Colegialidade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde fevereiro de 2008)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

Colegialidade é, em sentido abrangente, a reunião de pares para tomada de decisões, com igual peso dos votantes.

No direito romano atendia ao princípio do intercessio, pelo qual todos os cargos legislativos tinham necessariamente que contar com ao menos um par capaz de interceder em favor daqueles afetados pela decisão.

Sua função era servir como garantia de que em nenhuma instância, um único juiz tomasse decisões incontestáveis, já que sempre havia um igual ("colega", vindo de colégio) a quem recorrer. Mesmo os cônsules, que detinham o poder decisório máximo vinham, portanto em número de dois.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Egan, Philip. (2004). Authority in the Roman Catholic Church: Theory and Practice. New Blackfriars 85(996), 251-252.
  • Gallagher, Clarence. (2004). Collegiality in the East and the West in the First millennium. A Study Based on the Canonical Collections. The Jurist, 2004, 64(1), 64-81.
  • Lorenzen, Michael. (2006). Collegiality and the Academic Library. E-JASL: The Electronic Journal of Academic and Special Librarianship 7, no. 2 (Summer 2006).
  • Wilde, Mellissa. (2005). How Culture Mattered at Vatican II: Collegiality Trumps Authority in the Council’s Social Movement Organizations. American Sociological Review, 69(4), 576-602.
Ícone de esboço Este artigo sobre direito é um esboço relacionado ao Projeto Ciências Sociais. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.