Star Trek

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Star Trek
Logotipo oficial da franquia em seu aniversário de 45 anos.
Criador Gene Roddenberry
Trabalho original Star Trek: The Original Series
Filmes e televisão
Filmes Star Trek:
The Motion Picture

Star Trek II:
The Wrath of Khan

Star Trek III:
The Search for Spock

Star Trek IV:
The Voyage Home

Star Trek V:
The Final Frontier

Star Trek VI:
The Undiscovered Country

Star Trek Generations
Star Trek: First Contact
Star Trek: Insurrection
Star Trek Nemesis
Star Trek
Star Trek Into Darkness
Programas televisivos Star Trek:
The Original Series

Star Trek:
The Animated Series

Star Trek:
The Next Generation

Star Trek:
Deep Space Nine

Star Trek: Voyager
Star Trek: Enterprise
Outros
Site oficial StarTrek.com

Star Trek é uma franquia de entretenimento norte-americana criada por Gene Roddenberry. A franquia iniciou-se como uma série de televisão em 1966, originalmente chamada Star Trek mas posteriormente renomeada para Star Trek: The Original Series. Essa série levou a criação dos spin-offs Star Trek: The Animated Series, Star Trek: The Next Generation, Star Trek: Deep Space Nine, Star Trek: Voyager e Star Trek: Enterprise. As seis séries de televisão são consideradas parte da mitologia de Star Trek, apesar de existir um debate acerca da posição de The Animated Series no canône da franquia. O canône de Star Trek também inclui uma série de filmes. Apesar da reposta da crítica ter variado de série para série e filme para filme, Star Trek já venceu e foi indicado a vários prêmios e honrarias. O sucesso das séries de televisão e dos filmes levou a uma ampla gama de outros spin-offs, como jogos eletrônicos, romances, brinquedos, uma atração temática em Las Vegas e pelo menos duas exibições em museus. Desde então a franquia se tornou um fenômeno cultural, iniciou a criação da língua klingon, adquiriu uma grande base de fãs e já foi referenciada e parodiada inúmeras vezes na cultura popular.[1] [2]

Roddenberry tirou inspiração de faroestes como Wagon Train, junto com referências ao romance As Viagens de Gulliver para a história de aventura e o conto moral. O Star Trek original seguia as aventuras interestelares do Capitão James T. Kirk e sua tripulação dentro uma nave espacial da Federação Unida dos Planetas: a USS Enterprise. Depois do piloto original, "The Cage", com um elenco quase totalmente diferente, ter sido rejeitado, a série estreou em 1966 na NBC, tendo três temporadas. Após o lançamento de outras séries, o primeiro programa ganhou o retrônimo de Star Trek: The Original Series para diferenciá-lo do resto da crescente franquia. Essas aventuras continuaram em Star Trek: The Animated Series e em seis filmes para o cinema. Outras quatro séries foram eventualmente produzidas, baseadas no mesmo universo mas com personagens diferentes: Star Trek: The Next Generation seguia a tripulação de uma outra Enterprise, anos após a original; Star Trek: Deep Space Nine e Star Trek: Voyager eram contemporâneas aos eventos de The Next Generation; e Star Trek: Enterprise se passava anos antes da original, nos primeiros dias das viagens interplanetárias humanas. Outros quatro filmes foram produzidos, estrelados pelo elenco da The Next Generation, e, mais rescentemente, um filme reinício de toda a franquia possuindo uma jovem tripulação da Enterprise original, passando-se em uma linha do tempo alternativa.

O Star Trek original era inicialmente produzido pela Desilu Productions. Com a junção da Desilu com a Paramount Pictures, o estúdio assumiu o controle da franquia. Em 2006, os direitos foram transferidos para a CBS quando ela se separou da Viacom, dona da Paramount. Entretanto, alguns aspectos como os filmes e os direitos de distribuição dos DVDs ainda permanecem com a Paramount.

