João, Marquês de Montemor-o-Novo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações.
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.
Armas da Casa de Bragança, usadas por D. João de Bragança, Marquês de Montemor-o-Novo.

D. João de Bragança, primeiro e único marquês de Montemor-o-Novo, nascido em 1430 aproximadamente, era filho de D. Fernando I de Bragança (2.º duque de Bragança) e de D. Joana de Castro, foi 1.º Marquês de Montemor-o-Novo e 7.º Condestável de Portugal.

Casou, antes de 25 de Julho de 1460 com D. Isabel de Noronha filha de D. Pedro de Noronha (1379 - 12 de Agosto de 1452), bispo de Évora, e de Branca Dias Perestrelo (c. 1390 -?), filha de Fillipo Pallastrelli e de Catarina Vicente, legitimada por carta de 13 de Agosto de 1444. Não deixou descendência.

Por carta de 30 de Outubro de 1471 foi-lhe dado o senhorio de Montemor-o-Novo e em 25 de Abril de 1473 foi feito Condestável de Portugal, como havia sido seu bisavô, D. Nuno Álvares Pereira. D. João foi o 4.° Condestável. Em 1478 o rei D. Afonso V de Portugal concedeu-lhe o título de Marquês de Montemor-o-Novo.

Devido a contradições com a Coroa foi no entanto desterrado de Montemor-o-Novo por D. João II de Portugal, indo acolher-se no Reino de Castela. Foi condenado por traição e sentenciado à morte, tendo a sentença sido executada em efígie em Abrantes, a 12 de Setembro de 1483, devido a D. João de Bragança ter recusado voltar a Portugal para ser submetido a julgamento. Conseguindo assim fugir à execução (ao contrário do seu irmão, D. Fernando II, 3º Duque de Bragança, que foi condenado por traição e executado em Évora em 20 de Junho de 1483), veio a morrer em Sevilha, a 30 de Abril de 1484 no Mosteiro de Santa Paula, das religiosas Jerónimas, daquela cidade.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • "Nobreza de Portugal e Brasil" - Vol. II, pág. 29 e 30. Publicado por Zairol Lda., Lisboa 1989;
  • "O Marquês de Montemor e a sua vida pública" de Anastásia Mestrinho Salgado, Edições Cosmos, Lisboa 1997.


Ícone de esboço Este artigo sobre figuras históricas de Portugal é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.