Henrique Galvão

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Henrique Carlos da Mata Galvão GOCGCL (Barreiro, Barreiro, 4 de fevereiro de 1895São Paulo, 25 de junho de 1970) foi um capitão do exército, inspetor da administração colonial portuguesa e escritor português. Ficou mundialmente famoso, em 1961, por ter organizado e comandado o assalto ao paquete Santa Maria, numa tentativa de provocar uma crise política contra o regime de Salazar.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Henrique Galvão desde cedo seguiu a carreira militar. Foi um dos apoiantes de Sidónio Pais. Foi administrador do concelho de Montemor-o-Novo. Participou na revolução de 28 de maio de 1926 e foi um ferveroso salazarista.

Foi Comissário Geral da Exposição Colonial Portuguesa, realizada no Porto, em 1934. Nesse mesmo ano foi nomeado como primeiro director da Emissora Nacional e, a 1 de agosto, agraciado com o grau de Grande-Oficial da Ordem Militar de Cristo.[1] Mais tarde, esteve em África, onde organizou acções de propaganda. Foi governador de Huíla. Angola inspirou-lhe a veia literária, tendo escrito uma série de livros brilhantes sobre a vida nas colónias africanas, a sua antropologia e zoologia.

No início da década de 50, Henrique Galvão desiludiu-se com o regime de Salazar e começou a conspirar com outros militares, mas acabou por ser descoberto, preso e expulso do exército. Em 1959, aproveitando uma ida ao Hospital de Santa Maria, fugiu e refugiou-se na embaixada da Argentina, tendo conseguido exílio político na Venezuela. Henrique Galvão era, com Humberto Delgado, uma figura extremamente popular nos meios oposicionistas não afectos ao Partido Comunista Português. Para o Partido Comunista, Portugal ainda não estava pronto para a revolução, enquanto Galvão achava que não havia tempo a perder. Foi durante o exílio que começou a preparar aquela que seria a sua acção mais espectacular: o desvio do paquete português Santa Maria, cheio de passageiros, a que deu o nome de "Operação Dulcineia". Coordenou esta acção com Humberto Delgado, que estava exilado no Brasil.

O Santa Maria[editar | editar código-fonte]

O navio escolhido foi o paquete "Santa Maria", que tinha largado em 9 de janeiro de 1961 para uma viagem regular até Miami. Galvão embarcou clandestinamente no navio, em Curaçao, Antilhas Holandesas. A bordo já se encontravam os 20 elementos da Direcção Revolucionária Ibérica de Libertação, grupo que assumiria a responsabilidade pelo assalto. O navio levava cerca de 612 passageiros, muitos norte-americanos, e 350 tripulantes. A operação começou na madrugada de 22 de janeiro, com a ocupação da ponte de comando. Um dos oficiais de bordo ofereceu resistência e foi morto a tiro; os restantes renderam-se. O paquete mudou de rumo e partiu em direcção a África. Henrique Galvão queria dirigir-se à ilha espanhola de Fernando Pó, no golfo da Guiné, e a partir daí atacar Luanda, que seria o ponto de partida para o derrube dos governos de Lisboa e Madrid. Um plano megalómano e quixotesco, condenado ao fracasso, mas que chamaria as atenções internacionais para a ditadura salazarista.

As coisas começaram a complicar-se quando o navio foi avistado por um cargueiro dinamarquês, que avisou a guarda costeira americana. Daí até à chegada dos navios de guerra foi um ápice. Vendo que tudo estava perdido, Henrique Galvão decidiu rumar ao Recife e render-se às autoridades brasileiras, pedindo asilo político, que foi aceite.

A morte[editar | editar código-fonte]

Henrique Galvão, morreu em São Paulo, em 25 de junho de 1970, com a doença de Alzheimer.

A 7 de novembro de 1991 foi agraciado a título póstumo com a Grã-Cruz da Ordem da Liberdade[2] .

Obra escrita completa[editar | editar código-fonte]

