Chasing Amy

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde dezembro de 2009)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Chasing Amy
Perseguindo Amy (PT)
Procura-se Amy (BR)
1997 • cor • 113 min 
Direção Kevin Smith
Roteiro Kevin Smith
Elenco Ben Affleck
Joey Lauren Adams
Jason Lee
Dwight Ewell
Jason Mewes
Género comédia romântica
País  Estados Unidos
Idioma inglês
Página no IMDb (em inglês)

Chasing Amy (Procura-se Amy (título no Brasil) ou Perseguindo Amy (título em Portugal)) é um filme de comédia romântica americano lançado em 1997 e dirigido por Kevin Smith.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Uma dupla de autores de revistas em quadrinhos chamados Holden McNeil (Ben Affleck) e Banky Edwards (Jason Lee) que vivem em Nova Jersei, são melhores amigos por 20 anos. Eles passam o tempo trabalhando em seu estúdio e saindo nos finais de semana. Mas a amizade deles está prestes a ser disputada pela primeira vez em suas vidas, quando uma linda jovem lésbica chamada Alyssa (Joey Lauren Adams) entra em suas vidas e Holden se apaixona profundamente por ela. Agora Holden tem que lidar com o ciumes de seu melhor amigo e com o passado confuso de sua nova, e ex-lésbica, namorada.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Premiações[editar | editar código-fonte]

Críticas[editar | editar código-fonte]

Em uma entrevista à Serginho Groisman exibida no Programa Livre em 1997, o cantor, compositor e escritor brasileiro Caetano Veloso, criticou publicamente o filme, considerando-o “abominável” e afirmando que ele defende uma tese “moralista, chata, careta e redutora”. Nas palavras do cantor, trata-se de “um filme onde você ouve detalhes desnecessários sobre experiências sexuais com uma insistência intolerável. Aqueles atores americanos ficam macaqueando um "à vontade" que é, do ponto de vista da atuação, também irritante e no fim das contas, defende-se uma tese altamente careta e repressiva do ponto de vista sexual.”

Ligações externas[editar | editar código-fonte]