Experiência de Miller e Urey

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Experiência de Urey-Miller)
Ir para: navegação, pesquisa
Esquema do experimento.

A experiência de Miller e Urey foi uma experiência concebida para testar a hipótese de Oparin e Haldane sobre a origem da vida.

Segundo o experimento, as condições na Terra primitiva favoreciam a ocorrência de reações químicas que transformavam compostos inorgânicos em compostos orgânicos precursores da vida. Em 1953, Stanley L. Miller e Harold C. Urey da Universidade de Chicago realizaram uma experiência para testar a hipótese de Oparin e Haldane que ficou conhecida pelos nomes dos cientistas.[1] Esta experiência tornou-se na experiência clássica sobre a origem da vida.

A experiência de Miller consistiu basicamente em simular as condições da Terra primitiva postuladas por Oparin e Haldane. Para isto criou um sistema fechado, sem oxigênio, onde inseriu os principais gases atmosféricos, tais como hidrogênio, amônia, metano, além de vapor d'água.[2] Através de descargas elétricas, e ciclos de aquecimento e condensação de água, obteve após algum tempo, diversas moléculas orgânicas (aminoácidos). Deste modo, conseguiu demonstrar experimentalmente que seria possível aparecerem moléculas orgânicas através de reações químicas na atmosfera utilizando compostos que poderiam estar nela presentes. Estas moléculas orgânicas são indispensáveis para o surgimento da vida.

Porém, esta experiência não prova que a origem da vida se deu dessa forma. Na verdade, é impossível a vida ter surgido dessa maneira. Sabemos que esse experimento foi feito em um sistema fechado, sem oxigênio, pois presumiram que era assim a Terra primitiva. Sendo assim, tampouco existia a camada de ozônio; e é aqui que nasce o problema. Sem a camada de ozônio, todo e qualquer aminoácido formado seria destruído pela luz solar, impossibilitando a origem de vida. Logo, esse experimento não comprova nada.

Novas Comprovações[editar | editar código-fonte]

É comprovado que são necessários pelo menos 20 aminoácidos nas formas de vida conhecidas. Apesar de Miller ter produzido vários tipos de aminoácidos, seu experimento não pode ser considerado uma prova ao seu tempo do surgimento da vida por reações químicas, pois dos 20 aminoácidos necessários para surgimento de uma forma de vida simples, apenas 13 foram então detectados.

Reanálises publicadas em outubro de 2008 do material original da experiência, mostraram a presença de 22 aminoácidos ao contrário dos 5 que foram criados no aparelho. Antigos resultados mostram uma forte evidência de estas moléculas orgânicas específicas poderem ser sintetizadas de reagentes inorgânicos atmosféricos.[3]

Referências

  1. Mariana Araguaia. Experimento de Miller Mundo Educação. Visitado em 22 de junho de 2012.
  2. Morre Stanley Miller, o homem da "sopa orgânica" G1 Notícias (4 de maio de 2008). Visitado em 22 de junho de 2012.
  3. Estudo de 1958 pode ajudar a demonstrar como começou a vida na Terra Estadão.com. Visitado em 22 de junho de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]