Metamorfose

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde agosto de 2009).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Searchtool.svg
Esta página ou secção foi marcada para revisão, devido a inconsistências e/ou dados de confiabilidade duvidosa. Se tem algum conhecimento sobre o tema, por favor, verifique e melhore a consistência e o rigor deste artigo. Considere utilizar {{revisão-sobre}} para associar este artigo com um WikiProjeto e colocar uma explicação mais detalhada na discussão.
Larva de mosquito
Exemplos de pupas

Em biologia, metamorfose ou alomorfia (do grego metamórṗhosis) é uma mudança na forma e na estrutura do corpo (tecidos, órgãos), bem como um crescimento e uma diferenciação, dos estados juvenis ou larvares de muitos animais, como os insetos e anfíbios (batráquios), até chegarem ao estado adulto. Depois do nascimento, os animais podem sofrer dois tipos de desenvolvimento: direto, ou indireto. No desenvolvimento indireto os animais que nascem diferem significativamente da forma adulta, assim os indivíduos passam pela metamorfose. Já no desenvolvimento direto, os animais já nascem com a forma definitiva, pois são muito semelhantes aos adultos, como por exemplo o ser humano.

Etimologia[editar | editar código-fonte]

A palavra metamorfose vem do grego μεταμόρφωσις (metamórṗhosis, "transformação"), formada pelos radicais μετα- (prefixo meta-), "mudar" + μορφή (sufixo -morfo), "forma".

Tipos de metamorfose[editar | editar código-fonte]

Normalmente as metamorfoses são acompanhadas pela mudança de habitar ou de hábitos podendo, no entanto ocorrer sem que haja tais alterações.

Alguns exemplos de metamorfose, com mudança de habitat ou de hábitos, são encontrados em muitos insetos e anfíbios.. As libélulas são insetos aquáticos durante a idade prematura, apresentando-se como voadores na idade adulta. As rãs sofrem metamorfose transformando-se de um girino aquático até um anfíbio (forma definitiva). Outros exemplos são muitos invertebrados aquáticos que nadam livremente durante horas no início da vida, fixando-se em seguida a um substrato onde vivem a restante da vida sem locomoção, como é o caso dos urocordados. As borboletas e as traças quando na fase larval têm peças bucais mastigadoras e depois se transformam em insetos voadores com essas peças especializadas na sucção.

O tipo de metamorfose sem que haja mudanças significativas nos hábitos ou habitats é ilustrado por muitas espécies de crustáceos, que passam por metamorfoses físicas até ao estado adulto. Relativamente a estes casos onde o habitat do animal se mantém inalterado Ernst Haeckel afirmou, há décadas, que a metamorfose seguia uma série de formas correspondentes aos ancestrais da espécie em questão ao longo da sua Evolução (Lei da recapitulação), mas hoje se sabe que é uma formulação incorreta.

Metamorfose em insetos[editar | editar código-fonte]

Uma borboleta Papilio dardanus saindo do casulo.

Os estados prematuros de uma espécie que sofre metamorfoses é designado pelo termo larva ou ninfa, dependendo da natureza do desenvolvimento pós-embrionário da espécie. Alguns insetos nascem já com a forma geral do adulto (ninfa), e a metamorfose até a forma adulta é normalmente marcada pelo desenvolvimento de asas. Este tipo de metamorfose é designado por metamorfose gradual, simples ou incompleta.

Holometabolismo é o desenvolvimento dos insetos mediante metamorfose completa, com quatro fases bem distintas: ovo; larva, estado bem ativo; entrando de seguida num estado inativo conhecido por pupa; emergindo finalmente para adulto. Esses insetos compreendem uma divisão e são chamados de holometabólicos.

Algumas espécies de escaravelhos e algumas da ordem Strepsiptera sofrem hipermetamorfoses, com uma sequência de formas larvares precedendo o estado de pupa.

Relativamente à questão se o inseto passa mais tempo na forma adulta ou na forma juvenil, depende da espécie. Exemplos notáveis são por exemplo as efémeras cujos estados adultos reduzem-se a um dia, ou então o caso das cigarras, cujos estados juvenis subterrâneos prolongam-se durante 17 dias. Apesar disso esta espécie tem uma metamorfose legal incompleta. Geralmente nas espécies nas quais a vida adulta é mais longa que a vida juvenil, estas sofrem metamorfoses complexas.

Observação: Os termos lagarta e crisálida são sinônimos de larva e pupa, respectivamente, quando se referem à ordem lepidoptera.

Caracterização dos insetos em relação à metamorfose:

A) Ametabolia: ausência de metamorfose

B) Simples (hemimetabolia): caracterizado por muito pouca diferenciação entre os instares e o inseto não apresenta uma fase imóvel (pupa). Os jovens são chamados de ninfas.

C) Completa (holometabolia):

E) Hipermetamorfose

E) Intermediária

Alguns exemplos de insetos que sofrem metamorfose[editar | editar código-fonte]

espécie ovo larva pupa adulto
Mosca Varejeira 1 dia 8 dias 9 dias 35 dias
Joaninha 4 dias 18 dias 15 dias 9 meses
Borboleta 14 dias 1 mês 14 dias 2 meses
Cigarra 1 mês 17 dias estado inexistente 2 meses
Efémera 1 mês 3 anos 1 dia
Barata 1 mês 3 meses 9 meses

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]