Cinemateca Portuguesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde Outubro de 2012).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Cinemateca Protuguesa

A Cinemateca Portuguesa é uma instituição pública dedicada à difusão e preservação da arte cinematográfica e, em especial, do Cinema Português. Foi criada em 1948, em Lisboa, onde se mantém até hoje (presentemente, com instalações na rua Barata Salgueiro). A Cinemateca organiza ciclos de cinema e exposições, dispondo ainda de um Museu do Cinema, arquivos, biblioteca, livraria e bar-restaurante. O Arquivo Nacional de Imagens em Movimento (ANIM), encontra-se sob a sua alçada.

História[editar | editar código-fonte]

A Cinemateca Portuguesa surgiu em 1948, a partir dum acervo documental do antigo Secretariado de propaganda Nacional, futuro Secretariado Nacional de Informação. Manuel Félix Ribeiro, funcionário deste organismo, foi o primeiro director da então Cinemateca Nacional. A 29 de Setembro de 1958, teve lugar a primeira sessão de cinema, pública e autónoma, no Palácio Foz.

A Cinemateca Portuguesa tornou-se uma repartição do Instituto Português de Cinema entre 1973 e 1979, ainda sob a direcção de Manuel Félix Ribeiro, progredindo sob a de Luís de Pina. Em 1979, o Estado português comprou uma moradia da rua Barata Salgueiro, datada de 1887, que passou a albergar a Cinemateca, agora uma direcção-geral do Ministério da Cultura. O novo cinema foi inaugurado em 1980.

Em 1991, João Bénard da Costa assumiu o cargo de director (era, desde 1980, subdirector). Entre 2001 e 2002 decorreram as obras de restauração do edifício, a cargo dos arquitectos Alberto Castro Nunes e António Maria Braga. Nesse período, as actividades da Cinemateca voltaram a decorrer no Palácio Foz. Em Dezembro de 2002 reabriram as instalações da rua Barata Salgueiro, com o espaço museográfico 39 Degraus e as salas de cinema renovadas.

Centrou-se a acção de Bénard da Costa na programação regular de obras relevantes da história do cinema, a exemplo da Cinemateca Francesa, na renovação das instalações e, enquanto museu do cinema, na criação de condições para boa conservação e restauro (ANIM) dos filmes em arquivo. Ao contrário porém da sua congénere francesa, que tem uma “biblioteca do filme” (BiFi), subestimou a necessidade de criar uma semelhante em Portugal, que permitisse um visionamento fácil dos filmes em depósito por cinéfilos ou investigadores. Fora das sessões programadas, os filmes permanecem invisíveis.

Sucedendo a Bénard da Costa (1991 a 2009), Maria João Seixas é indigitada para assumir em Janeiro de 2010 a direcção da Cinemateca Portuguesa.

Espaços e serviços[editar | editar código-fonte]

Salas de cinema[editar | editar código-fonte]

A Cinemateca tem três espaços para projecção de filmes: a sala Dr. Félix Ribeiro (a maior, com 227 lugares); a sala Luís de Pina (47 lugares) e o terraço, onde são feitas projecções ao ar livre no Verão.

Museu[editar | editar código-fonte]

O espaço museográfico 39 Degraus dispõe de três salas. A sala dos Carvalhos é dedicada à exposição permanente de peças da colecção da cinemateca: aparelhos, livros e fotografias. É usada regularmente para espectáculos de pré-cinema ou dos inícios do cinematógrafo. A sala dos Cupidos contém uma exposição de lanternas mágicas. Ocasionalmente, são feitos espectáculos com elas. A sala 6x2 destina-se às projecções com novas tecnologias (filmes em suporte DVD, com sessões non-stop).

Biblioteca[editar | editar código-fonte]

A biblioteca está aberta ao público em geral, e dispõe de uma sala de consulta e de uma sala de leitura, para livros e material fotográfico.

Cinemateca Júnior[editar | editar código-fonte]

Em 2007 foi criada a Cinemateca Júnior, com sede no Palácio Foz. Esta oferece uma programação regular, com ateliers de tempos-livres, visitas à exposição permanente interactiva de pré-cinema, exibição de filmes e outras actividades para crianças e famílias.

ANIM[editar | editar código-fonte]

Cinemateca Protuguesa: bobines de filmes.

O Arquivo Nacional de Imagens em Movimento é o departamento da Cinemateca Portuguesa responsável pela salvaguarda e conservação do património cinematográfico nacional e, de forma geral, de imagens em movimento. As suas responsabilidades incluem prospectar, recolher, conservar, preservar, restaurar, catalogar e facultar o acesso a filmes ou outras imagens em movimento em qualquer suporte e de qualquer época, formato, género, regime de produção ou proveniência. Cabe-lhe ainda a recolha e tratamento de dados sobre toda a produção nacional ou relacionada com a filmografia portuguesa).

Publicações[editar | editar código-fonte]

A Cinemateca Portuguesa edita regularmente catálogos e monografias dedicados a actores, realizadores e vários temas da história do cinema.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]