  • Huíla: Relatório de Govêrno, 1929
  • Em terra e Pretos: crónicas d'Angola, 1929
  • Nacionalização de Angola: conferência, 1929
  • "La Presse Coloniale et le probleme du travail indigene", 1931
  • "Revolução, peça em 3 actos, 1931
  • História do nosso tempo: João de Almeida (sua obra e acção), 1931 (2.ª edição, 1934)
  • O poeta Lopes Vieira em Africa e o seu Relatorio, Edição do autor, 1932
  • "Informação Económica sôbre Angola", 1932
  • "As feiras de amostras coloniais", 1932
  • "As embalagens no comércio com as Colónias", 1932
  • O vélo d'oiro: romance colonial (co-escrito com Eduardo Malta), ediç. Francisco Franco, 1932
  • "Um critério de povoamento europeu nas Colónias", 1933
  • "Galícia en el poblamiento de las colonias portuguesas", 1933
  • "A função colonial, razão de ser da nacionalidade", 1934
  • "Álbum comemorativo da Prrimeira Exposição Colonial Portuguesa", 1934
  • No rumo do Império. Ilustrações de Carlos Carneiro. Porto, Litografia Nacional, 1933? 1934?
  • Terras do Feitiço (contos africanos), 1934
  • Da vida e da morte dos bichos: subsídios para o estudo da fauna de Angola e notas de caça. Com Teodósio Cabral e Abel Pratas. 5 vols., Lisboa, Livraria Popular de Francisco Franco, 1934
Vol. I - Elefantes e Rinocerontes
Vol. II - O Hipopótamo, A Girafa, O Crocodilo, Os Javalis
Vol. III - O Leão
Vol. IV - Búfalos, Gorila, Leopardos, Antílopes, etc.
Vol. V - Narrativas de Caça Grossa em África
  • "Primeira Exposição Colonial Portuguesa", 1935
  • "O povoamento europeu nas Colónias Portuguesas", 1935
  • "Portugal Colonial" (6 vol.), 1931-37
  • "Dembos" (2 vol.), 1935
  • "O povoamento europeu nas colónias portuguesas, 1935 (2.ª edição, 1936)
  • "Como se faz um homem, peça em 4 actos", 1935
  • "O velo d'oiro. Fantasia colonial em 3 actos" (adaptação teatral do romance do autor pelo próprio e João da Silva Tavares), 1936
  • O sol dos trópicos: (romance colonial), Henrique Galvão, 1936, 322 p.
  • "Angola (Para uma nova política colonial)", 1.º volume, 1937
  • "Fisionomia do passado, aspectos de presente. Da ocupação...", 1937
  • "Ronda do Império", 1937
  • O Império. Lisboa, Secretariado de Propaganda Nacional, 1938
  • "Colonos, peça de 1 acto", 1939
  • O Império na Literatura Portuguesa, 1939
  • "Clima de guerra, ao microfone da Emissora Nacional", 1939
  • "Álbum Comemorativo da Secção Colonial da E. M. P.", 1940
  • "Portugal, 1940: álbum comemorativo fundação : festas de...". Com Eduardo Malta e Manuel Lapa, 1940
  • "Zonas colonizáveis de Angola", 1940
  • Ronda de África: Outras terras, outras gentes. Viagens em Moçambique. Com Fausto Sampaio, 2 vols., Porto, Jornal de Notícias, 1941 e 1942
  • "Bissaya Barreto". Tradução do livro em Francês de Pierre Goemaere, 1942
  • "A caça no império português". Com António Montês e José Arantes de Freitas Cruz, 1943-45
  • Kurika: romance dos bichos do mato, 1944
  • Impala: romance dos bichos do mato, 1946
  • "Irreverência?: (Notas à margem da política e dos costumes), 1946
  • Antropófagos. Porto, editado pelo Jornal de Notícias, 1947 (2.ª ed., Lisboa, Livraria Popular Francisco Franco, 1974)
  • "101 clichés fotográficos de Alvão, Porto, fotógrafo...", 194?
  • Vagô: romance dos bichos do mato (também chamadoO homem e o tigre: vagô), 1954
  • Por Angola: quatro anos de actividade parlamentar. Edição do autor, cerca de 1949
  • Comédia da Morte e da Vida: Uma peça em três actos, seguida de duas peças em um acto: «A Mulher e o Demónio» e «Um caso raro de loucura», Lisboa, Empresa Nacional de Publicidade, 1950
  • Império ultramarino português: monografia do império. Com Carlos Selvagem, 4 vols., Lisboa, Empresa Nacional de Publicidade, 1950-1953)
Vol. I (1950): Introdução; Cabo Verde; Guiné
Vol. II (1951): Guiné (continuação); S. Tomé e Príncipe
Vol. III (1952): Angola
Vol. IV (1953): Moçambique; Índia; Macau; Timor.
  • Pele. Lisboa, Sociedade Gráfica Nacional, 1956
  • Grades serradas, 1959
  • "Relatório de Henrique Galvão e Thomaz Ribeiro Colaço". Escrito com Tomás Ribeiro Colaço para o grupo de apoiantes de Humberto Delgado, 1959
  • "Os últimos dias do fascismo português: Memórias dum...". Com Maria Archer, 1959
  • Carta aberta ao dr. Salazar, Buenos Aires (distribuído também em Portugal), Edição da Comissão de Libertação Nacional, 1959 (2ª edição, Caracas, igualmente distribuído também em Portugal, Movimento Nacional Independente, 1960, 3ª edição Lisboa, Arcádia, 1975)
  • A Minha Cruzada Pró-Portugal. Santa Maria, São Paulo, Livraria Martins, 1961 (2.ª edição sob o título O assalto ao Santa Maria, Lisboa, Delfos, 1974
  • Depoimento torpedeado: Portugal, a ONU, o salazarismo e a situação na África Portuguesa. São Paulo, Frente Antitotalitária dos Portugueses Livres Exilados, 1962
  • Da minha luta contra o salazarismo e o comunismo em Portugal, São Paulo, 1965 (2.ª ed., Lisboa, Arcádia, 1976)
  • "A cultura da aveleira", 1968
  • Diário de Peniche, Lisboa, Livraria Popular de Francisco Franco, 1974 ou 1975
  • Crónica de horas vazias, Lisboa, Livraria Popular de Francisco Franco, 1975[3]

Fontes[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Henrique Galvão, na página do Grão-Mestre das Ordens Honoríficas Portuguesas.
  2. Henrique Galvão, na página do Grão-Mestre das Ordens Honoríficas Portuguesas.
  3. Contém uma carta do autor a Marcello Caetano, que era Ministro das Colónias nos anos de 1950, quando estes textos foram escritos. Ver HENRIQUE GALVÃO - "CRÓNICA DE HORAS VAZIAS", blogue Almanaque Republicano, 28 DE SETEMBRO DE 2012
  4. .Henrique Galvão no catálogo PORBASE.
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.