Setúbal

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Setúbal
Brasão de Setúbal Bandeira de Setúbal
Brasão Bandeira
Setubal.Bocage.jpg
Estátua do poeta Bocage, Setúbal
Localização de Setúbal
Gentílico Setubalense, Sadino, Tubalense (poético)
Área 170,57 km2
População 121 185 hab. (2011)
Densidade populacional 710,47 hab./km2
N.º de freguesias 8 - publicidade
Presidente da
Câmara Municipal
Maria das Dores Meira (PCP)
Fundação do município
(ou foral)
1249
Região (NUTS II) Lisboa
Sub-região (NUTS III) Península de Setúbal
Distrito Setúbal
Antiga província Estremadura
Orago São Francisco Xavier
Feriado municipal 15 de Setembro (Nascimento de Bocage)
Código postal 2900, 2910, 2914 ou 2925
Sítio oficial http://www.mun-setubal.pt/
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg

Setúbal é uma cidade portuguesa, capital do distrito de Setúbal, na região de Lisboa e sub-região da Península de Setúbal, com cerca de 121 185 habitantes[1] . Eclesiasticamente, é desde 1975, cabeça de diocese.

Setúbal já existia desde o tempo dos romanos (sendo na época uma aldeia) tendo a cidade vizinha Palmela sido conquistada por Afonso Henriques em 1147.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização[editar | editar código-fonte]

A cidade está situada 32 km a sudeste de Lisboa, na margem norte da foz do rio Sado, e é ladeada a Oeste pela serra da Arrábida. A área urbanizada é de aproximadamente 10 km².

Setúbal é sede de um município com 170,57 km² de área e 121 185 habitantes (2011)[2] , subdividido em 8 freguesias. O município é limitado a Norte e Leste pelo município de Palmela, a Oeste por Sesimbra e, a Sul, o estuário do Sado liga-o aos municípios de Alcácer do Sal e Grândola. A península de Troia situa-se em frente da cidade, no litoral do Oceano Atlântico. Situa-se no extremo sul da região Centro de Portugal, marcando fronteira com o Sul de Portugal.

Bairros[editar | editar código-fonte]

A cidade de Setúbal possui imensos bairros, destacando-se entre os mais tradicionais o bairro do Troino, as Fontainhas, o Bairro Santos Nicolau e a Fonte Nova, zonas onde vivia grande parte da comunidade de pescadores. As Fontainhas começaram a ser povoadas por volta do século XVII, sobretudo por pessoas oriundas da zona de Aveiro. Depois da construção da Avenida Luísa Todi foi necessária a criação de uma nova doca. A zona é composta por inúmeras travessas, poços e, ao contrário da do Troino, é bastante inclinada. O Museu do Trabalho Michel Giacometti situa-se nesta zona da cidade, perto do miradouro das Fontainhas.

O bairro Salgado era a zona onde, por tradição, vivia a classe burguesa no século XIX, pois este bairro fica bastante próximo do centro da cidade, onde se desenvolve grande parte do comércio. Actualmente, neste bairro encontram-se alguns estabelecimentos ligados à área da saúde, assim como a principal estação rodoviária da cidade.

A zona da Saboaria, assim como a zona das Fontainhas foram, durante o século XX, locais de grande concentração industrial. As fábricas de conservas de peixe de Setúbal eram nacionalmente reconhecidas, tendo-se verificado nos últimos anos alguns esforços de reactivação desta actividade na cidade, a qual atraiu diversos trabalhadores do Alentejo e Algarve durante o seu período de maior dinamismo.

Actualmente, na zona da Saboaria encontram-se instalados diversos restaurantes, com uma oferta gastronómica algo variada. Também nesta zona, situam-se a maioria dos clubes nocturnos e bares da cidade, assim como tem sido feito um esforço de revitalização urbana por parte de empreiteiros e da própria câmara municipal. Entre os projectos já realizados destacam-se o Programa Pólis, que veio reorganizar a Avenida Luísa Todi, a construção da zona residencial da Quinta da Saboaria e o Parque Urbano de Albarquel. Para breve, espera-se a deslocalização dos barcos rebocadores e a demolição de alguns edifícios velhos de fábricas para se dar início à construção da Praia da Saúde.

Para finalizar, existe ainda um sem-número de outros bairros que merecem atenção social, política e cultural. Entre eles poderemos enunciar os bairros da Camarinha, Casal das Figueiras, Fonte Nova, Liceu, Viso, Peixe Frito, Santa Maria da Graça, etc.

