Campo de distorção da realidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Campo de distorção da realidade (CDR) é um termo citado por Bud Tribble da Apple Inc. em 1981, para descrever o carisma do co-fundador da empresa Steve Jobs e seus efeitos sobre os desenvolvedores que trabalham no projeto Mac.[1] Posteriormente, o termo também tem sido usado para se referir aos efeitos que Steve causa durante suas palestras nos observadores e usuários dedicados de computadores e produtos da Apple.[2]

Bud Tribble argumenta que o termo vem de Star Trek.[1]

Na essência, a expressão baseia-se na ideia de que Steve Jobs é capaz de convencer a si mesmo e aos outros a acreditar em quase tudo com uma mistura de charme, carisma, exagero e marketing persistente. Acredita-se que o CDR distorce o sentido coletivo de proporção e dimensão. Pequenos avanços são aplaudidos como se fossem incríveis realizações. Novos produtos tornam-se pontos de inflexão ou grandes avanços no gênero. Aqueles que usam o termo alegam que ele não é um exemplo de engano, mas mais um caso de alteração do próprio julgamento. O termo "audiência" pode se referir a um indivíduo cujas atitudes Steve está pretendendo influenciar.

Muitas vezes o termo é usado como um comentário depreciativo para criticar os produtos da Apple e os seus adeptos mais entusiastas.

O termo foi estendido para a indústria de outros gestores e dirigentes que tentam convencer seus funcionários a tornarem-se apaixonadamente comprometidos com projetos independentemente do produto ou da concorrência do mercado. Também tem sido utilizado com relação à campanha publicitária destinada aos produtos que não estão necessariamente ligados a uma pessoa específica.

Quando Steve Jobs adquiriu a Pixar em 1986, os líderes da equipe Dr. Edwin E. Catmull usavam gestos com o corpo para identificar a outros membros da equipe quando Jobs estava persuadindo alguém com seu Campo de distorção da realidade.

[3]

Referências

  1. a b Reality Distortion Field. Página visitada em 29 de junho de 2010.
  2. Notes from the Epicenter: Exploring the Reality Distortion Field. Página visitada em 29 de junho de 2010.
  3. The Ajax Reality Distortion Field. Página visitada em 29 de junho de 2010.

Ver também[editar | editar código-fonte]