Concepção e enredo[editar | editar código-fonte]

No começo de 1961, Gene Roddenberry fez um rascunho de uma série de ficção científica que se tornaria Star Trek. Apesar dele ter promovido a série como um faroeste no espaço, chamando-a de "vagão de trem para as estrelas"[3] —ele na verdade se inspirou em Gulliver's Travels, de Jonathan Swift, querendo que cada episódio tivesse dois níveis, uma história de suspense e aventura, e uma história que transmitisse um valor moral.[4]

As histórias de Star Trek normalmente mostram as aventuras de humanos e alienígenas que servem a Frota Estelar, uma armada pacífica que serve a Federação Unida dos Planetas. Os personagens são essencialmente altruístas, cujos ideais são aplicados nos dilemas apresentados na série. Os conflitos apresentados em Star Trek às vezes representam uma alegoria para conflitos contemporâneos: a série original discute questões da década de 1960,[5] assim como seus spin-offs refletem as questões de suas respectivas décadas. Questões refletidas nas séries incluem: guerra e paz, lealdade, autoritarismo, imperialismo, economia, racismo, religião, direitos humanos, sexismo, feminismo e o papel da tecnologia.[6] Roddenberry disse: "[Ao criar] um novo mundo com novas regras, eu podia discutir sobre sexo, religião, Vietnã, política e misseís intercontinentais. Realmente, nós as colocamos em Star Trek: nós estávamos mandando mensagens e felizmente elas passaram pela emissora".[6]

Roddenberry desejava mostrar o que a humanidade poderia se transformar se eles tivessem aprendido com as lições do passado, mais especificamente terminando com a violência. Um bom exemplo são os vulcanos, um povo que teve um passado bem violento porém aprenderam a controlar suas emoções. Roddenberry também queria colocar uma mensagem contra a guerra, como também mostrar a Federação Unida dos Planetas como se fosse uma versão otimista e ideal das Nações Unidas.[7]

Histórico de produção[editar | editar código-fonte]

Star Trek Nemesis Star Trek: Insurrection Star Trek: First Contact Star Trek Generations Star Trek: Voyager Star Trek: Deep Space Nine Star Trek: The Next Generation Star Trek (filme) Star Trek Generations Star Trek VI: The Undiscovered Country Star Trek V: The Final Frontier Star Trek IV: The Voyage Home Star Trek III: The Search for Spock Star Trek II: The Wrath of Khan Star Trek: The Motion Picture Star Trek: The Animated Series Star Trek (série original) The Cage Star Trek: Enterprise

Começo[editar | editar código-fonte]

O criador de Star Trek, produtor e roteirista Gene Roddenberry.

Em 1964, Roddenberry fez uma proposta para a série original de Star Trek para a Desilu Productions. O primeiro piloto, The Cage, estrelando Jeffrey Hunter como o Capitão Christopher Pike da nave estelar USS Enterprise, foi rejeitado pela emissora; entretanto, os executivos da Desilu ficaram impressionados com o conceito e fizeram a decisão incomum de encomendar um segundo piloto,[8] "Where No Man Has Gone Before", que foi aceito.

A ameaça de cancelamento apareceu durante a segunda temporada da série.[9] Os fãs da série, liderados por Bjo Trimble, conduziram uma campanha de cartas sem precedentes pedindo que a NBC mantivesse o programa no ar.[9] A NBC renovou o programa, porém mudou o dia de exibição para sexta-feira e o orçamento foi reduzido. Roddenberry reduziu seu envolvimento na série antes do início da temporada para protestar contra a mudança de horário. Ele foi substituído por Fred Freiberger.

A série foi cancelada ao final de sua terceira temporada, apesar de protestos e outra campanha de cartas. O departamento de publicidade da emissora reclamou que o cancelamento da série foi prematuro.

Renascimento[editar | editar código-fonte]

Quando o programa foi cancelado, a Paramount Pictures esperava recuperar suas perdas na produção vendendo os direitos do programa para a sindicação. A série começou suas reprises em 1969 e no final da década de 1970, já havia sido vendida para 150 mercados americanos e 60 internacionais. O programa desenvolveu um seguimento cult e os rumores que a franquia iria ser reiniciada surgiram.

A primeira nova série de Star Trek foi Star Trek: The Animated Series. A série foi produzida pela Filmation em associação com a Paramount e teve duas temporadas que foram ao ar nas manhãs de sábado de 1973 a 1974 na NBC, tendo 22 episódios de meia hora. A popularidade de Star Trek na sindicação levou a Paramount e Roddenberry a desenvolver uma nova série, Star Trek: Phase II.