História[editar | editar código-fonte]

O topónimo[editar | editar código-fonte]

Desconhece-se a origem do topónimo 'Setúbal'. No entanto existe a tese de que o nome da cidade resultou da cisão de dois nomes bíblicos: Seth (3º filho de Adão) e Tubal (neto de Noé). A tese parece ser da autoria do historiador da época filipina Frei Bernardo de Brito. O topónimo já existe em 'Cetóbriga' (Cetoba ou Cetobra + designação celta briga para povoação). A exemplo de outras cidades ibéricas e do sul da Europa, o topónimo 'Setúbal' pode estar relacionado com o topónimo do rio (Sado ou Sadão) que banha a povoação, referido pelo geógrafo árabe Edrisi (Muhammad Al-Idrisi), como denominar-se Xetubre (sendo esta a tese do Prof. José Hermano Saraiva). Também o nome vem referida uma das nações estrangeiras, identificada na História dos Hebreus de Flávio Josefo com os iberos[3] , teria dado origem à cidade[4] [5] . Seja como for, o topónimo ‘Setúbal’ e a cidade perdem-se no rasto dos tempos.

Setúbal em 1860

Do Neolítico à Reconquista cristã[editar | editar código-fonte]

Setúbal nasceu do rio e do mar. Os registos de ocupação humana no território do concelho remontam à pré-história, tendo sido recolhidos, em vários locais, numerosos vestígios desde o Neolítico. Foi visitada por fenícios, gregos e cartagineses, que vinham à Ibéria em procura do sal e do estanho, nomeadamente a Alcácer do Sal, sendo então o rio navegável até esta povoação.

Aquando da ocupação romana, Setúbal experimentou um enorme desenvolvimento. Os romanos instalaram na povoação fábricas de salga de peixe e fornos para cerâmica que desenvolveram igualmente.

A queda do império romano, as invasões bárbaras, a constante pirataria de cabotagem causaram uma estagnação, senão mesmo desaparecimento da povoação entre os séculos VI e XII. Nomeadamente neste último século, não existem quaisquer registos da povoação, ‘entalada’ entre a Palmela cristã e a Alcácer do Sal árabe.

Da Reconquista cristã aos finais do séc. XVI[editar | editar código-fonte]

Alcácer do Sal foi conquistada pelos cristãos em 1217, tendo a povoação de Setúbal sido incorporada e passado a beneficiar da protecção da Ordem de Santiago, momento a partir do qual voltou a prosperar.

Em Março de 1249, Setúbal recebeu foral[6] , concedido pela Ordem de Santiago, senhora desta região, e subscrito por D. Paio Peres Correia, Mestre da Ordem de Santiago, e por Gonçalo Peres, comendador de Mértola.

Durante os vários séculos de apagamento da povoação de Setúbal, Palmela e Alcácer do Sal cresceram em habitantes e importância militar, económica e geográfica, fazendo sucessivas incursões no termo de Setúbal, ocupando-o.

Na primeira metade do século XIV a povoação de Setúbal, com uma extensão territorial relativamente diminuta, teve de afirmar-se, lutando com os concelhos vizinhos de Palmela e de Alcácer do Sal, já então constituídos, iniciando-se uma contenda entre vizinhos que termina pelo acordo de demarcação de termo próprio em 1343 (reinado de D. Afonso IV), tendo sido construída uma rede de muralhas, que deixam de fora os arrabaldes do Troino e Palhais (bairros antigos).

No século que se seguiu, a realeza e a nobreza de então fixaram residência sazonal em Setúbal. A época dos descobrimentos e conquistas em África trouxe a Setúbal um grande desenvolvimento, tendo D. Afonso V e o seu exército, em 1458, partido do porto de Setúbal à conquista de Alcácer Ceguer. Ao longo do século XV, a vila desenvolveu diversas actividades económicas, ligadas sobretudo à indústria naval e ao comércio marítimo, tirando rendimentos elevados com os direitos cobrados pela entrada no porto.

É dos finais do século XV, princípios do século XVI, período de franco desenvolvimento nacional, que data a construção do Convento de Jesus e da sua Igreja, fundado por Dª. Justa Rodrigues Pereira para albergar a Ordem franciscana feminina de Santa Clara, sendo, muito provavelmente, obra arquitectónica do Mestre Diogo Boitaca, o mesmo que se ocupou do Mosteiro dos Jerónimos.

