Flávio de Carvalho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Nome completo Flávio de Resende Carvalho
Nascimento 10 de agosto de 1899
Barra Mansa, RJ
Morte 4 de junho de 1973 (73 anos)
Valinhos, SP
Nacionalidade Brasil brasileira
Obras notáveis Casa da Fazenda Capuava

Flávio de Carvalho[1] é o nome artístico de Flavio de Rezende Carvalho (Barra Mansa, 10 de agosto de 1899Valinhos, 4 de junho de 1973). Flávio Carvalho foi um dos grandes nomes da geração modernista brasileira, atuando como arquiteto, engenheiro, cenógrafo, teatrólogo, pintor, desenhista, escritor, filósofo, performer, flashmobist, músico e outros rótulos.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de família de muitas posses, pôde receber uma educação privilegiada na França (de 1911 a 1914) e na Inglaterra, onde frequentou a Universidade de Durham. Em 1922, formou-se em engenharia civil. Ao mesmo tempo e na mesma universidade, fez seus estudos de belas artes.

Retornando ao Brasil, empregou-se como calculista na famosa firma de construção civil de Ramos de Azevedo (1924).

Flávio de Carvalho escrevia sobre arquitetura no extinto jornal "Diário de São Paulo", e em 1956, seu editor pediu que fizesse um modelo de roupa masculino. Flávio deu o nome de Experiência nº 3 ao seu projeto e criou uma saia de náilon, uma camisa bufante, um chapéu e uma meia de modelo arrastão com sandálias de couro como solução para o excessivo calor. Ele mesmo desfilou com seu protótipo em 18 de outubro daquele ano em São Paulo. Era, na realidade, a vestimenta de um modelo futurista de moradia, A Cidade do Homem Nu, sem Deus, propriedade privada ou casamento, um ser “selvagem com todos os seus desejos, toda a sua curiosidade intacta e não reprimida como era pela conquista colonial. Em busca de uma civilização nua!”, como ele próprio escrevera.[2]

Cronologia[editar | editar código-fonte]

  • 1900

São Paulo SP – Muda-se com a família para essa cidade

  • 1911/1914

Paris (França) – Vive nessa cidade, onde, em uma escola interna, prossegue seus estudos regulares

  • 1914/1922

Inglaterra – Vive nesse país

  • 1922

São Paulo SP – Após concluir o curso de engenharia, volta a viver na capital paulista

  • 1923

São Paulo SP – Trabalha como calculista de grandes estruturas de concreto na empresa Barros, Oliva & Cia.

  • 1924/1926

São Paulo SP – Trabalha no escritório de arquitetura de Ramos de Azevedo (1851 – 1928)

  • 1926

São Paulo SP – Inicia colaboração, como ilustrador, com o Diário da Noite

  • 1927/ca.1970

Participa de vários concursos de arquitetura, como para o Palácio do Governo do Estado de São Paulo (1927), para a Embaixada da Argentina no Rio de Janeiro (1928) e para a Universidade de Minas Gerais, em Belo Horizonte (1928). Não é vencedor de nenhum deles, mas alguns de seus projetos são considerados marcos da moderna arquitetura brasileira. Em 1928 envia projeto para o concurso internacional para a construção do Farol de Colombo, a ser erguido na República Dominicana. Sua proposta recebe menção honrosa

  • 1929

São Paulo SP – Encontra-se com Le Corbusier (1887 – 1965) e recebe do arquiteto franco-suíço a alcunha de “revolucionário romântico”

  • 1929/1938

Valinhos SP – Idealiza e executa projeto pessoal, uma casa-sede modernista, para a fazenda Capuava

  • 1930

Rio de Janeiro RJ – Participa, como delegado antropófago, do 4º Congresso Pan-Americano de Arquitetos, em que apresenta as conferências Cidade do Homem Nu e Antropofagia no Século XX

  • 1931

São Paulo SP – Realiza a Experiência Nº 2 – de forma provocativa, caminha, com boné na cabeça, em sentido contrário ao de uma procissão católica de Corpus Christi. Quase linchado, é salvo pela polícia. Após alguns meses, publica relato e análise do evento em livro de mesmo título

