Indianismo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Victor Meirelles: Moema

Na literatura brasileira, Indianismo é o termo que faz referência à idealização do indígena, por vezes retratado como um mítico herói nacional. Foi uma das peculiaridades do Romantismo no Brasil, possuindo ainda menor extensão nas artes plásticas durante o século XIX.

Enquanto no continente europeu os românticos idealizavam o cavaleiro medieval, nesta nação não restava alternativa senão divinizar o indígena, já que aqui não se vivenciou historicamente a Idade Média.[1]

O indianismo de Castro Alves trás a poesia anti-escravocrata, valorizando o cantar da natureza e o indianista. A poesia negra no Brasil, sobretudo, teve seu ápice com Cruz e Souza e Jorge de Lima.[2] Com a obra de José de Alencar o indianismo romântico é expressão do épico associado ao lírico em dimensões míticas. Faz críticas à sociedade carioca, cidade onde cresceu, levantando os aspectos negativos e os costumes burgueses. Nessas obras, há a predominância dos personagens da alta sociedade, com a presença marcante da figura feminina. Os pobres ou escravos são reduzidos ou quase não têm papel relevante nos enredos.[3] Já a obra de Gonçalves Dias faz referência a um caso de sentimento nativista; faz-se até sinônimo de independência em sua modalidade do indianismo romântico.[4] O Romance Indianista, tipicamente brasileiro, foi um das principais tendências do nosso Romantismo. O prestígio do indianismo - que trazia o índio e os costumes indígenas como foco literário - junto ao público foi amplo e imediato. Vários fatores contribuíram para a sua implantação. Dentre eles citamos:

As ideias do pensador iluminista e pré-romântico Jean Jacques Rousseau. Segundo ele o homem originalmente é puro, mas é corrompido ao entrar em contato com a civilização. Portanto, Rousseau via no homem primitivo o modelo de ser humano.

No Brasil essas ideias encontraram plena aceitação entre os artistas e o público, já que nosso índio podia ser identificado como o bom selvagem de Rousseau; por não contarmos com a riquíssima matéria aventuresca medieval do Romantismo Europeu: o cavaleiro medieval representava a figura do herói romântico, justo fiel, corajoso, forte e ético. No Brasil, o herói cavaleiro não poderia existir, pois não houve Idade Média, então, nosso índio passou a representar a pureza, a inocência do homem não corrompido pela sociedade, além de assemelhar-se aos heróis medievais. O próprio Brasil, recém-independente, passou a ser visto como uma espécie de "paraíso americano" a salvo da decadência cultural das civilizações portuguesa e europeia em geral.

Contexto[editar | editar código-fonte]

Gonçalves Dias, o mais famoso poeta indianista.

Na Europa, o Romantismo foi buscar seu herói nos cavaleiros medievais. No Brasil, o herói cavaleiro não poderia existir, pois não houve Idade Média; os portugueses também não poderiam ser os heróis, pois o Brasil acabara de conquistar sua independência, mantendo, por essa razão, ressentimentos em relação aos portugueses; muito menos os negros, vindos da África, pois o pensamento da época não permitia isso.[1] Restaram os índios, a população que habitava o país antes da conquista europeia. Contudo, divergindo do Indianismo, e voz marginal dentro do Romantismo, Castro Alves passou à História como o "Poeta dos Escravos", ao criar poemas abolicionistas e antirracistas como O Navio Negreiro e Vozes d'África.[5]

Um dos fatos que estimulou o surgimento do Romantismo no Brasil, foi a proclamação da independência em 1822, que, por sua vez, iniciou a definição da identidade brasileira. Conhecidos também como nativistas, povoam seus romances e versos de índios que correm livres em seu meio natural e belo. É importante lembrar, que a preocupação romântica não era reconstituir uma verdade histórica, mas sim encontrar valores apresentáveis à seu público leitor, que na Europa era o cavaleiro medieval, e no Brasil, o índio.

Assim, a primeira vaga da literatura e filosofia sobre a nacionalidade brasileira (a que podemos chamar "nacionalista" ou "indianista"), é marcada pela exaltação da natureza, volta ao passado histórico, influências do medievalismo romântico, criação do herói nacional na figura do índio, de onde surgiu a denominação "geração indianista". O sentimentalismo e a religiosidade são outras características presentes. Entre os principais autores, destacam-se José de Alencar, Gonçalves de Magalhães, Gonçalves Dias e Araújo Porto.

Globalmente, o romantismo e o indianismo se definem e explicam como duas coordenadas cujo ponto de intersecção é o nacionalismo. Ser indianista constitui uma maneira de praticar o romanismo, enraizando-o no contexto brasileiro:[6]

"Independentemente da teoria da bondade do homem primitivo de Rousseau e mesmo das raízes da temática indianista, o indianismo que surge com o romanismo no Brasil é profundamente uma manifestação nacionalista. É cero que podemos coloca-lo em correspondência com o medievalismo europeu, conforme veremos em conclusão."[7]

Fases del Indianismo e autores mas destacados[editar | editar código-fonte]

O indianismo de José de Alencar está presente em O Guarani, além de outros clássicos como Iracema e Ubirajara. Alencar defendeu o estabelecimento de um “consórcio entre os nativos (que fornecem a abundante natureza) e o europeu colonizador (que, em troca, oferece a cultura, a civilização)". Dessa forma, surgiu então o brasileiro. Em todo o momento, a natureza da pátria é exaltada, um cenário perfeito para um encontro simbólico entre uma índia e um europeu, por exemplo.[3]

Referências

  1. a b Ana Lucia Santana. Escritores do Indianismo (em português). InfoEscola. Página visitada em 03 de outubro de 2013.
  2. Lopes, Hélio. In: Alfredo Bosi. Letras de Minas e outros ensaios (em português). [S.l.]: EdUSP, 1997. 443 p. p. 169. ISBN 8531403812
  3. a b Camila Mitye. Três faces do Romantismo brasileiro (em português). R7. Brasil Escola. Página visitada em 03 de outubro de 2013.
  4. Ricardo, Cassiano. O indianismo de Gonçalves Dias. Conselho Estadual de Cultura, 1964. pp. 20.
  5. Moura, Clóvis. Dicionário da escravidão negra no Brasil. EdUSP, 2004. pp. 94. ISBN 8531408121
  6. Moraes Pinto, Maria Cecilia de. A vida selvagem: paralelo entre Chateaubriand e Alencar (em português). [S.l.]: Annablume Editora, 1995. 288 p. p. 20.
  7. Castello, J. A., A polêmica sobre "A Confederação dos tamoios", p. XXVII.
  8. Sobre as pinturas indianistas de Rodolfo Amoedo, ver “As pinturas indianistas de Rodolfo Amoedo”, Marcelo Gonczarowska Jorge

Bibliografia crítica[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]