É igualmente no reinado de D. João II (que tinha Setúbal como cidade predilecta) que se iniciou a construção da Praça do Sapal (hoje Praça de Bocage, ex-líbris da cidade), e a construção de um aqueduto, em 1487, que conduzia a água à vila, obras que foram posteriormente terminadas ou ampliadas por D. Manuel I. Este monarca reformou o foral da vila, em 1514, devido ao progresso e aumento demográfico que Setúbal registara ao longo do último século.

O título de "notável villa" é concedido, em 1525, por D. João III. Foi este título que proporcionou a criação, em 1553, por carta do arcebispo de Lisboa, D. Fernando, de duas novas freguesias, a de São Sebastião e a da Anunciada, que se juntaram às já existentes de São Julião e de Santa Maria.

Em 1580, a vila tomou posição por D. António Prior do Crato, contra a eventual ocupação do trono português por Filipe II de Espanha. Foi então cercada por tropas espanholas do Duque de Alba, sendo esta localidade dois anos depois visitada por Filipe II, o qual deu ordem de construção do Forte de São Filipe (uma obra de Filippo Terzi).

Do séc. XVII à actualidade[editar | editar código-fonte]

Largo da Misericórdia

No século XVII, Setúbal atingiu o seu auge de prosperidade quando o sal assumiu um papel preponderante como moeda de troca e retribuição da ajuda militar ao apoio fornecido pelos estados europeus a Portugal durante e após as guerras da Restauração da Independência. Em resposta a este incremento, foram construídas após 1640 as novas muralhas de Setúbal, que incluíram novas áreas como a do Troino e Palhais.

Setúbal em 1669

Esta prosperidade foi interrompida com o terramoto de 1755, a que se associaram a fúria do mar e do fogo. Foram grandemente afectadas as freguesias de São Julião e Anunciada.

Apenas no Século XIX, Setúbal conheceu o incremento que perdera. Em 1860 chegou o caminho-de-ferro, iniciaram-se também as obras de aterro sobre o rio e a construção da Avenida Luísa Todi. É neste século que teve início a laboração das primeiras fábricas de conservas de sardinha em azeite e, em paralelo, ganharam fama as laranjas e o moscatel de Setúbal. Ainda em 19 de Abril de 1860 foi elevada a cidade por D. Pedro V.

O florescimento de Setúbal durante o século XX, reflecte-se na criação de novos espaços urbanísticos: crescimento da Avenida Luísa Todi, parte da Avenida dos Combatentes e criação dos Bairros Salgado, Monarquina, de São Nicolau, da Conceição, Carmona, do Liceu e Montalvão e no desenvolvimento das indústrias das conservas, dos adubos, dos cimentos, da pasta de papel, naval e metalomecânica pesada.

Setúbal foi elevada, em 1926, a sede de distrito e, em 1975, a sede de diocese.

Economia[editar | editar código-fonte]

De acordo com os censos de 2011, o município de Setúbal tinha uma População em idade ativa de 58,514 pessoas, entre as quais 15.6% estavam desempregadas. Entre aquelas que tinham emprego, 1.6% trabalhavam no Setor primário, 24.9% no Setor secundário e 73.5% no Setor terciário.[7] Setúbal é destacável pelas indústrias de celulose, papel, cimento, fertilizantes, pesticidas, outros produtos fitofarmacêuticos, energia termoeléctrica, construção naval e reparação naval. O Porto de Setúbal movimentou 7,008 milhões de toneladas em 2013 [8] , um crescimento de 950 milhões de toneladas face a 2012. Em 2012, em termos de carga movimentada, o Porto de Setúbal situou-se em 4º lugar entre os portos de Portugal, com 7.4% da carga movimentada no país.[9] [10]

Geografia[editar | editar código-fonte]

Demografia[editar | editar código-fonte]

População do município de Setúbal (1801 – 2011)
1801 1849 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2011
15 442 15 060 35 990 50 456 56 344 98 366 103 634 113 934 121 185

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Mapa das freguesias do concelho de Setúbal.

Património[editar | editar código-fonte]

Forte de São Filipe
Igreja de São Julião
Fábrica romana de salga
Fórum Municipal Luísa Todi

Património militar[editar | editar código-fonte]

Património religioso[editar | editar código-fonte]

Património arqueológico[editar | editar código-fonte]

  • Estação arqueológica do Creiro, na Arrábida
  • Estação arqueológica do Pedrão, na Serra de São Luís
  • Fábrica romana de Salga
  • Via romana do Viso

Outro património[editar | editar código-fonte]

Cultura[editar | editar código-fonte]

Em Setúbal nasceram alguns dos grandes nomes do campo artístico português, como a cantora lírica Luísa Todi e um dos poetas mais aclamados de Portugal Bocage.