Após o sucesso dos filmes Star Wars e Close Encounters of the Third Kind, o piloto planejado de Phase II foi adaptado no filme Star Trek: The Motion Picture. Lançado em 1979, arrecadou US$ 139 milhões na bilheteria, um pouco abaixo das expectativas do estúdio mas o suficiente para um sequência ser encomendada. A Paramount forçou Roddenberry a sair do controle criativo das futuras sequências. No total, seis filmes de Star Trek foram produzidos entre 1979 e 1991.

Em resposta a popularidade de Star Trek no cinema, a franquia retornou a televisão com Star Trek: The Next Generation, em 1987. O programa foi transmitido originalmente por sindicação ao invés de uma grande emissora.

Depois de Roddenberry[editar | editar código-fonte]

Roddenberry morreu em 24 de outubro de 1991, deixando o produtor executivo Rick Berman no controle da franquia. A The Next Generaion tinha os maiores indíces de audiência de qualquer série de Star Trek. Em resposta ao sucesso de TNG, a Paramount começou a desenvolver um spin-off, Star Trek: Deep Space Nine, que foi lançada em 1993. Apesar de nunca ter sido tão popular como TNG, sua audiência foi o suficiente para durar sete temporadas., terminando em 1999.

Em janeiro de 1995, alguns meses após o final de TNG, uma quarta série de televisão, Star Trek: Voyager, foi lançada. A saturação de Star Trek chegou ao máximo na década de 1990, com DS9 e VOY indo ao ar simultaneamente e três filmes da TNG sendo lançados em 1994, 1996 e 1998. Voyager foi ao ar pela UPN, se tornando a primeira série de Star Trek a ir ao ar por uma grande emissora desde a série original. Voyager também teve sete temporadas e terminou em 2001.

Um nova série prequela, Star Trek: Enterprise, que se passava antes da série original, foi produzida ao final de Voyager. Enterprise não teve altas audiências como seus antecessores e em sua terceira temporada houve ameaças de cancelamento. Fãs criaram campanhas, similar a aquela que salvou a terceira temporada da série original, para impedir o cancelamento da série. A Paramount renovou a série porém a moveu para o "horário da morte" de sexta-feira. Como a série original, a audiência de Enterprise continuou a cair e ao final de sua quarta temporada ela foi cancelada pela UPN. Seu cancelamento encerrou o período de 18 anos de produção ininterrupta de programas de Star Trek. Isso, junto com o fracasso de bilheteria de Star Trek Nemesis (2002) levou-se a acreditar que a franquia estava terminada. Berman, que havia sido responsável por muito do sucesso comercial da franquia, saiu do controle de Star Trek ao final de Enterprise.

Reinício[editar | editar código-fonte]

Em 2007, a Paramount contratou um novo time criativo para reiniciar a franquia. Roteiristas Roberto Orci e Alex Kurtzman e o produtor J. J. Abrams receberam liberdade total para reinventar Star Trek. Um décimo primeiro filme, Star Trek, foi lançado em maio de 2009. O filme teve uma campanha de divulgação mirada nos não-fãs da série. Star Trek obteve sucesso de críticas e bilheteria, se tornando o filme da franquia mais rentável da história. Entre as realizações do filme, está o primeiro Oscar da série (Melhor Maquiagem). O elenco principal do filme têm contrato para mais duas sequências, com a primeira em 2013 'Star Trek Into Darkness' (Além da Escuridão - Star Trek).

Televisão[editar | editar código-fonte]

O núcleo da franquia Star Trek consiste em seis séries de televisão: The Original Series, The Animated Series, The Next Generation, Deep Space Nine, Voyager e Enterprise. No total são 716 episódios produzidos em 30 temporadas de televisão para mais de 530 horas de entretenimento.

The Original Series (1966–1969)[editar | editar código-fonte]

O elenco de Star Trek em sua terceira temporada. Da esquerda para a direita: James Doohan, Walter Koenig, DeForest Kelley, Majel Barrett, William Shatner, Nichelle Nichols, Leonard Nimoy e George Takei.

