Glândula paratiroide

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Glândulas paratiróides
Illu endocrine system.jpg
Sistema endócrino. (A glândula paratiróide não está representada na figura, mas está presente na superfície da glândula tiróide.)
Illu thyroid parathyroid.jpg
Tiróide e paratiróide.
Latim glandula parathyroidea inferior, glandula parathyroidea superior
Gray assunto #273 1271
Vascularização artéria tireóidea superior, artéria tireóidea inferior,
Drenagem venosa veia tireóidea superior, veia tireóidea média, veia tireóidea inferior
Inervação gânglio cervical médio, gânglio cervical inferior
Precursor mesênquima da crista neural e endoderme da terceira e quarta bolsas faríngeas
MeSH Parathyroid+Glands

As glândulas paratiróides são, tipicamente, quatro glândulas endócrinas que se situam posteriormente à glândula tiróide. Podem, por vezes, estar embebidas na mesma. As quatro podem ser descritas como um par de paratiróides superiores e um par de inferiores, atendendo à sua localização relativa. É também comum a presença de mais do que quatro paratiróides, podendo existir seis ou mesmo oito. Estas glândulas produzem paratormona/hormona paratiroideia (PTH), a principal hormona da regulação da concentração de cálcio no sangue.

Anatomia e Histologia[editar | editar código-fonte]

As glândulas paratiróides são assim nomeadas devido à sua proximidade com a glândula tiróide; contudo, exercem uma função independente da mesma. São glândulas histologicamente distintas, possuindo maior densidade celular que a tiróide, a qual é caracterizada por uma estrutura folicular. Já anatomicamente, torna-se difícil diferenciá-las da tiróide e do tecido adiposo circundante, tarefa necessária aquando de uma paratiroidectomia ou de uma tiroidectomia, por exemplo.

A irrigação sanguínea das paratiróides é feita sobretudo pelas artérias tiroideias inferiores, pela sua proximidade; no entanto, podem também receber irrigação das artérias tiroideias superiores, ou ainda das artérias tiroideia ima, laríngeas, traqueais ou esofágicas. A drenagem venosa faz-se para o plexo tiroideu. A drenagem linfática é feita para os gânglios cervicais profundos e para os paratraqueais.

Parathyroid gland high mag cropped

Histologicamente, as paratiróides apresentam dois tipos de células: as principais e as oxifílicas. As células principais são menores e abundantes, e são elas que secretam a PTH. As células oxífilicas são maiores, mais eosinófilas (devido à sua abundância de mitocôndrias) e têm função desconhecida. Cada glândula é envolvida por uma cápsula própria, da qual se projectam feixes de tecido conjuntivo que dividem o interior da glândula em lóbulos.

Os dois tipos de células, principais e oxífilicas, são sustentadas por uma matriz de tecido conjuntivo reticular e adiposo.

Fisiologia e Bioquímica[editar | editar código-fonte]

Estas glândulas sintetizam e libertam no sangue paratormona.

A função principal das paratiróides é manter o nível de cálcio no sangue dentro do estreito limite apropriado ao funcionamento dos sistemas nervoso e muscular. Receptores de cálcio na glândula são ativados quando este elemento atinge determinado nível, libertando a paratormona na corrente sanguínea.

A paratormona (PTH) é uma proteína pequena que participa no controlo da homeostase de cálcio e fosfato, e da fisiologia do osso. O seu efeito é antagónico ao da calcitonina: aumenta o nível de cálcio no sangue estimulando a quebra dos osteoclastos para libertar cálcio (destruição do cristal -apatite- do osso) ; aumenta a absorção de cálcio no intestino através da ativação da vitamina D; promove a reabsorção de cálcio nos rins. Tudo isso se traduz num aumento rápido e sustentado da quantidade de cálcio no sangue. Além disso, afeta a percepção de bem-estar, e a ausência de PTH pode estar associada a fadiga e ansiedade.

Influencia na concentração sanguínea de fosfato aumentando a excreção renal deste ião, pela diminuição da sua absorção nos túbulos renais.

Embriologia[editar | editar código-fonte]

As paratiróides desenvolvem-se dos terceiros e quartos pares de bolsas faringeais embrionárias.

As células oxífilias aparecem apenas por volta dos 50 anos de idade.

Doenças[editar | editar código-fonte]

Imagens adicionais[editar | editar código-fonte]

Referências