Henrique Galvão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Henrique Carlos da Mata Galvão GOCGCL (Barreiro, Barreiro, 4 de fevereiro de 1895São Paulo, 25 de junho de 1970) foi um capitão do exército, inspetor da administração colonial portuguesa e escritor português. Ficou mundialmente famoso, em 1961, por ter organizado e comandado o assalto ao paquete Santa Maria, numa tentativa de provocar uma crise política contra o regime de Salazar.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Henrique Galvão desde cedo seguiu a carreira militar. Foi um dos apoiantes de Sidónio Pais. Foi administrador do concelho de Montemor-o-Novo. Participou na revolução de 28 de maio de 1926 e foi um ferveroso salazarista.

Foi Comissário Geral da Exposição Colonial Portuguesa, realizada no Porto, em 1934. Nesse mesmo ano foi nomeado como primeiro director da Emissora Nacional e, a 1 de agosto, agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Cristo.[1] Mais tarde, esteve em África, onde organizou acções de propaganda. Foi governador de Huíla. Angola inspirou-lhe a veia literária, tendo escrito uma série de livros brilhantes sobre a vida nas colónias africanas, a sua antropologia e zoologia.

No início da década de 50, Henrique Galvão desiludiu-se com o regime de Salazar e começou a conspirar com outros militares, mas acabou por ser descoberto, preso e expulso do exército. Em 1959, aproveitando uma ida ao Hospital de Santa Maria, fugiu e refugiou-se na embaixada da Argentina, tendo conseguido exílio político na Venezuela. Henrique Galvão era, com Humberto Delgado, uma figura extremamente popular nos meios oposicionistas não afectos ao Partido Comunista Português. Para o Partido Comunista, Portugal ainda não estava pronto para a revolução, enquanto Galvão achava que não havia tempo a perder. Foi durante o exílio que começou a preparar aquela que seria a sua acção mais espectacular: o desvio do paquete português Santa Maria, cheio de passageiros, a que deu o nome de "Operação Dulcineia". Coordenou esta acção com Humberto Delgado, que estava exilado no Brasil.

O Santa Maria[editar | editar código-fonte]

O navio escolhido foi o paquete "Santa Maria", que tinha largado em 9 de janeiro de 1961 para uma viagem regular até Miami. Galvão embarcou clandestinamente no navio, em Curaçao, Antilhas Holandesas. A bordo já se encontravam os 20 elementos da Direcção Revolucionária Ibérica de Libertação, grupo que assumiria a responsabilidade pelo assalto. O navio levava cerca de 612 passageiros, muitos norte-americanos, e 350 tripulantes. A operação começou na madrugada de 22 de janeiro, com a ocupação da ponte de comando. Um dos oficiais de bordo ofereceu resistência e foi morto a tiro; os restantes renderam-se. O paquete mudou de rumo e partiu em direcção a África. Henrique Galvão queria dirigir-se à ilha espanhola de Fernando Pó, no golfo da Guiné, e a partir daí atacar Luanda, que seria o ponto de partida para o derrube dos governos de Lisboa e Madrid. Um plano megalómano e quixotesco, condenado ao fracasso, mas que chamaria as atenções internacionais para a ditadura salazarista.

As coisas começaram a complicar-se quando o navio foi avistado por um cargueiro dinamarquês, que avisou a guarda costeira americana. Daí até à chegada dos navios de guerra foi um ápice. Vendo que tudo estava perdido, Henrique Galvão decidiu rumar ao Recife e render-se às autoridades brasileiras, pedindo asilo político, que foi aceite.

A morte[editar | editar código-fonte]

Henrique Galvão, morreu em São Paulo, em 25 de junho de 1970, com a doença de Alzheimer.

A 7 de novembro de 1991 foi agraciado a título póstumo com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade[2] .

