Escaravelho-vermelho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaEscaravelho-vermelho
Rhynchophorus ferrugineus MHNT.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Arthropoda
Classe: Insecta
Ordem: Coleoptera
Família: Curculionidae
Género: Rhynchophorus
Espécie: R. ferrugineus
Nome binomial
Rhynchophorus ferrugineus
(Olivier, 1790) [1]
Sinónimos
Calandra ferruginea Fabricius, 1801 Curculio ferrugineus Olivier, 1790 Rhynchophorus signaticollis
Chevrolat, 1882

O escaravelho vermelho (Rhynchophorus ferrugineus) é um besouro. É relativamente grande, entre dois e cinco centímetros de comprimento, e tem uma cor vermelho-ferrugem. Suas larvas escavam buracos de até um metro de comprimento no estipe (o tipo do caule das palmeiras) das palmeiras, podendo matar a planta hospedeira. Como resultado, o besouro é uma importante praga das palmeiras - também é conhecido pelo nome de escaravelho das palmeiras - e seu controle tem se demonstrado bastante complicado.

Originária da Ásia tropical, o escaravelho vermelho se espalhou para a África e Europa, atingindo o Mediterrâneo em 1980.

Ciclo de vida[editar | editar código-fonte]

O escaravelho normalmente infeta palmeiras com menos de doze anos. O adulto pode causar alguns danos ao alimentar-se, no entanto, é a larva que, ao escavar túneis pelo estipe da palmeira, provoca a morte da planta. A fêmea adulta põe aproximadamente 200 ovos nas zonas de crescimento da coroa da palmeira, na base das folhas novas ou noutras zonas lesionadas da planta. O ovo incuba numa larva branca que se alimenta de fibras tenras e e rebentos de folhas, escavando túneis pelos tecidos internos da árvore durante um mês. As larvas podem ocasionalmente crescer entre 4 a 6 centímetros[2] . Na metamorfose, a larva deixa a árvora e forma um casulo feito com fibras secas de folhas de palma na base da palmeira. O ciclo de vida completa-se em 7 a 10 semanas.

Sintomas de infestação[editar | editar código-fonte]

Os sinais de infestação pelo escaravelho vermelho são

  • Orifícios e galerias na base das folhas (eventualmente com larvas ou casulos);
  • Folículos das folhas novas cortadas em ângulo ou com pontas truncadas a direito
  • Amálgama de fibras cortadas e húmidas com mau cheiro
  • Folhas desprendidas e pendentes da coroa;
  • Coroa desguarnecida no topo ou achatada;

Os primeiros sinais de infestação são os orifícios no tronco e as folhas cortadas. Os sons das larvas a escavarem o tronco e a alimentarem-se pode-se ouvir quando se aproxima o ouvido do tronco da palmeira. Existem também equipamentos eletrónicos de amplificação sonora que são utilizados para inspecionar as árvores.

Numa fase seguinte, a coroa da palmeira perde o vigor, com as folhas mais novas a pender e a secar, ficando com forma achatada e cor castanha. Seguem-se as folhas da parte de baixo da coroa. Quando estes sintomas começam a ser visíveis, a palmeira já está infestada há algumas semanas e os seus tecidos vasculares internos já estão danificados, sendo já muito difícil recuperar a palmeira que, provavelmente, morrerá. Podem observar-se ainda infeções secundárias por bactérias e fungos oportunistas que, aproveitando as feridas causadas pelo escaravelho, aceleram o declínio. Uma Palmeira pode estar infectada também sem que quaisquer vestígios aparentes sejam visiveis, só com uma grande inspecção pormenorizada se pode eventualmente detectar a infestação.

Controle[editar | editar código-fonte]

O principal método de controlo da praga é a aplicação sistemática de inseticidas em túneis escavados cerca de 5 cm acima das zonas infestadas do estipe. A praga pode ser monitorizada pela utilização de armadilhas com feromonas.[3] [4] Formas de controlo alternativo incluem descontaminação de zona e utilização maciça de armadilhas de feromonas e outros compostos químicos. Estão em desenvolvimento novas tecnologias, incluindo bio-inseticidas, para controlar esta forte praga das palmeiras.[5] [6] [7]

Em Portugal, caso detecte algum sinal de infestação, contacte imediatamente a Direcção Geral de Agricultura e Pescas da sua região (ver contactos)

ou www.escaravelho.net

Prevenção[editar | editar código-fonte]

uma vez que o escaravelho prefere pôr ovos nos tecidos mais tenros da palmeira, evitar a existência de cortes e feridas no estipe pode ajudar a reduzir a infestação, pelo que se devem cobrir as feridas ou cortes com produtos apropriados para cicatrização e proteção. Também se deve evitar o transporte e movimentação de folhas ou restos de palmeiras infetadas, que devem ser eliminadas no local. O escaravelho entra também pelos orificios das palmas cortadas desde o chão até ao cume, o que só e apenas as injecções localizadas não surtem o efeito desejado.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Palmeiras afetadas[editar | editar código-fonte]

Areca catechu, Arenga pinnata, Borassus flabellifer, Caryota maxima, C. cumingii, Cocos nucifera (coqueiro), Corypha gebanga, C. elata, Elaeis guineensis, Livistona decipiens, Metroxylon sagu, Oreodoxa regia, Phoenix canariensis, P. dactylifera (tamareira), P. sylvestris, Sabal umbraculifera, Trachycarpus fortunei, Washingtonia spp..[8] Também pode afetar a Agave americana, and Saccharum officinarum.

Países afetados[editar | editar código-fonte]

Bangladesh, Bahrain, Brasil, Camboja, China, Índia, Indonésia, Japão, Kuwait, Laos, Malásia, Myanmar, Oman, Paquistão, Filipinas, Qatar, Arábia Saudita, Sri Lanka, Taiwan, Tailândia, Emirados Árabes Unidos, Vietname, Papua-Nova Guiné e Ilhas Salomão. Foi reportada mais recentemente na Eslovénia, França, Itália, Malta, Grécia, Espanha, Portugal, Turquia, Chipre, Síria, Marrocos, Aruba e Estados Unidos.

Em Portugal[editar | editar código-fonte]

Os primeiros ataques de escaravelho vermelho foram detectados em setembro de 2007 em palmeiras emblemáticas no Algarve. Em 2011 a praga já tinha atingido Silves, Ferreira do Alentejo, Porto Covo, Setúbal, Cascais, Oeiras, Lisboa, Montemor-o-Novo e Porto.[9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rhynchophorus ferrugineus (DOC) European and Mediterranean Plant Protection Organization (EPPO) Eppo.org.
  2. http://www.drapalg.min-agricultura.pt/downloads/projectos/pragas/Artigo%20-%20Rferrugineus-DSV.pdf
  3. [1] Iscatech.com.
  4. [2] Iscatech.com.
  5. [3] Iscatech.com.
  6. [4] (PDF) Iraqi-datepalms.net.
  7. [5] (PDF) Pubhort.org.
  8. FDACS Pest Alert (PDF) (em inglês) Doacs.state.fl.us.
  9. Palmeiras do país estão a morrer Semanário Sol.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre coleópteros, integrado no Projeto Artrópodes é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Escaravelho-vermelho