Star Trek, também conhecida como The Original Series ou TOS, estreou na NBC em 8 de setembro de 1966.[10] O programa conta as aventuras da nave estelar USS Enterprise em sua missão de cinco anos "para audaciosamente ir onde nenhum homem jamais esteve". A série possuia em sua elenco William Shatner como o Capitão James T. Kirk, Leonard Nimoy como Spock, DeForest Kelley como Dr. Leonard McCoy, James Doohan como Montgomery Scott, Nichelle Nichols como Uhura, George Takei como Hikaru Sulu e Walter Koenig como Pavel Chekov. Durante sua exibição original, foi indicada várias vezes ao Hugo Award de Melhor Apresentação Dramática e venceu duas vezes: "The Menagerie" e "The City on the Edge of Forever". Depois de três temporadas o programa foi cancelado e seu último episódio foi ao ar em 3 de junho de 1969. Foi, entretanto, extremamente popular entre fãs de ficção científica. Apesar de ter Nielsen Ratings baixos, mais tarde, as técnicas de medição demográficas mostraram que a série era popular para uma audiência altamente lucrativa. A série subsequentemente se tornou popular nas reprises. Originalmente apresentada como Star Trek, recentemente adquiriu o retrônimo de Star Trek: The Original Series, para se diferenciar de suas sequências e da franquia como um todo.

The Animated Series (1973–1974)[editar | editar código-fonte]


Star Trek: The Animated Series foi produzida pela Filmation e teve duas temporadas de 1973 até 1974. A maior parte do elenco fez a voz de seus personagens da The Original Series, e muitos dos roteiristas originais escreveram episódios para a série. Enquanto o formato animado permitiu que os produtores criassem cenários alienígenas e formas de vida mais exóticas, o reuso de cenas, músicas e também de erros de animação arranharam a reputação da série.[11] Apesar de ter sido sancionada pela Paramount, que se tornou a dona da franquia após a aquisição da Desilu em 1967, Roddenberry forçou a Paramount a parar de considerar a série canônica, mesmo ele estando envolvido na produção. Mesmo assim, elementos da série animada foram usados pelos roteiristas nas séries e filmes seguintes e, desde junho de 2007, The Animated Series foi incluída no website oficial da franquia.

TAS venceu o primeiro Emmy Award de Star Trek em 15 de maio de 1975.

The Next Generation (1987–1994)[editar | editar código-fonte]

Star Trek: The Next Generation, também conhecida como TNG, se passa aproximadamente um século após a série original. Ela apresenta uma nova nave estelar, a USS Enterprise-D e sua tripulação formada pelo Capitão Jean-Luc Picard (Patrick Stewart), Comandante William T. Riker (Jonathan Frakes), engenheiro chefe Geordi La Forge (LeVar Burton), oficial de segurança Tasha Yar (Denise Crosby), o primeiro klingon a entrar na Frota Estelar Worf (Michael Dorn), médica chefe Dra. Beverly Crusher (Gates McFadden), o andróide Data (Brent Spiner) e o filho da Dra. Crusher Wesley Crusher (Wil Wheaton) e a conselheira betazóide Deanna Troi (Marina Sirtis). A série estreou em 28 de setembro de 1987 e teve sete temporadas, terminando em 23 de maio de 1994. Teve os maiores indíces de audiência de qualquer série de Star Trek. Muitas relações e espécies introduzidas em TNG se tornaram as bases de Deep Space Nine e Voyager. Foi indicada ao Primetime Emmy Award de Melhor Série Dramática em sua última temporada.

Não era comum na época um programa de drama ser sindicado em sua exibição original, ao invés de ir ao ar por uma grande emissora. The Next Generation se tornou o programa de sindicação mais popular de sua época e inaugurou o mercado para séries de ficção científica na sindicação.