Museus[editar | editar código-fonte]

Instituições[editar | editar código-fonte]

  • Sociedade Musical Capricho Setubalense, fundada em 22 de Novembro de 1867.
  • AHBVS-Associação Humanitária Bombeiros Voluntários de Setúbal, fundada 19 Outubro 1883.
  • AMBA - Associação de Moradores do Bairro da Anunciada, fundada em 13 de Março de 1980.
  • Sociedade Filarmónica Perpétua Azeitonense.
  • Sociedade Filarmónica Providência.
  • Sociedade Musical de Brejos de Azeitão.
  • Centro de Estudo Bocageanos (CEB), fundado em 1999.
  • Liga dos Amigos de Setúbal e Azeitão (LASA), fundada em 1955
  • Ateneu Setubalense, fundado a 19 de Maio de 1914
  • Círculo Cultural de Setúbal - Fundado em 1969
  • Grupo Autónomo Experimental " Sobe e Desce " - Fundado em 1974
  • Coral Luisa Todi, desde 25 de Outubro de 1961
  • Cruz Vermelha Portuguesa, Delegação Local de Setúbal.
  • ANDE - Igreja Cristã
  • Associação de Solidariedade Social da Freguesia de Gâmbia-Pontes-Alto da Guerra
  • Caritas

Meios de Comunicação[editar | editar código-fonte]

Jornais[editar | editar código-fonte]

Jornal de Sesimbra

  • Correio de Setúbal
  • Jornal de Azeitão
  • Jornal da Região (Setúbal-Palmela)
  • Jornal de Setúbal
  • O Setubalense
  • Sem Mais Jornal

Jornais electrónicos[editar | editar código-fonte]

  • O Bocagiano
  • Distrito Online
  • Setúbal na Rede

Rádios locais[editar | editar código-fonte]

- Radiodifusão em FM:

Sesimbra FM - 103.9 Mhz

  • Rádio Azul - 98.9 MHz
  • Rádio Amália Setúbal - 100.6 MHz
  • Rádio Jornal de Setúbal - 88.6 MHz
  • Rádio TV Nacional

Televisão Online[editar | editar código-fonte]

  • SetúbalTV
  • Rádio TV Nacional

Gastronomia[editar | editar código-fonte]

Amêijoas à Bulhão Pato

Devido ao envolvimento histórico com o estuário do rio Sado e à proximidade dos portos de Setúbal e de Sesimbra ao oceano Atlântico, a gastronomia da região de Setúbal faz um forte aproveitamento de pratos à base de peixe e de produtos que se desenvolvem favoravelmente no clima da região. Aliás, foi a proximidade da sua fonte de peixe um importante motor económico, nomeadamente na indústria conserveira na cidade de Setúbal, mas que no entretanto definhou a partir de meados da década de 1970 até à sua total deslocalização para outros locais do país. Apesar de a maior parte da gastronomia local assentar em pratos de peixe, a migração de população das regiões do Alentejo e Algarve trouxe alterações à gastronomia com a introdução de novos pratos de carnes e aves, e de açordas que se adaptaram a mariscos e peixes. Fazem ainda parte do repertório gastronómico da cidade bebidas espirituosas (vinho moscatel e licores), queijos, frutos e doçaria tradicional típica da região.

A cidade de Setúbal é reconhecida pela gastronomia baseada em pratos de peixe assado, cozido ou grelhado. É muito comum encontrar restaurantes da região que servem sardinhas assadas, normalmente servidas com acompanhamento de batata cozida e salada de alface temperada com azeite e vinagre. Também é possível encontrar pratos de peixe grelhado ou cozido, como por exemplo salmonete grelhado temperado com molho feito do fígado do peixe. Grande parte dos restaurantes desta zona têm como especialidade da casa Choco frito, que é choco, envolto em pão ralado e ovo que é depois frito e servido acompanhado com batatas fritas e salada sendo um dos pratos mais procurados pelos visitantes da cidade sadina.

Outros pratos à base de produtos do mar incluem: feijoadas e saladas à base de choco e polvo; pratos à base de marisco do rio Sado (santola, sapateira, navalheira); pratos à base de moluscos (amêijoas "à Bulhão Pato", ostras, lamejinhas, berbigão, navalhas, vieiras, caracóis do mar); caldeiradas de peixe ou de marisco, feitas agora com maior frequência em cataplanas (uma herança da cultura árabe); e também massas de cherne ou outros peixes.

