Hortense Luz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Hortense Luz Pombeiro
Hortense Luz (circa 1975)
Nome completo Hortense Luz
Nascimento 8 de Fevereiro de 1900
Lisboa,  Portugal
Morte
Lisboa,  Portugal
Ocupação Actor
Cônjuge Mário Pombeiro
IMDb: (inglês) (português)

Hortense Luz foi uma actriz portuguesa do século XX.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Nascida a 8 de Fevereiro de 1900 em Lisboa no seio de uma família ligada ao teatro (o irmão João Guilherme era cenógrafo), frequentou o conservatório, tendo terminado o curso em 1918 com a nota de 18 valores.

Nesse mesmo ano estreou-se no Teatro Sá da Bandeira, na peça A Vizinha do Lado, levada à cena pela Companhia de Maria Matos.

Estrela de várias revistas e das operetas, casa nos anos 20 com Mário Pombeiro, com quem funda uma companhia teatral que levava o seu nome, e onde actores como Eugénio Salvador se vão estrear no teatro. Com a companhia faz várias turnés às colónias Africanas de Portugal, e ao Brasil. A Companhia Hortense Luz é na realidade uma das que mais virá a fazer turnés nas colónias africanas.[1]

Em 1927 Hortense Luz foi eleita “1ª figura de cartaz” pelo público, e em 1928, já como empresária, apresenta o grande êxito de 1928 “A Rambóia” com Corina Freire, António Silva, Ema de Oliveira e Francis Graça.

No final dos anos 30 começa também a colaborar na rádio e em filmes; participa em 1938 no primeiro filme dobrado em português, nos estúdios da Tobis Portuguesa, O Grande Nicolau, um filme francês distribuído pela Filmes Império. Na dobragem participam os actores Vasco Santana, Alberto Ghira, ou Ribeirinho. Mais tarde, com o advento da RTP, participa em vários programas, entre os quais apresenta Melodias de Sempre, na companhia de Jorge Alves, bem como em peças de teatro e filmes.

Em 1932 vai com a sua companhia até Angola, para a inauguração a 1 de Janeiro do Cine Teatro Nacional em Luanda, com a revista Zabumda.[2]

Nos anos 40 participa em peças da companhia "Comediantes de Lisboa" de António Lopes Ribeiro.

A sua última participação numa revista foi na “Delírio em Lisboa“ em 1959. Retira-se dos palcos em meados dos anos 70, vindo a falecer em Lisboa em Agosto de 1984.

A maioria do seu espólio (fatos de cena, fotografias, guiões, etc), foi doada pela família ao Museu Nacional do Teatro.

Tem ruas com o seu nome em Barbacena,[3] Odivelas[4] e na Costa de Caparica.[5]

Participações[editar | editar código-fonte]

Teatro[editar | editar código-fonte]

  • A Vizinha do Lado (1918)
  • Traulitania (1919)
  • A Rambóia (1928)
  • O Grão de Bico (1931)
  • O Jorge Cadete (1931)
  • Zabumda (1932)
  • Revista das Revistas (1932)
  • Três Num Automóvel (1952)
  • Mulheres há muitas (1954)
  • Delírio em Lisboa (1959)

Cinema[editar | editar código-fonte]

Televisão[editar | editar código-fonte]

  • Lisboa em Camisa (série, 1960)
  • Riso e Ritmo (série, 1964)
  • A TV Através dos Tempos (mini-série, 1964)
  • Romance na Serra (filme, 1964)
  • Cruzeiro de Férias (filme, 1965)

Referências

  1. Rumo a África. Contribuição para o estudo da presença portuguesa das companhias de teatro e dos actores portugueses em África (1900-1974)
  2. Reabertura do Cine Teatro Nacional. Angonoticias.com.
  3. Localização da Rua Hortense Luz em Barcarena (Google Maps). Maps.google.com.
  4. Localização da Rua Hortense Luz em Odivelas (Google Maps). Maps.google.com.
  5. Localização da Rua Hortense Luz na Costa de Caparica (Google Maps). Maps.google.com.
  • "Rumo a África. Contribuição para o estudo da presença portuguesa das companhias de teatro e dos actores portugueses em África (1900-1974)", José Carlos Alvarez in Revista Camões nº 19, 2006.
  • MEMÓRIAS ULTRAMARINAS, Virgínia Cabral Fernandes, Dezembro de 1994, Depósito Legal n.º 85086/94

Ligações externas[editar | editar código-fonte]