Mosteiro dos Jerónimos

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Mosteiro dos Jerónimos
Mosteiro de Santa Maria de Belém
Fachada principal.
Nomes alternativos Mosteiro de Santa Maria de Belém
Tipo Mosteiro
Estilo dominante Manuelino
Arquiteto Diogo de Boitaca, João de Castilho, Jerónimo de Ruão
Início da construção 1502
Função inicial Mosteiro da Ordem de São Jerónimo
Proprietário atual Estado Português
Função atual Religiosa (igreja paroquial)
Religião Igreja Católica Romana
Diocese Patriarcado de Lisboa
Padre José Manuel dos Santos Ferreira
Bispo D. Manuel Clemente
Arcebispo D. Manuel Clemente
Website Mosteiro dos Jerónimos
Património Nacional
Classificação  Monumento Nacional
Data 1907
DGPC 70631
SIPA 6543
Património da Humanidade
Critérios C (iii) (vi)
Data 1983
Descrição en fr
Geografia
País Portugal
Cidade Lisboa
Coordenadas 38° 41' 52" N 9° 12' 24" O
Geolocalização no mapa: Lisboa
Mosteiro dos Jerónimos está localizado em: Lisboa
Mosteiro dos Jerónimos

Mosteiro dos Jerónimos ou Mosteiro de Santa Maria de Belém é um mosteiro português do século XVI. Situa-se em Belém, Lisboa, perto do estuário do Rio Tejo.

Ponto culminante da arquitectura manuelina, este Mosteiro é o mais notável conjunto monástico português do seu tempo e uma das principais igrejas-salão da Europa, estando classificado como Monumento Nacional desde 1907 e como património mundial da UNESCO desde 1983. Em 7 de Julho de 2007 foi eleito como uma das sete maravilhas de Portugal.

Estreitamente ligado à casa Real Portuguesa e à epopeia dos Descobrimentos, o Mosteiro dos Jerónimos foi, desde muito cedo, "interiorizado como um dos símbolos da nação"[1] . É hoje uma das mais importantes atrações turísticas da capital, contando 644 729 visitantes em 2010 (dos quais 92,2% estrangeiros) e 722 000 em 2013[2] [3] .

História[editar | editar código-fonte]

Imagem antiga do Mosteiro dos Jerónimos

Em 1496, antes da descoberta do caminho marítimo para a Índia por Vasco da Gama, D. Manuel I fez um pedido à Santa Sé para que lhe fosse concedida autorização para se erigir um grande mosteiro no lugar da velha ermida da Ordem de Cristo à entrada de Lisboa, junto às margens do Tejo. Os trabalhos de construção tiveram início a 6 de Janeiro de 1501 ou 1502 (desconhece-se o ano exato), depois de terminada a viagem de Vasco da Gama, e puderam ser custeados pelo rei com verbas provenientes do comércio com o Oriente. Em 1518 D. Manuel decidiu, em testamento, transformá-lo no seu próprio panteão, amplificando "o caráter excecional da monarquia e da linhagem que com ele nascera, como ramo da dinastia de Avis. Mas quis distingui-la através de uma obra sumptuosa, que estivesse de acordo com os princípios da propaganda régia e da glorificação de um reino, que se confundia com a sua pessoa".[4]

O edifício foi construído em calcário (lioz) extraído de pedreiras não muito distantes do local de implantação. A grandiosidade do empreendimento e a riqueza da execução prolongaram as obras por uma centena de anos, em sucessivas empreitadas de construção que tiveram como mestres responsáveis Diogo de Boitaca, João de Castilho, Diogo de Torralva e, por último, Jerónimo de Ruão. Apontado como o ponto culminante da arquitetura manuelina, o Mosteiro dos Jerónimos integra elementos arquitetónicos do gótico final e do renascimento, associando-lhes uma simbologia régia, cristológica e naturalista, que a torna única.[1]

Para ocupar o Mosteiro foram escolhidos os monges da Ordem de São Jerónimo (daí a designação Mosteiro dos Jerónimos), comunidade religiosa que habitou nestes espaços até à extinção das ordens religiosas ocorrida no século XIX (1834). O Mosteiro foi então entregue à Real Casa Pia de Lisboa (instituição destinada ao acolhimento e educação de órfãos e à recuperação de mendigos e desfavorecidos e que ocuparia os espaços do claustro até 1940); a Igreja passou a servir de Igreja Paroquial da Freguesia de Santa Maria de Belém. Em todo este processo perdeu-se grande parte do valioso recheio do mosteiro.[1] [5]

Cronologia da edificação[editar | editar código-fonte]