  • 1932

São Paulo SP – Participa do Movimento Constitucionalista como capitão-engenheiro

  • 1932/1934

São Paulo SP – Abre ateliê, onde funda o Clube dos Artistas Modernos – CAM, com Antonio Gomide (1895 – 1967), Di Cavalcanti (1897 – 1976) e Carlos Prado (1908 – 1992). Promove espetáculos, exposições e conferências

  • 1933

São Paulo SP – Cria o Teatro da Experiência e encena o Bailado do Deus Morto, espetáculo de teatro-dança de sua autoria e para o qual cria cenografia e figurino os atores-dançarinos, em sua maioria negros, usam máscaras de alumínio. O teatro é fechado pela polícia sob a alegação de atentatório aos bons costumes

  • 1934

São Paulo SP – Participa do concurso para o Monumento ao Soldado Constitucionalista

São Paulo SP – Sua primeira exposição individual, inaugurada em 28 de junho, é fechada pela polícia em 12 de julho sob alegação de atentado ao pudor e imoralidade. Cinco obras são apreendidas. A mostra é reaberta por ordem judicial em 26 de julho

Europa – Participa, em Praga (na atual República Tcheca), de congressos de filosofia e psicotécnica e, em viagem pelo continente, encontra-se com algumas personalidades ligadas às artes, como Herbert Read (1893 – 1968), Filippo Tommaso Marinetti (1876 – 1944), André Breton (1896 – 1966), Man Ray (1890 – 1976), Pablo Picasso (1881 – 1973) e Salvador Dalí (1904 – 1989)

  • 1935

São Paulo SP – Inicia a publicação de entrevistas realizadas na Europa com várias personalidades com as quais teve contato

  • 1936

Rio de Janeiro RJ – Publica, pela editora Ariel, o livro de sua autoria Os Ossos do Mundo, com prefácio de Gilberto Freyre (1900- 1987). O livro relata as impressões de uma viagem realizada à Argentina, nesse ano, com um grupo de engenheiros paulistas

São Paulo SP – Realiza a decoração do baile oficial do Carnaval na cidade, no antigo Cine Rink

  • 1936/1938

São Paulo SP – Projeta e realiza conjunto de 17 casas das Alamedas Lorena e Ministro Rocha Azevedo, conhecido como Vila América

  • 1937

São Paulo SP – Por ocasião da realização do 1º Salão de Maio, no Esplanada Hotel de São Paulo, faz conferência em que apresenta sua tese O Aspecto Psicológico e Mórbido da Arte Moderna. A tese é também enviada ao 2º Congresso de Estética e Ciência da Arte, na Universidade Sorbonne, em Paris (França)

Paris (França) – O editor Félix Alcan publica L"Aspect Psychologique et Morbide de l"Art Moderne, súmula da tese do artista

  • ca.1938/1973

São Paulo e Valinhos SP – Divide seu tempo entre a capital paulista e a fazenda Capuava

  • 1938

São Paulo SP – Cria a empresa Tropicalumínio para produzir e comercializar as persianas de alumínio que projeta

  • 1939

São Paulo SP – Toma banho nu na Fonte das Lagostas, na Praça Júlio Mesquita, em companhia de Quirino da Silva (1897 – 1981)

São Paulo SP – Organiza, com Sangirardi Júnior, o 3º Salão de Maio e edita a RASM – Revista Anual do Salão de Maio, em que lança manifesto

  • 1947

São Paulo SP – Faz a Série Trágica, nove desenhos que registram a agonia de sua mãe, Ophélia Crissiuma de Carvalho. A série pertence à Coleção Museu Nacional de Belas Artes – MNBA

  • 1948

São Paulo SP – Por ocasião da realização de sua exposição individual no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand – Masp, apresenta a conferência Os Problemas da Pintura e do Pintor, do Ponto de Vista do Pintor

  • 1950

São Paulo SP – Projeta cenários luminosos para o balé de Dorinha Costa com música de Camargo Guarnieri (1907 – 1993), apresentado no Theatro Municipal

  • 1953

São Paulo SP – Realiza a decoração de carnaval do Instituto de Arquitetos do Brasil – IAB/SP