A produção vinícola da região de Setúbal deu origem a produtos reconhecidos internacionalmente, com uma variedade de vinhos tintos e brancos de qualidade, obtidos a partir de uvas maturadas nas encostas da Serra da Arrábida. Entre estes produtos deve destacar-se o Moscatel de Setúbal, um renomeado vinho licoroso de origem demarcada centrada em Azeitão. O licor Arrabidine, menos conhecido do público, era originalmente produzido pelos frades que habitavam o Convento de Nossa Senhora da Arrábida, mas mais recentemente é produzido por uma família da freguesia da Quinta do Anjo. Na produção deste licor, cuja confecção, iniciada no século XIX, está envolta em secretismo, sabe-se que são usados frutos silvestres colhidos durante o mês de Dezembro na Serra da Arrábida bem como outros ingredientes únicos da região. O licor Arrabidine é engarrafado e necessita de estagiar cerca de 15 anos antes de ser consumido.

Do repertório da doçaria tradicional da região de Setúbal fazem parte as queijadas, as tortas, e os "esses de Azeitão" — biscoitos com a forma da letra "S", feitos com farinha, açúcar, margarina, ovos e canela. De Setúbal destacam-se também os barquilhos de "casca" de laranja, confeccionados a partir de laranjas produzidas na região. Por fim, salienta-se a produção de queijos como uma das significativas actividades artesanais e económicas desta região da Costa Azul.

Lazer[editar | editar código-fonte]

Uma forma de lazer pode-se fazer no parque de Vanicelos e no parque da Algodeia com máquinas de exercício instaladas para todos os que quiserem usar. Também existem alguns campos de futebol e atualmente de basquete em Vanicelos.

Praia de Albarquel

Praias[editar | editar código-fonte]

Uma das fortes atracções que Setúbal tem para oferecer a quem a visita, são as suas praias.

Setúbal possui um conjunto de praias bastante diferentes entre si, mas com uma característica em comum: estão todas inseridas no Parque Natural da Arrábida, com excepção de Tróia, do outro lado do Sado, o que as tornas únicas.

As praias que se destacam são:

  • Albarquel
  • Figueirinha
  • Galapos
  • Galapinhos
  • Coelhos
  • Monte Branco
  • Creiro
  • Portinho da Arrábida
  • Alpertuche
  • Praia da Saúde (que nascerá na actual zona dos estaleiros navais de Setúbal, após o desmantelamento dos mesmos)

De igual beleza, mas mais pequenas, a Praia da Maria Esguelha e a Praia da Rainha, ambas localizadas junto à Praia de Albarquel.

Parques e jardins[editar | editar código-fonte]

Jardim do Bonfim.
  • Jardim do Bonfim
  • Parque Verde da Algodeia
  • Parque Urbano de Albarquel
  • Parque de Vanicelos
  • Jardim de Vanicelos / Jardim da Musica
  • Bosquete de Vanicelos
  • Jardim Engenheiro Luís da Fonseca
  • Parque de Lazer de São Gabriel
  • Parque Dr. Manuel Constantino Goes, Lanchoa
  • Jardim Camilo Castelo Branco, Escarpas de São Nicolau
  • Parque do Monte Belo
  • Parque Verde da Bela Vista
  • Jardim General Luís Domingos, Quebedo e Palhais
  • Jardim Afonso Costa
  • Jardim Praça da República / Azeitão
  • Azeitão Bacalhoa Parque
  • Parque Urbano de Sant´Iago
  • Bosque do Centenário / Vale de Cobro
  • Parque Ambiental do Alhambre
  • Espaço Envolvente à Pedra Furada
  • Jardins da Luisa Tody

Heráldica[editar | editar código-fonte]

Brasão de Setúbal.

Os elementos heráldicos que compõem o brasão da cidade de Setúbal, em uso desde 1922, são o escudo, repartido de azul e ouro, e a coroa mural, de prata de cinco torres.

Sobre o campo azul espelha-se um castelo de prata, encimado por duas cruzes, a púrpura, da Ordem de Santiago, em campo de ouro. Entre as cruzes, também em púrpura, está uma vieira. O castelo está sobre ondas aguadas de verde e prata onde vogam duas barcas afrontadas, de mastreação singular e velame amarrado, ladeando a porta do castelo. Deslocando-se sobre o mar ondeado, três peixes de prata afrontados. Listel branco com a legenda “Cidade de Setúbal”, a negro. Todos os elementos composicionais descritos estão limitados a negro.

