Kazimierz Ajdukiewicz

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Túmulo de Kazimierz Ajdukiewicz

Kazimierz Ajdukiewicz (12 de dezembro de 1890, Ternopil, Galicia – 12 de abril de 1963, Varsóvia, Polónia) foi um filósofo polaco, um dos principais representantes da tradição lógico-analítica, com fortes inclinações empiristas, na Polónia.[1]

Tinha um vasto âmbito de interesses filosóficos e a sua influência como intelectual foi considerável. A sua concepção da lógica e da teoria do conhecimento insere-se no que foi designado por convencionalismo radical. Era partidário da posição que defende a não existência de distinção estrita entre afirmações analíticas e sintéticas nas línguas naturais. Nem distinção entre regras de inferência lógica e hipóteses científicas. A sua gramática categorial (1935) foi uma fonte importante para o trabalho de Richard Montague. [2]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Logiczne podstawy nauczania, Obraz świata i aparatura pojęciowa,1934
  • Propedeutyka filozofii, 1938
  • Epistemologia i semantyka, 1948
  • Zagadnienia i kierunki filozofii, 1949
  • Zarys logiki, 1952
  • Przekład Medytacji o pierwszej filozofii Kartezjusza (z żoną Marią), 1958
  • Zagadnienia empiryzmu a koncepcja znaczenia, 1964
  • Logika pragmatyczna, 1965
  • Język i poznanie. Wybór pism, 1960-1965

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Kazimierz Ajdukiewicz: 'The Scientific World-Perspective and Other essays 1931-1963, Dordrecht, Reidel, 1977
  • Kazimierz Ajdukiewicz: Problems and Theories of Philosophy, Cambridge, Cambridge University Press.
  • Kazimierz Ajdukiewicz: Pragmatic Logic, Dordrecht, Reidel, 1974.

Referências

  1. Stuart Brown; Diane Collinson; Robert Wilkinson. Biographical Dictionary of Twentieth-Century Philosophers. Taylor & Francis; 2003. ISBN 978-0-203-01447-9. p. 11.
  2. Thomas Mautner. Dicionário de filosofia, Edições 70, 2010

Ligações externas[editar | editar código-fonte]