Planta do Mosteiro, c. 1880 (Haupt)

No reinado de D. Manuel I podem considerar-se duas grandes empreitadas de construção do mosteiro: a primeira foi dirigida por Diogo de Boitaca, que definiu a traça do mosteiro e da igreja, revendo provavelmente a sua escala em 1513 quando o rei adquiriu mais terrenos para o edifício, o que revela uma intenção de engrandecimento da obra; a segunda desenrola-se a partir de 2 de Janeiro de 1517, já sob a coordenação geral de João de Castilho. "O virtuosismo de Castilho na administração de subempreitadas é a chave para o sucesso da intervenção que põe em campo e em simultâneo nada mais, nada menos do que duzentos e cinquenta trabalhadores". Sob a sua coordenação são desdobradas as empreitadas em sete áreas diferentes: portal sul; portal axial; sala do capítulo; sacristia; claustro; refeitório; capelas do coro.[4]

É desenvolvido esforço no trabalho com o remate do piso térreo do claustro e início da construção do segundo piso (do que irá resultar o primeiro claustro abobadado de dois pisos) bem como a execução dos portais (sul e axial), sacristia, refeitório, parte das paredes e portal da sala do capítulo. É realizada a cobertura das naves e do cruzeiro da igreja através de novas e arrojadas soluções técnicas que permitiram conceber um espaço unificado sem precedentes, a primeira grande igreja salão portuguesa. Com Castilho assiste-se também a uma alteração a nível da ornamentação arquitetónica, inicialmente marcada pelo gótico tardio e que irá abrir-se aos ares do classicismo «ao romano» através do plateresco espanhol.[4] [6]

Em 1530 João de Castilho abandona as obras no Mosteiro dos Jerónimos. Dez anos mais tarde entra em funções Diogo de Torralva (até 1551), que irá realizar diversas obras de remate das construções anteriores. É ainda construída uma nova portaria (substituída no séc. XVII), projetado o cadeiral do Coro-alto e alterada a capela-mor de modo a receber os restos mortais de D. Manuel I. Mas será Jerónimo de Ruão a assumir a conclusão do edifício, ocupando o cargo de mestre-de-obras do Mosteiro de 1563 até à data da sua morte em 1601. A ele se deve a nova capela-mor, de cariz maneirista, que vai contrastar com o resto do edifício.[6]

A planta original obedeceu ao esquema típico de uma casa monástica, incluindo a igreja, claustro e dependências anexas. O que ainda hoje podemos encontrar em Belém preserva os aspetos essenciais da traça inicial, senscentista, mas é de igual modo repositório das inúmeras alterações e acrescentos realizados em séculos posteriores, de que deverá destacar-se a remodelação realizada no século XIX e que incluiu a construção do longo edifício, neomanuelino, a poente do mosteiro, onde estão sediados o Museu Nacional de Arqueologia e parte do Museu de Marinha.

Igreja[editar | editar código-fonte]

Planta da Igreja, c. 1880 (Haupt)

A Igreja apresenta uma planta em cruz latina, composta por três naves à mesma altura (igreja salão), coberta por uma extensa abóbada polinervada suportada por seis pilares. A abóbada do cruzeiro cobre, sem apoios intermédios, uma largura de 30 metros, representando "a realização mais acabada da ambição tardo medieval de cobrir o maior vão possível com o mínimo de suportes" (Kubler). A profusão de ornatos atinge o seu auge neste vasto espaço.[7]

Na capela à esquerda do transepto está sepultado o Cardeal-Rei D. Henrique e os dos filhos de D. Manuel I; na que se situa à direita encontra-se o túmulo de D. Sebastião e dos descendentes de D. João III[7] . A igreja acolhe ainda, entre outros, os túmulos de Vasco da Gama e Luís Vaz de Camões, da autoria de Costa Mota, tio.

A capela-mor inicial, de Boitaca, foi demolida e substituída por outra, mandada construir em 1571 por D. Catarina, mulher de D. João III. Foi traçada por Jerónimo de Ruão, que aqui introduziu o estilo maneirista, estabelecendo um forte contraste com o corpo manuelino da Igreja. Nas arcadas abertas entre os pares de colunas laterais estão situados os túmulos de D. Manuel I e de sua mulher, D. Maria, de D. João III e D. Catarina. No altar-mor encontra-se um retábulo do pintor Lourenço de Salzedo com cenas da Paixão de Cristo e a Adoração dos Magos.[8]

Coro-alto / Sacristia[editar | editar código-fonte]

