Barreiro

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Barreiro
Brasão de Barreiro Bandeira de Barreiro
Brasão Bandeira
Localização de Barreiro
Gentílico Barreirense, Camarro'
Área 36,39 km2
População 78 764 hab. (2011)
Densidade populacional 2 164,44 hab./km2
N.º de freguesias 4
Presidente da
Câmara Municipal
Carlos Humberto Carvalho (CDU)
Mandato 2013-2017
Fundação do município
(ou foral)
1521
Região (NUTS II) Lisboa
Sub-região (NUTS III) Península de Setúbal
Distrito Setúbal
Antiga província Estremadura
Feriado municipal 28 de junho (elevação a cidade)
Código postal 2830
Sítio oficial http://www.cm-barreiro.pt/pt
Municípios de Portugal Flag of Portugal.svg
Uma rua do Barreiro

O Barreiro é uma cidade portuguesa no Distrito de Setúbal, região de Lisboa e sub-região da Península de Setúbal, com perto de 80 mil habitantes[1] , mas com uma área urbana que se estende até ao concelho vizinho da Moita, o que lhe confere uma influência de cerca de pouco mais de 100 000 residentes[carece de fontes?].

É sede de um pequeno concelho com 36,39 km² de área e 78 764 habitantes (2011.

O município é limitado a Leste pelo concelho da Moita, a Sueste por Palmela, a Sul por Sesimbra, a Oeste pelo Seixal e a Norte pelo rio Tejo e o seu estuário. Na outra margem encontra-se a cidade de Lisboa.

De salientar que a cidade do Barreiro apresenta uma posição estratégica a 6 km da Baixa Alfacinha. Banhada pelo rio Tejo e apoiada por um importante terminal rodo-ferro-fluvial. Por via terrestre ligada á cidade de Lisboa pela Ponte 25 de Abril(20 km) ou pela Ponte Vasco da Gama(35 km) – e a cerca de 35 km de Setúbal, capital de distrito, cujo acesso mais destacado é pela A2.

O Barreiro foi elevado a cidade a 28 de junho de 1984. O Presidente da Câmara Municipal é Carlos Humberto Carvalho do PCP. O feriado municipal é a 28 de Junho.

Freguesias[editar | editar código-fonte]

Este concelho é subdividido em 4 freguesias:

História[editar | editar código-fonte]

A cidade portuguesa de Barreiro teve origem numa «pobra» ou aldeia ribeirinha, repovoada após a reconquista, sob a égide dos Cavaleiros da Ordem de Santiago da Espada. A paróquia de Santa Cruz do Barreiro remonta aos séculos XIII-XIV, tendo sido comenda da Ordem de Santiago da Espada.

Os seus povoadores dedicavam-se às actividades piscatórias e da extracção do sal. Terra de pescadores e de gentes do campo levou vida obscura, se bem que tivesse sido elevada a vila em 1521. No esteiro do rio Tejo que no Barreiro entra pelo Rio Coina encontrava-se Vale de Zebro, onde outrora de erguiam fornos que fabricavam os biscoitos que abasteciam as naus que saíam de Lisboa, rumo à Índia e ao Brasil.

Nas duas margens dos esteiros funcionavam moinhos de maré que fabricavam a farinha para os biscoitos. Os celeiros, fornos e moinhos subsistiram até ao século XIX. O concelho do Barreiro, ao ser extinto o de Alhos Vedros a 24 de Outubro de 1855, passou a integrar na sua área as freguesias de Palhais e de Lavradio.

O desenvolvimento do Barreiro teve início em 1861, com a exploração das linhas férreas até Vendas Novas (57 km) e até Setúbal (13 km). A sua expansão deve-a, contudo, a partir de 1906, com a adjudicação a um grupo de industriais do Caminho-de-Ferro-Sul-e-Sueste, inicialmente entre o Barreiro e Vendas Novas. Com o surgimento deste meio de transporte, este haveria de despoletar um processo histórico, que viria a ser determinante, não só para o Concelho, como para o país. A implementação de indústrias pela Companhia União Fabril (CUF), desde 1898 dirigida pelo dinâmico e empreendedor empresário que foi Alfredo da Silva.

