Eitan Livni

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Yeruham Eitan Livni (1919-1991) foi um sionista revisionista, comandante do Irgun e político israelense.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Livni, cujo nome significa "forte" em hebraico, nasceu em Grodno, Polônia (hoje Hrodna, Bielorrússia) em 1919. Sua família mudou-se para o Mandato Britânico da Palestina em 1925 e estabeleceu-se em Tel Aviv. Em 1938, com 19 anos, uniu-se ao então ilegal Irgun, onde serviu como agente operativo.[1]

Depois da criação de Israel, ele e Sara Rosenberg, uma companheira do Irgun, foram os primeiros a se casar no novo estado judeu (um dia após a declaração de independência). Foi membro da Assembleia de Herut, onde apoiou as posições do primeiro ministro Menachem Begin. Posteriormente ingressou no Likud, partido com o qual ocupou o cargo de deputado no Knesset durante três legislaturas consecutivas, de 1973 a 1985.

Livni morreu em 1991. A seu pedido, um símbolo do Irgun foi cravado em seu túmulo. O fruto de seu casamento, sua filha Tzipi Livni, ingressou na vida política após a morte do pai. No dia 29 de novembro de 2006, Tzipi foi designada como primeira-ministra em exercício de Israel[2] , cargo que exerceu até 7 de fevereiro de 2007.

Referências

  1. Lapidot, Yehuda. "Eitan Livni". Jewish Virtual Library. Acesso em 13 de janeiro de 2008.
  2. "Tzipi Livni" - Página oficial de Tzipi Livni na Knesset. Acesso em 11 de fevereiro de 2009.