Guerra Uganda-Tanzânia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita uma ou mais fontes fiáveis e independentes, mas ela(s) não cobre(m) todo o texto.
Por favor, melhore este artigo providenciando mais fontes fiáveis e independentes e inserindo-as em notas de rodapé ou no corpo do texto, conforme o livro de estilo.
Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Guerra Uganda-Tanzânia
LocationUganda&Tanzania.png
Data 30 de Outubro de 1978 - 11 de Abril de 1979
Local Uganda
Desfecho Vitória da Tanzânia; derrubada de Idi Amin de Uganda
Combatentes
Uganda
 Líbia
Estado da Palestina OLP
Tanzânia
Uganda Exército de Libertação Nacional (UNLA)
Principais líderes
Uganda:
Uganda Idi Amin
Líbia:
Líbia Muammar al-Gaddafi
Tanzânia:
Tanzânia Julius Nyerere
Tanzânia Abdallah Twalipo
Tanzânia Tumainiel Kiwelu
UNLA:
Uganda Tito Okello
Uganda Yoweri Museveni
Uganda David Oyite-Ojok
Mozambique:
Moçambique Samora Machel
Forças
Uganda 70.000 soldados[1]
Líbia 3.000[2]
Territórios palestinos Centenas de milicianos[3]
Tanzânia 100.000 soldados
Uganda 6.000 rebeldes
Vítimas
Mortes
Uganda 8.000 soldados
Uganda 500 civis
Líbia 600 soldados
Mortes:
Tanzânia 2.500 soldados
Tanzânia 1.500 civis
Uganda 150 combatentes

A Guerra Uganda-Tanzânia foi travada entre o Uganda e a Tanzânia ocorreu de 11 de outubro de 1978 até Abril de 1979, e levou à derrubada do regime de Idi Amin. Às forças de Idi Amin foram incluídas milhares de soldados enviados por Muammar al-Gaddafi. A guerra foi única porque pertenceu aos dois tipos mais comuns de guerras africanas: as de libertação nacional dos poderes coloniais ou contra o sistema de apartheid, como na Argélia ou na África do Sul, e as disputas internas, como em Ruanda ou no Congo. Na guerra, a Líbia também participou ao lado de Uganda e os rebeldes ugandenses do lado da Tanzânia. A maioria dos Estados africanos forneceram apoio para a Tanzânia, mas não tomaram parte na guerra.

A guerra começou na invasão de Uganda em maio de 1978 e terminou com a queda de Kampala na primavera seguinte. Embora a guerra pôs fim ao capítulo sinistro da história de Uganda, o regime de Idi Amin, quando terminou a guerra com Tanzânia, o país permaneceu dividido pela guerra civil e os crimes contra a humanidade cometidos pelos governos e pelas forças rebeldes.

Referências

  1. Instituto Internacional de Estudios Estratégicos, Military Balance 1979-80, p.55
  2. Tanzanian-Ugandan War 1978-1979
  3. Political terrorism: a new guide to actors, authors, concepts, data bases, theories, & literature, Alex Peter Schmid & A. J. Jongman, pp. 670, Transaction Publishers, edición de 2005 (original de 1988).