Desde então o Barreiro tornar-se-ia uma “moderna vila industrial e operária", transformando por completo o antigo aspecto da vila, tanto social, económica, como urbanisticamente, o Barreiro transfigurava-se. A malha urbana cresceria além dos limites do próprio concelho, até à vizinha Moita. Os vestígios deste passado são ainda hoje uma marca da cidade, através das Oficinas da CP, dos Bairros Operários, e em especial do ainda presente parque industrial-empresarial da Baia do Tejo (actual nome da antiga CUF, QUIMIGAL e Quimiparque).

O Barreiro ascendeu ao título de cidade em 28 de Junho de 1984.

Desporto[editar | editar código-fonte]

O Barreiro é tido como uma cidade desportiva, onde os espaços para os vários desportos, são consideravelmente variados. Da cidade são bastante representativos os seus maiores clubes, como o Futebol Clube Barreirense, e o Grupo Desportivo Fabril do Barreiro (antiga Quimigal e CUF), cuja história se encontra nos anais do desporto nacional nas várias modalidades que representam. Em Futebol, o Barreirense, é o clube Português com maior número de campeonatos ganhos na 2ª Divisão (7 campeonatos) e com 24 representações na primeira Divisão do Campeonato Nacional, e o Grupo Desportivo Fabril do Barreiro (CUF/QUIMIGAL/FABRIL) com 23, sendo respectivamente os clubes que se encontram em 11º e 13º no ranking de presenças de clubes, o que os torna Históricos do Futebol Nacional, de onde saíram diversos nomes de internacionais Portugueses. Também em basquetebol, o FC Barreirense é um histórico, com 2 campeonatos e 6 taças de Portugal, e com aquela que é tida como a melhor formação Nacional da modalidade, de onde na época de 2007/2008, se destacou João “Betinho” Gomes, que chegou a fazer provas para a NBA. Por falar em formação, e já na década de 2000 o FC Barreirense foi distinguido por 2 vezes com o troféu da Federação Portuguesa de Basquetebol para o melhor clube de Basquetebol de Portugal em virtude das grandes prestações em todos os escalões em que esteve envolvido. Em títulos é 3º clube com maior número de troféus conquistados em basquetebol, cifrando em mais de 2 dezenas os campeonatos conquistados (Juniores A, Juniores B, Cadetes, Iniciados) e troféus em torneios, conquistados nos últimos 10 anos.

A cidade tem boas infra-estruturas para modalidades, como o Estádio Alfredo da Silva (Fabril-1965) com uma capacidade de cerca de 25000 espectadores, e às suas infra-estruturas de raiz, que lhe permite ainda hoje ser considerado um dos melhores estádios Portugueses, inserido num complexo com mais dois campos de futebol relvados, e um Pavilhão Desportivo. O FC Barreirense, construiu recentemente um pequeno centro de formação e tem em construção um pequeno estádio dotado de modernas e confortáveis condições, que substituirá o já desaparecido Manuel de Melo.

Escolas[editar | editar código-fonte]

O Barreiro dispõe de cerca de uma dúzia de escolas primárias e básicas, para alem de cinco escolas secundárias.

  • Escola Secundária Augusto Cabrita
  • Escola Secundária de Santo André
  • Escola Secundária dos Casquilhos
  • Escola Secundária Alfredo da Silva
  • Escola Básica 2,3 com secundário de Santo António.
  • Escola Básica dos 2,3 ciclos de Álvaro Velho (uma das mais antigas).

População[editar | editar código-fonte]

População do concelho do Barreiro (1801 – 2011)
Ano 1801 1849 1900 1930 1960 1981 1991 2001 2011
Pop. 2 425 3 384 7 738 21 030 35 088 88 052 85 768 79 012 78 764
Evolução da população no concelho do Barreiro

O concelho do Barreiro divide-se pelas seguintes freguesias:

Barreirenses Ilustres[editar | editar código-fonte]

Geminações[editar | editar código-fonte]

O concelho do Barrreiro é geminado com as seguintes cidades:[2]

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Barreiro

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Concelhos do Distrito de Setúbal Mapa do distrito de Setúbal
Alcácer do Sal
Alcochete
Almada
Barreiro
Grândola
Moita
Montijo
Palmela
Santiago do Cacém
Seixal
Sesimbra
Setúbal
Sines
Alcácer do Sal
Alcochete
Almada
Barreiro
Grândola
Moita
Montijo
Palmela
Santiago do Cacém
Seixal
Sesimbra
Setúbal
Sines