Língua siquimesa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Siquimês (Dranjongke)
Falado em: Siquim, Butão
Total de falantes: 28.600 (1996).
Família: Sino-tibetana
 Tibeto-birmanesa
  Tibeto-Kanauri
   Bodo
    Tibetana
     Tibetana Central
      Southern
       Siquimês
Códigos de língua
ISO 639-1: --
ISO 639-2: ---
ISO 639-3: sip

A língua Siquimesa, língua Suquimesa Tibetana, ou Língua Bhutia, também chamada Dranjongke (འབྲས་ལྗོངས་སྐད་ - jongs-skad}}), Dranjoke, Denjongka, Denzongpe Ke, Denzong Ke; é uma língua da família Sul Tibetana. É falada pela nacionalidade tibetana Bhutia no Siquim. Os siquimeses chama sua própria língua de Dranjongke (འབྲས་ལྗོངས་སྐད་'bras-ljongs-skad) e seu país de Denzong (འབྲས་ལྗོངས་'bras-ljongs}}; Vale do arroz). O Siquimês é escrito com a escrita tibetana.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Os falantes do siquimês são em geral agricultores e pastores de religião budista. Vivem majoritariamente em Sikkim, Darjeeling, Bengala Ocidental e talvez haja alguns no Tibete.

Outros nomes[editar | editar código-fonte]

A língua é conhecida também como Dandzongka, Danjongka, Danyouka, Denjong, Denjongkha, Denjongpa, Denjonka, Denjonke, Lachengpa, Lachungpa, Sikami, Sikkim Bhotia, Sikkim Bhutia.

Características[editar | editar código-fonte]

Os falantes de Siquimês podem entender razoavelmente o a língua dzongkha, havendo simetria de 65% entre os léxicos das duas línguas, enquanto que a similaridade com a língua tibetana é de somente 42%. O língua tem sofrido influências de línguas vizinhas tais como Yolmo e Tamang.[1]

Devido à longa convivência com nepaleses e com tibetanos, muitos dos siquimeses usam as línguas dessa etnias.

Escrita[editar | editar código-fonte]

A língua siquimesa usa o alfabeto tibetano, herdado do tibetano clássico, do qual, porém a fonologia e o léxico suimeses diferem muito. Conforme SIL International, a escrita siquimesa é chamada de "Estilo Bodhi" e 68% dos siquimeses étnicos eram alfabetizados em tibetano em 2001.

Fonologia[editar | editar código-fonte]

Consoantes[editar | editar código-fonte]

Tabela das consoantes siquimesas, conforme os especialistas Yliniemi (2005) e van Driem (1992).[2]

Labial Dental/
Alveolar
Retroflex Alveolo-palatal/
Palatal
Velar Glotal
Nasal oclusiva surda ན /n/ ŋ̥ ང /ng/
sonora m མ /m/ n ན /n/ n~ŋ ཉ /ny/ ŋ ང /ng/
Plosiva surda
unaspirated
p པ /p/ t ཏ /t/ ʈ ཏྲ /tr/ k ཀ /k/ ʔ འ /ʔ/
surda
aspirada
ཕ /ph/ ཐ /th/ ʈʰ ཐྲ /thr/ ཁ /kh/
sonora b བ /b/ d ད /d/ ɖ དྲ /dr/ ɡ ག /g/
surda p̀ʱ བ /p'/ t̀ʱ ད /t'/ ʈ̀ʱ དྲ /tr'/ k̀ʱ ག /k'/
Africada surda
unaspirated
ts ཙ /ts/ ཅ /c/
surda
aspirada
tsʰ ཚ /tsh/ tɕʰ ཆ /ch/
sonora dz ཛ /dz/ ཇ /j/
não sonora tɕ̀ʱ ཇ /c'/
Fricativa surda s ས /s/ ɕ ཤ /sh/ h ཧ /h/
sonora z ཟ /z/ ʑ ཞ /zh/
Líquida surda ལ /l/ ར /r/
sonora l ལ /l/ r~ɹ~ɾ ར /r/
Aproximante w ཝ /w/ j ཡ /y/ w ཝ /w/

Consoantes não sonoras são pronunciadas com voz ligeiramente gutural, aspirada e baixa tonicidade. São remanecentes de consoantes sonoras da língua tibetana clássica que perderam sua força fonética. Assim, o histórico fonema tibetano /ny/ é percebido como um alofone de /n/ e /ng/, os quais praticamente perderam seu contraste entre os falantes.

Vogais[editar | editar código-fonte]

Tabela fonética das vogais “Sikkims”, conforme Yliniemi (2005).

Anterior Central Posterior
não-arredondada arredondada não arredondada arredondada
Close i  ི /i/ y  ུ /u/ u  ུ /u/
Mid e  ེ /e/ ø  ོ /o/ o  ོ /o/
Open ɛ  ེ /e/ ɐ /a/

No alfabeto tibetano, um abugida, a vogal inerente é /a/, não marcada.d. Na tabela acima, o [ɛ] /e/ representado em itálico é um alofone de [e] /e/, que só aparece depois de [dʑ] /j/ em sílabas fechadas.


Notas[editar | editar código-fonte]

  1. conf. SIL [http://himalaya.socanth.cam.ac.uk/collections/journals/bot/pdf/bot_1995_01_25.pdf - Norboo “The Sikkimese Bhutia” - Bulletin of Tibetology - Namgyal Institute of Tibetology (Gangtok - 1995
  2. Masters, General Linguistics "Preliminary Phonological Analysis of Denjongka of Sikkim" Yliniemi, Juha (2005) (University of Helsinki)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • “The grammar of Dzongkha” - George van Driem - Dzongkha Development Commission, Butão, 1992

Ligações externas[editar | editar código-fonte]