Algumas obras[editar | editar código-fonte]

  • O poeta Lopes Vieira em Africa e o seu Relatorio, Edição do autor, 1932, 30 p.
  • No rumo do Império. Ilustrações de Carlos Carneiro. Porto, Litografia Nacional, 1934, 27 p.
  • Terras do Feitiço (contos africanos), 1934
  • O vélo d'oiro: romance colonial (co-escrito com Eduardo Malta), ediç. Francisco Franco, 1936, 272 p.
  • O sol dos trópicos: (romance colonial), Henrique Galvão, 1936, 322 p.
  • Da vida e da morte dos bichos: subsídios para o estudo da fauna de Angola e notas de caça. Com Teodósio Cabral e Abel Pratas. 5 vols., Lisboa, Livraria Popular de Francisco Franco (original de 1936).
Vol. I - Elefantes e Rinocerontes
Vol. II - O Hipopótamo, A Girafa, O Crocodilo, Os Javalis
Vol. III - O Leão
Vol. IV - Búfalos, Gorila, Leopardos, Antílopes, etc.
Vol. V - Narrativas de Caça Grossa em África
  • O Império. Lisboa, Secretariado de Propaganda Nacional. 1938, 54 + [1] p., 20 cm.* O Império na Literatura Portuguesa.
  • Kurika: romance dos bichos do mato (original de 1944). 28.ª ed., Lisboa, Livaria Popular de Francisco Franco, 1986, 216 p.,il., 21 cm.
  • Impala: romance dos bichos do mato (original de 1946). 3.ª ed, Lisboa, Livaria Popular de Francisco Franco, 1975, 206 p., il., 18 cm.
  • Antropófagos. Porto, Jornal de Notícias, 1947, 330 p.
2.ª ed., Lisboa, Livraria Popular Francisco Franco, 1974, 269 + [3] p., 21 cm.
  • Vagô: romance dos bichos do mato (também chamadoO homem e o tigre: vagô; original de 1966?). Lisboa, Livaria Popular de Francisco Franco, 1974, 264 p. il., 17 cm.
  • Por Angola: quatro anos de actividade parlamentar. Edição do autor, 367 p.
  • Ronda de África: Outras terras, outras gentes. Viagens em Moçambique. 2 vols., Porto, Jornal de Notícias (original de 1948?).
  • Comédia da Morte e da Vida: Uma peça em três actos. Seguida de duas peças em um acto: «A Mulher e o Demónio» e «Um caso raro de loucura». Lisboa, Empresa Nacional de Publicidade, 1950.
  • Império ultramarino português: monografia do império. Com Carlos Selvagem. 4 vols., Lisboa, Empresa Nacional de Publicidade
Vol. I (1950): Introdução; Cabo Verde; Guiné
Vol. II (1951): Guiné (continuação); S. Tomé e Príncipe
Vol. III (1952): Angola
Vol. IV (1953): Moçambique; Índia; Macau; Timor.
  • Pele. Lisboa, Sociedade Gráfica Nacional, 1956, 369 + [6] p., 21 cm.
  • Diário de Peniche. Lisboa, Livraria Popular de Francisco Franco, 1974 ou 1975, 123 + [4] p., 21 cm.
  • Grades serradas (original de 1959). Lisboa, Livraria Popular de Francisco Franco, 1974, 108 + [3] p., 21 cm.
  • O assalto ao Santa Maria. Lisboa, Delfos, 1974, 324 p.
  • Carta aberta ao dr. Salazar. Lisboa, Arcádia, 1975.
Sumário:
Carta aberta ao Dr. Salazar.
Férias... sem Salazar: carta aberta à escritora Christine Garnier autora de "Vacances avec Salazar".
  • Crónica de horas vazias. Lisboa, Livraria Popular de Francisco Franco, 1975, 164 p., 22 cm.
Contém uma carta do autor a Marcello Caetano, então Ministro das Colónias.
  • Da minha luta contra o salazarismo e o comunismo em Portugal. São Paulo, 1965.
2.ª ed., Lisboa, Arcádia, 1976, 297 + [6] p., 21 cm.
  • Depoimento torpedeado, Portugal, a ONU, o salazarismo e a situação na África Portuguesa. São Paulo, Frente Antitotalitária dos Portugueses Livres Exilados, 1962, 151 p., 19 cm.

Fontes[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Henrique Galvão, na página do Grão-Mestre das Ordens Honoríficas Portuguesas.
  2. Henrique Galvão, na página do Grão-Mestre das Ordens Honoríficas Portuguesas.
  3. .Henrique Galvão no catálogo PORBASE.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.