-osage ou o pau-darco, uma árvore de pequeno-médio porte, nativa da América do Norte, com seus galhos agressivamente espinhentos, que passou a ser plantada em fileirões ao longo das divisas de propriedades rurais. Adicionalmente a larangeira-de-osage possui uma madeira de excelente qualidade e que serve para múltiplos usos em sua madurez (i.e. cabos de ferramentas, arcos para a caça e esporte, instrumentos musicais, etc.).

Atualmente (em 2007) essas cercas-vivas ainda podem ser vistas em boa parte da região central e sul dos Estados Unidos, mesmo suplantadas pelas cercas de arame farpado, mas, aos poucos, a laranjeira-de-osage está tornando-se uma planta ornamental.

O arame farpado é também símbolo das guerras de fileira e teve aplicações militares que remontam a 1888, quando os militares britânicos o construíram manualmente. Actualmente, o arame farpado é usado para proteger instalações militares, prisionais ou particulares, assim como para estabelecer algumas fronteiras territoriais.

O arame farpado básico, brevemente descrito acima, foi inventado no estado de Illinois nos Estados Unidos em 1873 e foi patenteado no ano de 1874 (em inglês: 'barbed wire' ou 'barbwire'). Hoje em dia, mais de cem anos desde a sua invenção, este produto é utilizado no mundo inteiro, sendo que existem vários tipos diferentes de arame farpado.

Glidden com seu sócio, Isaac Leonard Ellwood, fundou a Barb Fence Company, em De Kalb, e em pouco tempo o arame farpado tornar-se-ia comum em todo o oeste americano acelerando o desenvolvimento em toda a região com o crescimento da criação de gado.

Em 1876, Glidden vendeu sua metade da patente a Washburn & Moen Manufacturing Companhia por US$ 60.000 e os royalties. Com esse negócio, e investimentos em propriedades, tornou-o um dos homens mais ricos dos Estados Unidos.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.