Setubalenses[editar | editar código-fonte]

António Maria Eusébio

Organização política e administrativa[editar | editar código-fonte]

Presidência da Câmara: Maria das Dores Meira - PCP

Vereadores[editar | editar código-fonte]

  • André Martins - PEV
  • Carlos Rabaçal - PCP
  • Manuel Pisco - PCP
  • Carla Guerreiro - PCP
  • Jorge Santana - Independente PSD
  • Fátima Lopes - PS
  • José Luis Barão - PS
  • Fernando José - PS

Feriado Municipal[editar | editar código-fonte]

Manuel Maria Bocage

Relações Externas[editar | editar código-fonte]

Setúbal encontra-se irmanada com[11] :

Setúbal tem protocolos internacionais de cooperação com:

Localidades na vizinhança[editar | editar código-fonte]

O diagrama seguinte representa as localidades num raio de 35 km ao redor de Setúbal.

Localidades na vizinhança
SetúbalSetúbal
Localidade com 5800 habitantes (2001). Sesimbra (21 km)
Localidade com 16 100 habitantes (2001). Palmela (6 km)
Localidade com 20 993 habitantes (2001). Pinhal Novo (12 km)
Localidade com 26 500 habitantes (2001). Montijo (21 km)
Localidade com 16 700 habitantes (2001). Moita (17 km)
Localidade com 40 859 habitantes (2001). Barreiro (22 km)
Localidade com 31 100 habitantes (2001). Seixal (23 km)
Localidade com 101 500 habitantes (2001). Almada (29 km)
Localidade com 489 563 habitantes (2008). Lisboa (35 km)
Localidade com 5 457 habitantes (2001). Praias do Sado (4 km)
Localidade com 13 354 habitantes (2001). Alcácer do Sal (35 km)
Localidade com 3 586 habitantes (2001). Marateca (18 km)


Referências

  1. http://censos.ine.pt
  2. http://www.ine.pt/scripts/flex_definitivos/Main.html
  3. Flávio Josefo. História dos Hebreus, capítulo 6 número 30. Visitado em 23-08-2010.
  4. Frei Bernardo de Brito. Monarchia Lusitana Tomo I. [S.l.: s.n.], 1597. 28 pp.
  5. Monarchia Lusitana Tomo I Cervantes Virtual. Visitado em 23-08-2010.
  6. Cf. Portugaliae Monumenta Historica, Leges et Consuetudines, Lisboa, Academia das Ciências de Lisboa, 1856, vol I, p. 634 (consultar o texto)
  7. Municípios - Emprego e Mercado de Trabalho PORDATA Base de Dados Portugal Contemporâneo. Visitado em 1 Fevereiro 2014.
  8. 2013-Estatísticas Porto de Setúbal - APSS, SA. Visitado em 1 Fevereiro 2014.
  9. 2012-Estatísticas Porto de Setúbal - APSS, SA. Visitado em 1 Fevereiro 2014.
  10. INE: Porto de Lisboa perdeu 30% do movimento de mercadorias Diário Económico. Visitado em 1 Fevereiro 2014.
  11. Câmara Municipal de Setúbal, «Geminações», Página visitada em 31 de Março de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

. Rodrigues, Joseph, Avenida Luisa Todi, do rio à cidade (dissertação Mestrado em Museologia e Museografia), Lisboa, Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Setúbal
Concelhos do Distrito de Setúbal Mapa do distrito de Setúbal
Alcácer do Sal
Alcochete
Almada
Barreiro
Grândola
Moita
Montijo
Palmela
Santiago do Cacém
Seixal
Sesimbra
Setúbal
Sines
Alcácer do Sal
Alcochete
Almada
Barreiro
Grândola
Moita
Montijo
Palmela
Santiago do Cacém
Seixal
Sesimbra
Setúbal
Sines
Concelhos Portugueses com mais de 100 mil habitantes
Bandeira de Portugal

Lisboa | Sintra | Vila Nova de Gaia | Porto | Cascais | Loures | Braga | Matosinhos | Amadora | Almada | Oeiras | Gondomar | Seixal | Guimarães | Odivelas | Coimbra
Santa Maria da Feira | Vila Franca de Xira | Maia | Vila Nova de Famalicão | Leiria | Setúbal | Barcelos | Funchal

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Setúbal