Francisco Gomes de Amorim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Francisco Gomes de Amorim (Aver-o-Mar-Póvoa de Varzim, 13 de Agosto de 1827 - Lisboa, 4 de Novembro de 1891), foi um poeta e dramaturgo português.

Este escritor, filho de José Gomes de Amorim e de Mariana Joaquina Bento, emigrou com dez anos para o Brasil. De regresso a Portugal, tornou-se amigo de Almeida Garrett que morrera nos seus braços.

Apesar de viver em Lisboa, deslocava-se regularmente à Póvoa de Varzim, tornando-se amigo de Oliveira Martins, quando este escreve o "Requerimento dos Poveiros" a D. Luís I para se fazer a construção do porto de abrigo.

Encontra-se colaboração da sua autoria em diversas publicações periódicas: O Panorama[1] (1837-1868), Revista universal lisbonense[2] (1841-1859), A illustração luso-brasileira[3] (1856-1859), Arquivo pitoresco[4] (1857-1868), O pantheon[5] (1880-1881) e Ribaltas e gambiarras[6] (1881).

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Ódio de Raça (1869), teatro
  • Aleijões Sociais (1870), romance
  • Cantos Matutinos (1858), poesia
  • Efémeros (1866), poesia
  • Os Selvagens (1875), romance
  • As Duas Fiandeiras (1881), romance
  • Memórias Biográficas de Garrett (1881-1884), biografia
  • O Cedro Vermelho (1874), teatro
  • Dicionário de João Fernandes (1878), dicionário de Português editado por Francisco Gomes de Amorim (eBook)

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Personalidades, integrado no Projecto Grande Porto é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.