Deep Space Nine (1993–1999)[editar | editar código-fonte]

Star Trek: Deep Space Nine, ou DS9, se passa nos últimos anos e nos imediatamente seguintes da The Next Generation. Estreou em 3 de janeiro de 1993 teve sete temporadas e terminou em 2 de junho de 1999. Como a TNG, foi ao ar por sindicação. É a única série da franquia a se passar principalmente em uma estação espacial, ao invés de uma nave estelar. Ela se passa na estação cardassiana originalmente conhecida como Terok Nor, que foi renomeada Deep Space 9 pela Federação e colocada perto do planeta Bajor e do único buraco de minhoca estável conhecido, que dá acesso ao distante Quadrante Gama. O programa mostra a vida dos tripulantes da estação, liderados por Benjamin Sisko; interpretado por Avery Brooks; e Kira Nerys; interpretada por Nana Visitor. Elementos recorrentes em suas histórias estavam a repercussão da longa e brutal Ocupação Cardassiana em Bajor, o papel espiritual de Sisko para os bajorianos como Emissário dos Profetas e, em suas últimas temporadas, a guerra contra os Dominion. Deep Space Nine se diferencia das outras séries de Star Trek pelo seu estilo de seriado, conflitos entre a tripulação e temas religiosos; todos temas que foram aplaudidos por críticos e fãs porém foram proibidos por Roddenberry na série original e em The Next Generation. Mesmo assim, ele possuia conhecimento dos planos para DS9 antes de morrer, então esta foi a última série de Star Trek em que ele esteve conectado.[12]

Voyager (1995–2001)[editar | editar código-fonte]

Star Trek: Voyager teve sete temporadas, indo ao ar de 16 de janeiro de 1995 até 23 de maio de 2001, lançando o canal UPN da Paramount. Apresenta Kate Mulgrew como a Capitã Kathryn Janeway, a primeira mulher oficial comandadante em papel principal em uma série de Star Trek. Voyager se passa quase ao mesmo tempo que Deep Space Nine. O episódio piloto mostra a USS Voyager e sua tripulação perseguindo uma nave Maquis (classificados como rebeldes pela Federação). Ambas as naves são jogadas no Quadrante Delta, 70.000 anos-luz da Terra. Com uma viagem de volta estimada em 75 anos, a tripulação das duas naves devem aprender a trabalhar juntas para superar os desafios na longa e perigosa viagem de volta enquanto procuram meios para reduzir o tempo de viagem. Como DS9, as primeiras temporadas de Voyager mostram grandes conflitos entre os membros da tripulação. Tais conflitos surgem, na maioria das vezes, devido ao método de seguir o regulamento dos membros da Frota e os rebeldes fugitivos Maquis, forçados a trabalhar na mesma nave. Eventualmente, eles resolvem suas diferenças. Voyager é isolada dos muitos e familiares aspectos, elementos e espécies da franquia Star Trek, tirando aqueles pertencentes a tripulação. Isso permitiu a criação de várias novas espécies e histórias originais na série. As últimas temporadas, entretanto, abriram um fluxo de personagens e espécies dos programas anteriores, como os Borg, Q, ferengis, romulanos, klingons, cardassianos e alguns membros do elenco de The Next Generation.

Enterprise (2001–2005)[editar | editar código-fonte]

O elenco de Star Trek: Enterprise.

Star Trek: Enterprise, originalmente intitulada de Enterprise, foi ao ar de 26 de setembro de 2001 até 13 de maio de 2005 e é uma prequel da série original,[13] se passando 90 anos depois do voo de dobra de Zefram Cochrane e uma década antes da fundação da Federação. A série mostra como o primeiro contato com um extraterrestre levou os vulcanos a guiar a humanidade na criação da primeira nave de dobra 5, a Enterprise, comandada pelo Capitão Jonathan Archer; interpretado por Scott Bakula; e pela Subcomandante T'Pol; interpretada por Jolene Blalock.

Por suas duas primeiras temporadas, Enterprise era mais episódica como The Original Series, The Next Generation e Voyager. A terceira temporada introduz o arco de história dos xindi, que foi,levado por toda a terceira temporada, trazendo um tom mais sombrio e serializado ao programa, algo que não era visto desde Deep Space Nine. A quarta temporada mostrou as origens de vários elementos comuns em outras séries, além de resolver alguns problemas de continuídade (alguns criados na própria série), mais notavelmente a discrepância entre a aparência dos klingons na série original e nos filmes e séries seguintes. Os arcos de histórias em sua última temporada duravam apenas dois ou três episódios. Os indíces de espectadores de Enterprise começaram altos, porém cairam rapidamente, algo que levou ao cancelamento do programa, no meio de sua quarta temporada. O cancelamento de Enterprise encerrou um período de 18 anos de produção ininterrupta de novos episódios de Star Trek, que começou com a The Next Generation em 1987.