  • 1954

São Paulo SP – Realiza cenário e figurinos para o bailado A Cangaceira, um dos espetáculos do Ballet do IV Centenário

  • 1955

São Paulo SP – Inicia, no Diário de São Paulo, a publicação de sua coluna Casa, Homem, Paisagem

  • 1956

São Paulo SP – Após publicar uma série de artigos sobre moda em sua coluna no Diário de São Paulo, realiza a Experiência Nº 3 – apresenta-se em passeata pelo centro da cidade, com o New Look, um traje tropical idealizado pelo artista composto de saiote com pregas, blusa de nylon com mangas curtas e folgadas, chapéu transparente, meias arrastão e sandálias de couro

São Paulo SP – Realiza cenário para o bailado Ritmos de Prokofief, apresentado no Teatro Cultura Artística

  • 1965

São Paulo SP – Cria cenários e figurinos para o balé Tempo, do Grupo Móbile, apresentado no Teatro Ruth Escobar

  • 1966

São Paulo SP – Profere as palestras Arte como Grafia da História, na Chelsea Art Gallery Os Movimentos de Arte Moderna em São Paulo, na Fundação Armando Álvares Penteado – Faap e Moda, na Galeria Rex

  • 1967

Recife PE – Participa do Seminário de Tropicologia organizado por Gilberto Freire e profere a palestra Vestuário e Trópico

São Paulo SP – Lança, pela Edart, o álbum Flávio de Carvalho – 32 desenhos

São Paulo SP – Passa a ter uma sala especial permanente no Museu de Arte Brasileira da Faap – MAB/Faap

  • 1968

São Paulo SP – Recebe o 2º prêmio no concurso para a decoração do Theatro Municipal

São Paulo SP – Realiza o Monumento a García Lorca na Praça das Guianas

  • 1973

São Paulo SP – Profere a palestra Brasil – Décadas de 30, no Departamento de História da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – FFLCH/USP

São Paulo SP – Publica A Origem Animal de Deus e O Bailado do Deus Morto, pela Editora Difusão Européia

  • 1982

São Paulo SP – Homenagem a Flávio de Carvalho: construtor, no Saguão da Biblioteca Mário de Andrade

  • 1994

São Paulo e Campinas SP – J. Toledo (1947) lança, pelas editoras Brasiliense e da Unicamp, detalhada biografia do artista, com quem convive nos últimos anos de sua vida, intitulada Flávio de Carvalho: o comedor de emoções[3]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Na grafia original, seu nome completo era Flavio de Rezende Carvalho.
  2. (Setembro 2013) "Roupa de Domingo". Aventuras na História (122): 24. São Paulo: Editora Abril.
  3. Biografia Flávio de Carvalho. Site James Lisboa <http://www.brasilartes.com.br/listarQuadros.php?artista=157&n=Flavio-de-Carvalho>. Acesso em 24 de abril de 2013.
  4. Flávio de Carvalho - o comedor de emoções, no Google Books.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Textos/documentos[editar | editar código-fonte]

  • CARVALHO, Flávio de Rezende. "Modernista Warchavchik". 1930. Diário da Noite, São Paulo, em 8 de julho de 1930. Republicado na Arte em Revista nº 4 (Arquitetura Nova), São Paulo, CEAC, agosto de 1980.
  • CARVALHO, Flávio de Rezende. "A Cidade do Homem Nu". 1930. IV Congresso Pan-Americano de Arquitetura e Urbanismo. Publicado no Diário da Noite, em 1 de julho de 1930. Republicado por Luiz Carlos Daher, Flávio de Carvalho: Arquitetura e Expressionismo, Ed. Projeto, São Paulo, 1982.
  • CARVALHO, Flávio de Rezende. "Uma Concepção da Cidade de Amanhã". 1930. Diário da Noite, São Paulo, em 17 de março de 1932. Reproduzido, em fac-símile, por Luiz Carlos Daher, Flávio de Carvalho e a Volúpia da Forma, Edição comemorativa MWM-IFK (MWM Motores Diesel Ltda. e Indústria de Freios Knorr Ltda.), São Paulo, 1984.

Outras referências[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) arquiteto(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.