Ciclo calíptico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

O ciclo ou período Calíptico foi criado pelo astrônomo Cálipo de Cízico, em 330 a.C.[1] Até então, os gregos utilizavam o ciclo metónico, mas Cálipo modificou este período, com uma correção a cada 4 desses ciclos, perfazendo um período de 76 anos, conhecido como período calíptico, fazendo o ano médio, neste ciclo, valer 365,25 dias, muito mais próximo ao ano trópico verdadeiro. Os babilônios adotaram essas correções 50 anos depois.[2]

Os povos antigos calculavam o tempo pelo calendário lunissolar, em que em alguns anos tinham doze meses e em outros anos treze. Este tipo de calendário era usado pelos antigos hebreus, conforme I Samuel 20:5, I Samuel 20:18, I Samuel 20:24 e I Samuel 20:27.[Nota 1] Três astrônomos gregos aperfeiçoaram a astronomia e retificaram o cálculo do tempo, Meton, Cálipo e Hiparco. Apesar de Hiparco ter florescido cerca de noventa a cem anos antes da reforma do calendário por Júlio César, seu astrônomo Sosígenes adotou os cálculos de Cálipo para estabelecer a duração do ano no calendário juliano.[3]

O ciclo determinado por Cálipo consiste de setenta e seis anos, com o total de 27 759 dias, o mesmo número que tem 76 anos do calendário juliano.[4] [5] Neste ciclo de setenta e seis anos, ocorrem novecentas e quarenta lunações, com uma média de 29 \frac{499}{940}\, dias para o mês sinódico, valor vinte e dois segundos maior que o real.[Nota 2] Dos novecentos e quarenta meses, quatrocentos e quarenta e um são meses de vinte e nove dias, e quatrocentos e noventa e nove de trinta dias. Destes setenta e seis anos, quarenta e oito são anos de doze meses lunares, e vinte e oito são anos embolísticos, com treze meses.[5]

Os três ciclos, de Meton, Cálipo e Hiparco, tinham por principal objetivo a determinação de um calendário lunissolar. Seus períodos eram, respectivamente, dezenove anos para 6 940 dias, setenta e seis anos para 27 759 dias e trezentos e quatro anos para 111 035 dias.[6]

Notas e referências

Notas

  1. Para uma opinião diferente, ver o artigo calendário judaico. O astrônomo John Jackson propôs que os antigos hebreus usavam um calendário solar semelhante ao calendário egípcio, e só teriam adotado o calendário lunissolar após contato com a civilização grega.
  2. A fonte ignora o fato do mês sinódico aumentar ao longo dos séculos, pelo efeito da aceleração de marés.

Referências

  1. Alan Edouard Samuel. Greek and Roman chronology: Calendars and years in classical antiquity (Handbuch der Altertumswissenschaft). EUA: Beck, 1972. ISBN B0006C6FEW.
  2. Daryn Lehoux. Astronomy, Weather, and Calendars in the Ancient World: Parapegmata and Related Texts in Classical and Near-Eastern Societie. EUA: Cambridge University Press, 2007. ISBN 978-0521851817.
  3. Dr. R. Wood, A new Luni-Solar Year, and a perpetual Almanac, Phil. Collect. N.2. p.26., citado em Memoirs of the Royal Society: being a new abridgment of the Philosophical transactions ... 1665 to ... 1735 ... the whole carefully abridg'd from the originals, and the order of time regularly observ'd, Volume 2, p.145 [google books]
  4. Dr. R. Wood, A new Luni-Solar Year, and a perpetual Almanac, Phil. Collect. N.2. p.26., citado em Memoirs of the Royal Society: being a new abridgment of the Philosophical transactions ... 1665 to ... 1735 ... the whole carefully abridg'd from the originals, and the order of time regularly observ'd, Volume 2, p.146
  5. a b Site www.ortelius.de, Kalender, Glossary [em linha]
  6. Dr. R. Wood, A new Luni-Solar Year, and a perpetual Almanac, Phil. Collect. N.2. p.26., citado em Memoirs of the Royal Society: being a new abridgment of the Philosophical transactions ... 1665 to ... 1735 ... the whole carefully abridg'd from the originals, and the order of time regularly observ'd, Volume 2, p.147
Ícone de esboço Este artigo sobre astronomia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]