Filmes[editar | editar código-fonte]

A série de filmes de Star Trek é o braço cinematográfico da franquia Star Trek. A Paramount Pictures começou a trabalhar em um filme de Star Trek em 1975 depois de vários pedidos do criador da série, Gene Roddenberry. O estúdio descartou o projeto dois anos depois à favor de uma nova série de televisão, Star Trek: Phase II, com o elenco original. Entretanto, depois do enorme sucesso de Star Wars e Close Encounters of the Third Kind, a Paramount mudou de ideia novamente, cancelando a produção da série e adaptando seu episódio piloto no filme de 1979 Star Trek: The Motion Picture. Outros cinco filmes estrelando o elenco original se seguiram. O elenco da série spin-off Star Trek: The Next Generation estrelaram em outros quatro filmes. Um reinício e prequela da série de televisão original, intitulado simplesmente Star Trek, foi lançado em 2009.

Número Título Diretor Lançamento
1 Star Trek: The Motion Picture Robert Wise 7 de dezembro de 1979
2 Star Trek II: The Wrath of Khan Nicholas Meyer 4 de junho de 1982
3 Star Trek III: The Search for Spock Leonard Nimoy 1 de junho de 1984
4 Star Trek IV: The Voyage Home 26 de novembro de 1986
5 Star Trek V: The Final Frontier William Shatner 9 de junho de 1989
6 Star Trek VI: The Undiscovered Country Nicholas Meyer 6 de dezembro de 1991
7 Star Trek Generations David Carson 18 de novembro de 1994
8 Star Trek: First Contact Jonathan Frakes 22 de novembro de 1996
9 Star Trek: Insurrection 11 de dezembro de 1998
10 Star Trek Nemesis Stuart Baird 13 de dezembro de 2002
11 Star Trek J. J. Abrams 8 de maio de 2009
12 Star Trek Into Darkness 17 de maio de 2013

Outros produtos[editar | editar código-fonte]

Livros[editar | editar código-fonte]

Insígnia de comando da Frota Estelar

Desde 1967, centenas de livros originais, contos e adaptações das séries de televisão e filmes foram publicados. O primeiro livro original de Star Trek a ser publicado foi Mission to Horatius, de Mack Reynolds, que foi publicado pela Whitman Books em 1968.

A primeira editora a publicar romances de Star Trek para os leitores adultos foi a Bantam Books. Em 1970, James Blish escreveu o primeiro romance original de Star Trek a ser publicado pela Bantam, Spock Must Die!. A Pocket Books é a atual editora dos romances de Star Trek.

Autores prolíficos de Star Trek incluem Peter David, Diane Carey, Keith R. A. DeCandido, J. M. Dillard, Diane Duane, Michael Jan Friedman e Judith e Garfield Reeves-Stevens. Vários atores e roteiristas das série de televisão já escreveram livros: William Shatner, John de Lancie, Andrew J. Robinson, J. G. Hertzler e Armin Shimerman já escreveram, ou co-escreveram, romances contendo seus respectivos personagens. A produtora Jeri Taylor já escreveu dois romances contendo os personagens de Voyager antes da própria série, e os roteiristas David Gerrold, D. C. Fontana e Melinda Sondgrass já poliram alguns livros.

Quadrinhos[editar | editar código-fonte]

Histórias em quadrinhos baseadas em Star Trek têm sido publicadas quase continuamente desde 1967 por várias companhias. As editoras incluem a Marvel Comics, DC Comics, Malibu Comics, WildStorm e Gold Key Comics. A Tokyopop está atualmente publicando uma antologia baseada em histórias de The Next Generation apresentadas no estilo do mangá japonês.[14] Em 2006, a IDW Publishing adquiriu os direitos de publicação dos quadrinhos de Star Trek.

Jogos[editar | editar código-fonte]

A franquia Star Trek possui vários jogos em muitos formatos diferentes. Começando em 1967 com um jogo de tabuleiro baseado na série original e continuando até o presente com jogos online e em DVD, jogos de Star Trek continuam a ser populares entre os fãs. Os jogos eletrônicos mais recentes da série são Star Trek: Legacy e Star Trek: Conquest. Um MMORPG baseado em Star Trek, chamado Star Trek: Online, é desenvolvido pela Cryptic Studios e publicado pela Atari. Ele se passa aproximadamente 30 anos após os eventos de Star Trek Nemesis, e não na realidade alternativa criada em Star Trek, apesar dele levar em conta eventos contados no filme e nos quadrinhos prequela.

