Guerra Uganda-Tanzânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Guerra Uganda-Tanzânia
LocationUganda&Tanzania.png
Data 30 de Outubro de 1978 - 11 de Abril de 1979
Local Uganda
Desfecho Vitória da Tanzânia; derrubada de Idi Amin de Uganda
Combatentes
Uganda
 Líbia
Estado da Palestina OLP
Tanzânia
Uganda Exército de Libertação Nacional (UNLA)
Principais líderes
Uganda:
Uganda Idi Amin
Líbia:
Líbia Muammar al-Gaddafi
Tanzânia:
Tanzânia Julius Nyerere
Tanzânia Abdallah Twalipo
Tanzânia Tumainiel Kiwelu
UNLA:
Uganda Tito Okello
Uganda Yoweri Museveni
Uganda David Oyite-Ojok
Mozambique:
Moçambique Samora Machel
Forças
Uganda 70.000 soldados1
Líbia 3.0002
Territórios palestinos Centenas de milicianos3
Tanzânia 100.000 soldados
Uganda 6.000 rebeldes
Vítimas
Mortes
Uganda 8.000 soldados
Uganda 500 civis
Líbia 600 soldados
Mortes:
Tanzânia 2.500 soldados
Tanzânia 1.500 civis
Uganda 150 combatentes

A Guerra Uganda-Tanzânia foi travada entre o Uganda e a Tanzânia ocorreu de 11 de outubro de 1978 até Abril de 1979, e levou à derrubada do regime de Idi Amin. Às forças de Idi Amin foram incluídas milhares de soldados enviados por Muammar al-Gaddafi. A guerra foi única porque pertenceu aos dois tipos mais comuns de guerras africanas: as de libertação nacional dos poderes coloniais ou contra o sistema de apartheid, como na Argélia ou na África do Sul, e as disputas internas, como em Ruanda ou no Congo. Na guerra, a Líbia também participou ao lado de Uganda e os rebeldes ugandenses do lado da Tanzânia. A maioria dos Estados africanos forneceram apoio para a Tanzânia, mas não tomaram parte na guerra.

A guerra começou na invasão de Uganda em maio de 1978 e terminou com a queda de Kampala na primavera seguinte. Embora a guerra pôs fim ao capítulo sinistro da história de Uganda, o regime de Idi Amin, quando terminou a guerra com Tanzânia, o país permaneceu dividido pela guerra civil e os crimes contra a humanidade cometidos pelos governos e pelas forças rebeldes.

Referências

  1. Instituto Internacional de Estudios Estratégicos, Military Balance 1979-80, p.55
  2. Tanzanian-Ugandan War 1978-1979
  3. Political terrorism: a new guide to actors, authors, concepts, data bases, theories, & literature, Alex Peter Schmid & A. J. Jongman, pp. 670, Transaction Publishers, edición de 2005 (original de 1988).