Anterior a 1551, o Coro-alto destinou-se, entre outras, às atividades fundamentais dos monges da Ordem de São Jerónimo (orações, cânticos e ofícios religiosos), visto a Sala do Capítulo ter permanecido inacabada até ao século XIX. O cadeiral monástico que ocupa o espaço a poente, foi projetado por Diogo de Torralva e executado por Diogo de Çarça entre 1548 e 1550. Sobre a balaustrada ergue-se um Cristo Crucificado (1550) do escultor Philippe de Vries/Filipe Brias. O conjunto de pinturas representando os apóstolos é de autor desconhecido.[9]

Anexa à igreja destaque-se a ampla sala da sacristia, cuja abóbada irradia de uma coluna central. Concebida por João de Castilho, a sua construção data de 1517-1520. O mobiliário inclui um arcaz de madeira do século XVI, presumivelmente da traça de Jerónimo de Ruão, onde se conservam paramentos e alfaias litúrgicas. Sobre o espaldar dispõem-se catorze pinturas a óleo representando cenas da vida de S. Jerónimo (atribuídas ao pintor maneirista Simão Rodrigues; executadas c. 1600-1610).[10]

Portais[editar | editar código-fonte]

No Mosteiro dos Jerónimos devem destacar-se, pelo seu valor artístico e iconográfico, os "depoimentos fundamentais" que são os seus portais, orientados a sul e a ponte (este último também é comumente denominado Portal axial, por se localizar no eixo de simetria do edifício, em frente ao Altar-mor)[4] . Os dois portais devem ser lidos em conjunto "como um díptico esculpido à glória de D. Manuel I"[11] .

Portal sul[editar | editar código-fonte]

Construído ao longo de dois anos (1517, 1518) por João de Castilho e seus oficiais, o Portal sul é uma das peças mais ricas da arquitetura portuguesa do gótico tardio. A sua estrutura atinge os 32 metros de altura e mais de 12 de largura, apresentando-se como uma verdadeira «porta da cristandade» de características triunfais. A autoria não pode ser atribuída a um único artista. João de Castilho foi responsável pela conceção global e teve ao seu serviço uma numerosa equipa que chegou a contar 200 executantes (imaginadores, pedreiros, aparelhadores, decoradores, etc.), com maior ou menor responsabilidade na definição final da obra. Entre os nomes mais destacados assinalem-se Diogo de Castilho, André Pilarte, Juan de la Faya ou Machim.[11]

Dos dois, este é o portal mais complexo do ponto de vista iconográfico, contando com um total de quarenta figuras, trinta e oito alusivas à História Sagrada, uma à História de Portugal, além das armas nacionais, no baixo-relevo central da parte superior do tímpano. Na base do portal dispõem-se os doze apóstolos; nos botaréus, os que vaticinaram o nascimento de Cristo (sibilas e profetas); ao centro, a Virgem com o Menino; a coroar o conjunto, quatro Padres ou Doutores da Igreja e, no topo, São Miguel, o Anjo Custódio do Reino. Mais abaixo, em posição central entre as duas portas de entrada, a estátua do fundador, Infante D. Henrique, antepassado de sangue do rei D. Manuel (laço de parentesco entre D. Manuel e a Casa de Avis). Nos tímpanos figuram duas cenas da vida de S. Jerónimo.[4] [11]

Portal poente / axial[editar | editar código-fonte]

Embora de menor escala do que o Portal Sul, esta é a porta principal do Mosteiro dos Jerónimos, ocupando a posição fronteira ao altar-mor. Deve ter sido projetada inicialmente por Diogo de Boitaca e, depois, por João de Castilho, como pode depreender-se do cariz gótico de feição hispano-flamenga dos elementos arquiteturais. Foi executada por Nicolau Chanterene e sua companhia, tendo a mão do mestre francês ditado uma significativa inflexão estilística, com a introdução de motivos classicizantes renascentistas.[11]

A zona superior do portal é ocupada por três nichos com cenas do nascimento de Cristo: Anunciação, Natividade e Adoração dos Magos. Nas zonas laterais destacam-se, entre representações de santos e figuras do apostolado, as estátuas orantes dos reis fundadores, com suas respetivas insígnias e seus santos patronos: do lado esquerdo D. Manuel I e São Jerónimo; do lado direito, a rainha D. Maria e São João Baptista.[12]

Claustro[editar | editar código-fonte]

Planta do Claustro, c. 1880 (Haupt)