Impacto cultural[editar | editar código-fonte]

Gene Roddenberry junto com os membros do elenco de Star Trek no lançamento do ônibus espacial Enterprise.

A franquia Star Trek é uma industria multi-bilionária, propriedade da CBS. Gene Roddenberry vendeu Star Trek para a NBC como um drama de aventura que se passava no espaço. A fala de abertura, "para audaciosamente ir aonde nenhum homem jamais esteve", foi tirada quase integralmente de um folheto da Casa Branca, produzido após o lançamento da sonda Sputnik 1, em 1957.[15] O trio principal; Kirk, Spock e McCoy; foi moldado conforme padrões mitológicos.[16]

Star Trek e seus spin-offs provaram ser muito populares na sindicação e hoje são exibidos em todo o mundo. O impacto cultural do programa vai além de sua longevidade e profitabilidade. Convenções de Star Trek se tornaram muito populares. Alguns fãs cunharam o termo "Trekkie" para descrever eles mesmos. Porém, outros preferem "Trekker". Uma subcultura inteira foi criada ao redor do programa, algo mostrado no documentário Trekkies.

A franquia antecipou muitos dos aparelhos e da tecnologia usada atualmente, incluindo o Tablet PC, o PDA e os celulares.[17] Várias de suas frases entraram no vocabulário popular.[18] Em 1976, após uma campanha de cartas, a NASA nomeou seu ônibus espacial protótipo de Enterprise. Anos mais tarde, a sequência de créditos iniciais de Star trek: Enterprise iria incluir cenas do ônibus espacial.

Além das inovações tecnológicas de Star Trek, uma de suas maiores e mais significantes contribuições para a história da televisão foi seu elenco multirracial e multicultural. Isso se tornou comum na televisão a partir da década de 1980, porém nos anos 1960 isso era algo controverso e arriscado. Na ponte da Enterprise havia um piloto japonês, um navegador russo, uma oficial de comunicações negra, um engenheiro escocês e um primeiro oficial alienígena. Também, controverso na época, foi o primeiro beijo interrracial planejado da história da televisão americana, entre Kirk e Uhura no episódio "Plato's Stepchildren".

Prêmios e honrarias[editar | editar código-fonte]

Réplica do comunicador utilizado pelos personagens de Star Trek TOS

Dos vários prêmios de ficção científica dados ao drama, apenas o Hugo Award existia na época da série original. Apesar do Hugo premiar principalmente trabalhos de ficção científica da mídia impressa, seu prêmio de "melhor drama" é geralmente dado a filmes ou séries de televisão. O Hugo não entrega prêmios de melhor, diretor e outros aspectos de produção. Antes de 2002, filmes e programas de televisão competiam pelo mesmo Hugo, antes de o prêmio ser dividido em drama curto e drama longo. Em 1968, todos os cinco indicados para o Hugo de melhor apresentação dramática eram episódios de Star Trek, como três dos cinco indicados em 1967 (os outros dois eram os filme Fahrenheit 451 e Fantastic Voyage). As únicas séries de Star Trek a nunca serem indicadas ao Hugo foram a The Animated Series e Voyager, apesar de apenas a original e a The Next Generation terem vencido. Nenhum filme de Star Trek já venceu o Hugo, apesar de alguns terem sido indicados.

O prestigiado Saturn Award não exisitia na época de exibição da série original. Diferentemente do Hugo, o Saturn entrega prêmios de melhor ator, diretor, efeitos especiais e música, e também diferentemente do Hugo (até 2002), filmes e programas de televisão nunca competem entre si. As duas séries de Star Trek a vencerem múltiplos Saturn durante suas exibições foram a The Next Generation (duas vezes por melhor série de televisão) e Voyager (duas vezes por melhor atriz—Kate Mulgrew e Jeri Ryan. A série original ganhou um Saturn Award por melhor lançamento em DVD. Vários filmes de Star Trek já venceram o Saturn, incluindo nas categorias de melhor filme, melhor ator, atriz, diretor, figurino e efeitos visuais. Todavia, Star Trek nunca ganhou um Saturn Award de melhor maquiagem.