O claustro dos Jerónimos é o primeiro no seu género em Portugal, possuindo dois andares abobadados e uma planta quadrada, de cantos cortados, formando um octógono virtual. É considerado uma obra-prima da arquitetura mundial e constitui um depoimento estético de extraordinária beleza, cuja harmonia resultou da habilidade e delicadeza dos mestres que, em três campanhas sucessivas, se dedicaram à sua construção – projetado inicialmente por Diogo de Boitaca, sofreu adaptações de João de Castilho e foi concluído por Diogo de Torralva.[4]

O claustro faz uma síntese de géneros e estilos diversos, refletindo uma interpretação eficaz dos princípios do gótico tardio, do renascimento experimental, de caráter decorativo, e do renascimento maduro ou alto renascimento. Conjugando símbolos religiosos (entre os quais elementos da Paixão de Cristo), régios (escudo régio, esfera armilar, cruz da Ordem Militar de Cristo) e elementos naturalistas (cordas e motivos vegetalistas que coabitam com um imaginário ainda medieval, de animais fantásticos), a riqueza iconográfica dos elementos decorativos é notável. São raros os edifícios europeus desse tempo com uma carga decorativa tão rica e densa de significado. "A celebração do casal régio, [...] a elevação da narrativa bíblica da Paixão de Cristo e a declamação da épica portuguesa [...] são aqui assumidos num discurso único, com diversas combinações", contribuindo para a "projeção mítica de uma missão superior a desempenhar pelo reino português".[4]

Na ala norte do claustro inferior encontra-se o túmulo de Fernando Pessoa (1985), de Lagoa Henriques. [13]

Sala do capítulo / Refeitório / Confessionários / Livraria (biblioteca)[editar | editar código-fonte]

Diretamente ligados ao claustro distribuem-se diversos espaços anexos, devendo destacar-se a sala do capítulo, o refeitório, os confessionários e a livraria (biblioteca):

  • Executada por Rodrigo de Pontezilha, a porta da Sala do Capitulo foi concluída nos anos de 1517-1518. A sala propriamente dita nunca teve, no entanto, a utilização prevista, pois a abóbada e decoração interior só começaram a ser completadas em 1886. Dois anos mais tarde foi colocado, no centro da sala, o túmulo de Alexandre Herculano (de Eduardo Augusto da Silva), que seria alterado em 1940 e de que resta a arca tumular. A Sala do Capítulo foi temporariamente utilizada como panteão de outras personalidades mais recentes da História de Portugal, que seriam depois trasladadas para o Panteão Nacional.[14]
  • O refeitório foi construído entre 1517 e 1518 pelo mestre Leonardo Vaz e seus oficiais. Com a sua abóbada polinervada e abatida, exemplifica claramente o gosto da época manuelina. Por baixo de grossos cordões de pedra, as paredes estão revestidas por um silhar de azulejos de 1780-1785.[15]
  • São doze, as portas dos antigos confessionários, embora duas estejam anuladas pela Capela do Senhor dos Passos. O confessor acedia ao confessionário através do Claustro e o penitente entrava pela Igreja, ficando separados por uma grade de ferro.[16]
  • A Livraria (ou biblioteca), foi mandada construir por volta de 1640. À data da extinção da Comunidade a biblioteca contava cerca de 8 000 volumes. No presente esta sala acolhe uma exposição documental de caráter permanente que tem por objetivo construir uma memória dos 500 anos do Mosteiro dos Jerónimos.[17]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c História – séc. XVI Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  2. Monumentos do Igespar perderam 33 mil visitantes Diário de Notícias (Portugal) Dn.pt.
  3. PJ investiga fraude no acesso a monumentos. Visitado em 30-11-2014.
  4. a b c d e f g Pereira, Paulo – Arte Portuguesa: História Essencial. Lisboa: Círculo de Leitores; Temas e Debates, 2011, p. 434-444. ISBN 978-989-644-153-1
  5. História – séc. XIX Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  6. a b Arquitectos Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  7. a b Igreja Sta. Maria Belém Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  8. Capela-mor Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  9. Coro-alto Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  10. Sacristia Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  11. a b c d Dias, Pedro – Os Portais Manuelinos no Mosteiro dos Jerónimos Coimbra: Instituto de História de Arte, Faculdade de Letras, Universidade de Coimbra, 2003.
  12. Portal Principal Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  13. Claustro Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  14. Sala do Capítulo Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  15. Refeitório Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  16. Confessionários Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
  17. Livraria Mosteiro dos Jerónimos. Visitado em 30-11-2014.
Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Mosteiro dos Jerónimos
Imagem: Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém O Mosteiro dos Jerónimos faz parte do sítio Mosteiro dos Jerónimos e Torre de Belém, Património Mundial da UNESCO. Welterbe.svg