Para prêmios não específicos de ficção científica, as séries de Star Trek já venceram 31 Primetime Emmy Awards.[19] O décimo primeiro filme da franquia, Star Trek, venceu o Oscar de melhor maquiagem em 2010, o primeiro filme da franquia a vencer um Oscar.[20]

Referências

  1. J. M. Dillard. Star Trek "Where No One has Gone Before". [S.l.]: Pocket Books, 1994. 208 pp. 0-671-51149-1
  2. Michael e Denise Okuda. Star Trek Encyclopedia. [S.l.]: Pocket Books, 1999. 752 pp. 9780671536091
  3. RODDENBERRY, GENE The Museum of Broadcast Communications.
  4. Alexander, David. Star Trek Creator: The Authorized Biography of Gene Roddenberry. [S.l.: s.n.], 1994. ISBN 0-451-45418-9
  5. Synder, J. William (1995). Star Trek: A Phenomenon and Social Statement on the 1960s.
  6. a b Johnson-Smith, Jan. American Science Fiction TV: Star Trek, Stargate and Beyond. [S.l.]: I B Tauris & Co Ltd, 2005. ISBN 0-819-56738-8
  7. Goulart, Woody. Gene Roddenberry Woody Goulart.
  8. Whitfield, Stephen; Roddenberry, Gene. The Making of Star Trek. Nova York: Ballantine Books, 1968. ISBN 0-345-31554-5
  9. a b Solow, Herbert F.; Justman, Robert H.. Inside Star Trek: The Real Story. [S.l.]: Pocket Books, 1996. ISBN 0-671-00974-5
  10. Lee, Luaine (18 de agosto de 2006). 'Star Trek' turns 40 KRT Wire.
  11. Dursin, Andre (14 de novembro de 2006). Filmation's Star Trek Beams Up: Andy Reviews The Animated Adventures the Aisle Seat.
  12. Trivia for Star Trek: Deep Space Nine Internet Movie Database.
  13. Star Trek: Enterprise Summary StarPulse.com.
  14. Marshall, Rick (14 de abril de 2009). 'Star Trek: The Next Generation' Goes Manga, But Will Picard Lose The Captain's Chair? MTV.
  15. Introduction to Outer Space Casa Branca (26 de março de 1958).
  16. Day, Dwayne. Star Trek as a Cultural Phenomenon U.S. Centennial of Flight.
  17. Evangelista, Benny (15 de março de 2004). TREK TECH / 40 years since the Enterprise's inception, some of its science fiction gadgets are part of everyday life SFGate.com.
  18. Quinion, Michael. The linguistic legacy of Star Trek World Wide Words.
  19. Primetime Emmy® Award Database—Star Trek Primetime Emmy Award.
  20. Popkin, Helen (7 de março de 2010). Oscar blog: A blow-by-blow of the night’s action MSNBC.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • J. M. Dillard. Star Trek "Where No One has Gone Before". [S.l.]: Pocket Books, 1994. 208 pp. 0-671-51149-1
  • Michael e Denise Okuda. Star Trek Encyclopedia. [S.l.]: Pocket, 1999. 752 pp. 9780671536091
  • Krauss, Lawrence M.. A física de Jornada nas Estrelas (The Fisics of Star Trek). [S.l.]: Makron Books e Editora Afilidada, 1995. 151 pp. 85-346-0633-1
  • William Shatner com Crhris Kreski. Jornada nas Estrelas - Memórias (TV). [S.l.]: Nova Fronteira, 1993. 346 pp. 85-209-0583-8
  • William Shatner com Crhris Kreski. Jornada nas Estrelas - Memórias dos filmes (Cinema). [S.l.]: Nova Fronteira, 1994. 346 pp. 85-209-0922-1
  • Michael e Denise Okuda. Star Trek The Next Generation. [S.l.]: Barron's Educational Series, 2013. 978-0764166068
  • Star Trek Federation: The First 150 Years. [S.l.]: 47North, 2012. 164 pp. 978-1612184173

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Star Trek